Boa Tarde!, Terça-Feira - 21 de Janeiro de 2020

 

Veja orientações sobre como proceder diante dos sintomas de H1N1

Redação com Agência Alagoas / 12:42 - 03/04/2016


O aumento do número de casos de influenza H1N1 voltou a chamar atenção desde que foi registrado o surto da doença no Estado de São Paulo. Mas qual a diferença entre uma gripe comum e a influenza? A técnica do Núcleo de Doenças Imunopreveníveis da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), Claudeane Nascimento, esclarece sobre a conduta que a população deve adotar diante dos casos.

As infecções causadas pelos vírus influenza, segundo a técnica da Sesau, são sazonais e ocorrem especialmente nos meses mais frios, quando é esperado um aumento da incidência das doenças respiratórias. Os principais sintomas são febre de início súbito, tosse, dor de garganta, podendo ocorrer, ainda, vômito e diarreia.

Prevenção

É necessário adotar alguns hábitos que podem contribuir para prevenir a doença, como a higienização das mãos após consumir alimentos e a utilização de lenços descartáveis para higiene nasal. Também é necessário usar a face interna do braço ao tossir para não contaminar as mãos e transmitir às demais pessoas, evitar aglomerados de pessoas e deixar os ambientes internos bem ventilados.

Foto: Agência Alagoas

Foto: Agência Alagoas

“É necessário, ainda, evitar compartilhar copos, talhares ou objetivos pessoais e deve-se procurar assistência médica se surgirem sintomas que possam ser confundidos com as infecções pelo vírus influenza. E aos primeiros sintomas, é necessário procurar uma unidade de saúde”, orienta Claudeane Nascimento.

Já para quem faz parte do grupo de risco, de acordo com o protocolo do Ministério da Saúde, há recomendação de que o paciente receba o medicamento Tamiflu. “Quem não é grupo de risco, vai ficar sobre o julgamento clínico, cabendo ao médico indicar se o paciente deve receber a medicação para tratar a síndrome gripal”, explicou a técnica.

Dispneia

O alerta da técnica da Sesau é sobre a forma grave da influenza, quando é acrescentado o sintoma da falta de ar, conhecida como dispneia. Esse paciente deve procurar de imediato uma unidade de saúde.

“O objetivo da Sesau e do Ministério da Saúde é identificar o tipo de vírus que está circulando”, apontou Claudeane. Por isso, a referência no Estado de Alagoas, em caso de hospitalização, é o Hospital Escola Hélvio Auto, localizado no Trapiche da Barra. Ela reforçou que “o tratamento está disponível em toda rede básica, média e alta complexidade do SUS para garantir um tratamento seguro e oportuno ao paciente”.

Vacinação e grupo de risco

Os cuidados a serem tomados são os mesmos das doenças respiratórias. Conforme esclareceu a Sesau, a vacinação contra influenza mostra-se como uma das medidas mais efetivas para a prevenção da influenza grave e de suas complicações.

No entanto, Claudeane lembra que a imunização é voltada apenas para o grupo de risco, que são as crianças de seis meses a menores de cinco anos, os adultos com 60 anos ou mais, as gestantes, puérperas de até 45 dias após o parto, trabalhadores da saúde, população indígena, portadores de doenças crônicas, pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional.

A vacinação contra a influenza pode ser encontrada nas unidades de saúde apenas durante o período de campanha. “A vacina é anual porque a cada ano esse vírus sofre uma mutação e, consequentemente, a vacina é modificada”, justifica a técnica estadual.

Neste ano, a 18ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza acontecerá no período de 30 e abril a 20 de maio de 2016, sendo 30 de abril, o dia de mobilização nacional.“As pessoas devem procurar a unidade de saúde no Dia D – o primeiro dia da campanha – e não deixar para última hora, o que dificulta o processo de imunidade, que acontece apenas após 10 dias da vacinação”.

Dados

Em Alagoas, há registro de casos desde a pandemia de 2009, quando foram confirmados 14. Em 2016, até a sexta-feira (1º), são 10 casos suspeitos de Influenza, que aguardam a confirmação do Instituto Fiocruz, no Rio de Janeiro, referência para o diagnóstico da doença no Brasil.


Comentar usando