A paulistana Bia Haddad teve uma segunda-feira (8) especial desde as primeiras horas. Além de subir para 24ª posição no ranking mundial, divulgado hoje pela Associação Internacional de Tênis Feminino (WTA, na sigla em inglês), a brasileira estreou com vitória no Aberto de Toronto (Canadá), ao derrotar a italiana Martina Trevisan (26ª), por 2 sets a 1 (parciais de 6/2 2/6 6/2).

A próxima partida da canhota será na quarta (10), em horário ainda a ser definido. Bia enfrentará a vencedora do confronto entre a australiana Storm Sanders e a canadense Leylah Fernandez, que duelam logo mais, às 20h (horário de Brasília).

A temporada deste ano tem sido exitosa para a paulistana de 26 anos. Na disputa individual Bia faturou os dois principais títulos da carreira - os WTA 250 de Nottingham e Birmingham, ambos na Inglaterra – e também foi campeã no WTA 125 de Saint Malo (França). Nas duplas, a brasileira começou o ano levando o título no WTA 500 de Sidney, ao lado da cazaque Anna Danilina. Em junho passado, além do título de simples também faturou o de duplas no WTA 250 de Nottingham, desta vez em parceria com a chinesa Shuai Zhang.

Luísa Sonza foi atingida por um tênis durante apresentação da Micareta São Paulo, evento realizado no Anhembi, na quinta-feira, 16 de junho.

No vídeo que viralizou na internet, é possível notar o susto da artista diante da agressão. Alguém que estava no meio da plateia lançou o calçado que por pouco não atingiu a cabeça da cantora. Luísa chegou a olhar para o chão para constatar o objeto. No momento, ela cantava a música “Flores”, parceria com seu ex-namorado, Vitão.

No último domingo, 12 de junho, quem passou pela mesma situação foi Zé Felipe, durante um show no Rio de Janeiro. O marido de Virginia Fonseca foi acertado no queixo. Na terça-feira, 14 de junho, o cantor apareceu nas redes sociais para falar da agressão.

“Desculpa o sumiço ontem. Estava me recuperando do tênis que levei no queixo, machucou muito, a face do meu rosto, quase arrancou minha cara”, começou o cantor.

“Vou contar pra vocês o que aconteceu, estava no meio do show e, de repente, ‘pum’, um tênis na minha cara. Olhei pra baixo e a mulher que jogou estava com a mão levantada, querendo foto”, explicou.

 

 

O catarinense Ymanitu Silva vai disputar o torneio de Roland Garros na categoria Quad do tênis em cadeira de rodas. O atleta, que competirá como convidado, embarca para Paris (França) no próximo sábado (28). O sorteio da chave será realizado no domingo (30), e as disputas terão início a partir de 1º de junho, em chave com oito atletas.

Atual 11º do mundo, Ymanitu vem de suas maiores vitórias na carreira durante o Mundial realizado em Villamoura (Portugal), no começo do mês, superando duas vezes o americano David Wagner, quarto do ranking, e levando o Brasil ao inédito terceiro lugar geral.

"É um carinho muito grande que tenho por esse Grand Slam por conta do nosso Guga, mais uma vez terei a emoção muito grande participar desse Grand Slam e agradeço à Confederação Brasileira de Tênis, Comitê Paralímpico Brasileiro, a ADK Tennis e o técnico Piki (Patrício Arnold) e todos os meus patrocinadores", disse Ymanitu que esteve na disputa do evento pela primeira vez em 2019.

Brasil estreia nas duplas nesta terça (24)

O gaúcho Rafael Matos e o espanhol David Vega estreiam às 6h (horário de Brasília) deste terça (24) contra o argentino Andres Molteni e o mexicano Santiago Gonzalez, cabeças de chave 13. Na sequência, às 7h30, está previsto o jogo da primeira rodada do mineiro Marcelo Melo e o argetino Maximo Gonzalez, vice-campeões no último sábado (21) do ATP 250 de Lyon (França). No primeiro Grand Slam da parceria Brasil-Argentina, cabeça de chave 15, a estreia será contra o esloveno Aljaz Bedene e o sérvio Filip Krajinovic.

Programação de quarta-feira (25)

SIMPLES

Segunda rodada - Bia Haddad (Brasil) x Kaia Kanepi (Estônia) - horário a ser definido

DUPLAS

Estreia - Bruno Soares (Brasil) e Jamie Murray (Escócia) x Lloyd Harris (África do Sul) e Jonathan Erlich (Israel) - horário a ser definido

Estreia - Bia Haddad (Brasil) e Ana Danilina (Cazaquistão) x Eri Hozumi e Makoto Ninomiya (ambas do Japão) - horário a ser definido

A Associação das Tenistas Profissionais (WTA) divulgou na segunda-feira (16) um calendário de torneios atualizado para a temporada 2022 sem nenhum evento na China e sem definição do local do WTA Finals que encerrará a temporada.

O circuito feminino de tênis havia dito no mês passado que ainda estava trabalhando para encontrar uma solução para o impasse com a China sobre a questão da ex-tenista Peng Shuai, e que não retornaria ao país este ano.

A segurança da tenista ex-número um do mundo em duplas tornou-se uma grande preocupação depois que ela postou uma mensagem nas mídias sociais em novembro acusando o ex-vice-primeiro-ministro da China Zhang Gaoli de agressão sexual, antes de excluir a postagem e desaparecer da vista do público.

A WTA então suspendeu seus eventos na China, uma decisão que deve custar milhões de dólares ao circuito feminino de elite em transmissão e patrocínio.

Na ausência de torneios na China, a programação inclui um novo evento WTA 1000 em Guadalajara, no México, em outubro, e um evento WTA 500 em San Diego, na Califórnia, que acontecerá no mesmo mês.

A Tunísia também sediará um torneio WTA 250.

“O calendário da WTA 2022 fornecerá uma quantidade robusta de oportunidades de trabalho para atletas em um fluxo de calendário regional que nos levará até o final da temporada”, disse o chefe da WTA, Steve Simon, em comunicado.

A WTA afirmou que atualizações do calendário serão fornecidas em breve, incluindo a localização do WTA Finals, que acontecerá na semana de 31 de outubro. O torneio do ano passado foi realizado em Guadalajara.

A ausência de eventos da WTA este ano é outro revés para a China, que está rapidamente se tornando um deserto esportivo internacional depois que desistiu de sediar a Copa da Ásia de futebol de 2023 devido à situação da covid-19 no país.

Desde 2016, o Hugo Calderano trilha uma jornada pioneira no tênis de mesa. Aos 25 anos, o carioca se acostumou a quebrar barreiras no tênis de mesa brasileiro e latino-americano, outrora dominado por alguém com o mesmo nome: Hugo Hoyama. Após a Olimpíada Rio 2016, em que fez a melhor campanha de um atleta do Brasil na história da modalidade - parou nas oitavas de final (resultado já superado por ele próprio) - Calderano alcançou a melhor posição de um atleta da América Latina no ranking mundial: o 31º lugar. Atual número 4 do mundo, após ter figurado em terceiro no ranking, Calderano não faz ideia de até onde pode chegar.

"Não sei exatamente a porcentagem que estou, acho que não estou tão perto ainda do que posso chegar", expõe Hugo. "Acho que o meu melhor tênis de mesa será daqui a alguns anos, talvez até depois dos trinta. Então, talvez eu esteja ali por volta dos oitenta por cento [do que pode ser]", afirma Calderano, em entrevista à Agência Brasil.

Medalhista em 2014, nos Jogos Olímpicos da Juventude de Nanjing (China), quando tinha 18 anos, Calderano segue em busca de mais feitos inéditos para o Brasil. Um pódio mundial ou olímpico. Nos Jogos de Tóquio, em julho do ano passado, ele viveu dois momentos opostos: Ao chegar às quartas, automaticamente garantiu um novo melhor resultado para si e para o país. Porém, passou pela decepção de sofrer a virada para o alemão Dimitrij Ovtcharov, depois de vencer os dois primeiros sets. À época, a derrota o deixou muito emocionado, pela forma como aconteceu. Hoje, ele reconhece a importância de superar traumas passados e conquistar algo ainda maior na esfera individual e coletiva.

"Tenho consciência da importância de uma medalha olímpica para o nosso tênis de mesa. Acredito que essa pressão para conseguir desta vez, essa motivação, tudo isso só vai me ajudar a crescer para ter mais chances em Paris", diz Caldernano, que há oito anos vive em Ochsenhausen, pequena cidade no sul da Alemanha.

A noção exata da relação de responsabilidade e representatividade que tem para o esporte nacional - é um dos brasileiros mais bem posicionados em rankings individuais de modalidades olímpicas - foi cultivada à distância. Hugo esteve recentemente no Rio para um período de treinos com a seleção e um desafio amistoso contra atletas da França. Antes disso, não competia na terra natal desde dezembro de 2018. Ao mesmo tempo em que se tornou um fluente falante do idioma alemão, ele se habituou a sentir falta das coisas mais básicas do Brasil: a família, o clima e a comida. Mas ele passou a aproveitar as rápidas estadias em casa como uma recarga de bateria.

"Sempre que venho ao Brasil de férias volto para as competições na Europa com muito mais energia".

Para se manter são e focar em se aperfeiçoar no tênis de mesa, Hugo - que no momento está sem clube depois de deixar o Orenburg (Rússia), no meio de 2021 - precisou exercitar equilíbrio e concentração, trunfos que aprendeu com duas personalidades europeias: o técnico francês Jean René Mounie, que o acompanha no velho continente, e um de seus ídolos, o tenista espanhol Rafael Nadal.

"A concentração e a força mental que ele tem são impressionantes. Ele é muito controlado e dá tudo em quadra, em todos os pontos. Isso é o que eu tento fazer e consigo na maioria das vezes".

A virada de Nadal na final do Aberto da Austrália deste ano- o espanhol reverteu uma desvantagem de 2 sets a 0 na final contra o russo Daniil Medvedev para conquistar o título - é um dos exemplos que inspira Calderano a seguir enfileirando conquistas inéditas.

"Acho que nem ele mesmo acreditava que seria possível mas continuou tentando e batalhando. Quando você continua tentando, boas coisas acontecem", conclui Calderano.

O Brasil derrotou a Grã-Bretanha nesta segunda-feira (2) na categoria quad (atletas com comprometimento em três ou mais extremidades do corpo) no primeiro dia de disputas da Copa do Mundo de tênis em cadeira de rodas em Vilamoura, no Algarve (Portugal).

Foto: Lucas Balduino/CBT.

O triunfo da equipe brasileira, formada por Ymanitu Silva, Leandro Pena e Augusto Fernandes, foi por 3 partidas a 0. O primeiro a vencer foi Leandro Pena, que bateu James Shaw por 2 sets a 0. Depois foi a vez de Ymanitu Silva bater Richard Green por 2 sets a 0.

Os dois voltaram à quadra para jogarem em dupla, em partida na qual superaram Richard Green e Greg Slade por 2 sets a 0.

Na categoria open (atletas com deficiência em membros inferiores) masculina o Brasil perdeu para o Japão por 3 a 0. Bruno Makey perdeu de Tokito Oda por 2 sets a 0 e Daniel Rodrigues foi batido por Shingo Kunieda por 2 sets a 0. Nas duplas Daniel Rodrigues e Rafael Medeiros foram superados por Takuya Miki e Takashi Sanada por duplo 6/3. No júnior (sub-18), a seleção brasileira perdeu dos Estados Unidos por dois jogos a 1.

A seleção brasileira feminina de tênis atropelou a Guatemala na estreia da fase das Américas (Zonal Americano) da Billie Jean King Cup, competição equivalente à Copa Davis (exclusivamente masculina). No primeiro dia do torneio, em Salinas (Equador), a equipe verde e amarela venceu com sobra três partidas pelo Grupo A e nem precisou jogar os outros dois confrontos de um total de cinco. O time formado por Bia Haddad, Carolina Meligeni, Laura Pigossi, Gabriela Cê e Rebeca Pereira voltará à quadra nesta quinta-feira (14), a partir de meio-dia, contra a equipe da Argentina, que bateu a Colômbia.

Foto: Reprodução/Twitter.

A primeira brasileira a triunfar no piso duro de Salinas foi Carol Meligeni (número 122 no ranking mundial da WTA) que não teve dificuldades para superar Melissa Morales (947ª), por 2 sets a 0 (parciais de 6/0 e 6/2). Na sequência, a paulista Bia Haddad (61ª) aplicou um duplo pneu (6/0) sobre Kirsten-Andrea Widom (965ª) em 50 minutos de partida.

Após a vitória na simples, Bia voltou à quadra para a disputa de duplas, ao lado da compatriota Laura Pigossi, que semana passada foi vice-campeão no WTA 250 de Bogotá (Colômbia). As brasileiras desbancaram a dupla Kirsten-Andrea Weedon e Maria Gabriela Rivera por 2 sets a 0 (6/3 e 6/1).

"O dia foi muito bom, todas conseguimos desenvolver e fazer o melhor que podíamos. Sabíamos que éramos favoritas, então tivemos que arcar com a responsabilidade, mas trabalhando duro e com humildade. Agora, a cada confronto temos que tentar aumentar o nosso nível para ter mais oportunidades", declarou Haddad, a mais bem ranqueada entre tenistas do Zonal Americano da Billie Jean King Cup.

Os dois melhores colocados do Grupo A (Brasil, Guatemala, Argentina, Colômbia) avançam para a partida decisiva, no sábado (16), contra algum dos dois melhores colocados do Grupo B (Paraguai, México, Chile e Equador). Os vencedores destes duelos se classificam para os playoffs da Billie Jean King Cup em novembro.

Tabela de jogos

QUARTA-FEIRA (13)
Jogo 1 - Brasil x Guatemala
Jogo 2 - Argentina x Colômbia

QUINTA-FEIRA (14)
Vencedor do Jogo 1 x Vencedor do Jogo 2
Perdedor do Jogo 1 x Perdedor do Jogo 2

SEXTA-FEIRA (15)
Partidas restantes

SÁBADO (16)
1º colocado do Grupo A x 2º colocado do Grupo B
1º colocado do Grupo B x 2º colocado do Grupo A

Ainda não foi desta vez que a brasileira Laura Pigossi conquistou seu primeiro título no circuito WTA na chave de simples. Após chegar à decisão do torneio de Bogotá (Colômbia), a tenista paulista acabou derrotada pela alemã Tatjana Maria por 2 sets a 1 (parciais de 6-3, 4-6 e 6-2) em 2h30min de partida.

Foto: Divulgação/Copa Colsanitas.

Com o resultado na Colômbia, a tenista, que começou a semana como número 212 do mundo, subirá para a 126ª colocação. A maior parte das conquistas que Pigossi tem no currículo são em torneios de duplas. Uma delas foi a medalha de bronze na Olimpíada de Tóquio, no ano passado, ao lado de Luisa Stefani.

Na final em Bogotá, a brasileira tinha algo em comum com a adversária: assim como Tatjana Maria, número 237 do mundo, ela veio do qualifying, ou seja, não estava na chave originalmente e conquistou a vaga nas fases preliminares do torneio. Ela deixou pelo caminho algumas adversárias de destaque, incluindo a cabeça-de-chave número 1 da competição, a colombiana Camila Osorio, número 33 do mundo, nas semifinais.

Neste domingo, Laura Pigossi não conseguiu assumir o controle da partida, que teve a alemã à frente na maior parte do tempo. Ela venceu o primeiro set por 6-3. Na segunda parcial, Laura começou bem, abriu 5-2, mas teve um pouco mais de trabalho para fechar em 6-4. No último set, Tatjana Maria não permitiu que Pigossi tomasse a frente, vencendo por 6-2.

“Hoje, infelizmente, não deu, mas gostei bastante da minha atitude, como lutei até o fim. Hoje faltou um pouco de físico, a maneira como ela jogava me exigia um pouco mais das pernas, estar um pouco atenta e reagindo. Mesmo assim [estou] muito feliz com minha semana, melhor ranking da carreira, abrindo várias portas, mudando meu calendário. Acho que estou no caminho certo”, afirmou a brasileira.

O mesatenista carioca Hugo Calderano estreou com vitória fácil nesta segunda-feira (21) na fase principal do WTT Contender Doha (Catar) e assegurou presença nas oitavas de final. Número 3 do mundo, Calderano atropelou o chinês Liu Dingshuo (134º no ranking mundial), por 3 sets a 0 (parciais de 11/6, 11/8 e 15/13). Os jogos têm transmissão ao vivo no canal oficial da competição no YouTube.

O próximo adversário do carioca na briga por uma vaga nas quartas do WTT Contender será o sueco Anton Kallberg (31º). A data e horário da partida ainda serão definidos. O torneio é o segundo de uma série de três campeonatos em Doha. A final será na próxima quinta (24), um dia antes do WTT Star Contender, também em Doha, com os melhores do mundo.

Despedida de Thiago Monteiro

O cearense Thiago Monteiro deu adeus à fase preliminar do torneio, ao perder para o argelino Mehdi Bouloussa por 3 sets a 0 (8/11, 7/11 e 11/13) na segunda rodada.

O italiano Matteo Berrettini, número seis do ranking da Associação dos Tenistas Profissionais (ATP), será o adversário do cearense Thiago Monteiro (106º) no principal jogo desta quinta-feira (17) pelo Rio Open, torneio de tênis mais importante da América do Sul, no Jockey Club Brasileiro, no Rio de Janeiro. A partida será disputada depois do confronto do espanhol Carlos Alcaraz (29º) com o argentino Federico Delbonis (37º), que inicia às 19h (horário de Brasília), na quadra Guga Kuerten.

Foto: Fotojump/Divulgação.

O duelo será válido pela segunda rodada e vale vaga nas quartas de final. Na última terça-feira (15), pela primeira fase, Monteiro, que entrou na chave principal como convidado, derrotou o argentino Sebastian Baez (72º) por dois sets a um, de virada, com parciais de 1/6, 6/4 e 6/4. Vice-campeão de Wimbledon, um dos quatro principais torneios do circuito (os chamados Grand Slams), Berretini fará a estreia no Rio Open. O italiano é neto de brasileira.

Quem também estará em ação nesta quinta-feira é Bruno Soares. A dupla formada pelo mineiro, número 17º do mundo, e o britânico Jamie Murray (21º) terá pela frente a parceria do francês Benoit Paire (70º em duplas, 52º em simples) com o espanhol Albert Ramos-Viñolas (33º em simples). A partida será a segunda da quadra 1, que será aberta com um jogo da chave individual, entre o italiano Lorenzo Sonego (21º) e o sérvio Miomir Kecmanovic (70º), que começa às 16h30.

Soares e Murray estrearam na última quarta-feira (16) com vitória sobre o gaúcho Orlando Luz (93º em duplas, 290º em simples) e o paulista Rogério Dutra Silva (1055º em duplas, 631º em simples) por dois sets a zero (6/3 e 6/2). O duelo foi o último da carreira de Rogerinho, que se aposenta das quadras aos 38 anos, tendo como melhor colocação o 63º lugar, em simples, atingido em julho de 2017. Após o jogo, o veterano foi homenageado em quadra.

“O Rio Open é o melhor torneio, o melhor lugar, com o melhor público. Sempre gostei de jogar aqui, com a torcida próxima. Desde que cheguei para disputar meu último torneio, aproveitei cada momento. Passou um filme na minha cabeça, lembrar o quanto foi difícil sair de onde eu saí, jogar 20 anos como profissional, hoje falo quatro línguas, conheço o mundo inteiro. Vou dormir tranquilo esta noite porque sei que fechei minha carreira com chave de ouro”, disse Rogerinho.

Número um do tênis nacional, o cerarense Thiago Monteiro, de 27 anos, estreou com vitória no ATP 250 de Adelaide II, último torneio preparatório para o Aberto da Austrália o primeiro Grand Slam da temporada, a partir da próxima segunda (17). O brasileiro, 83º no ranking mundial, ganhou de virada na madrugada desta terça-feira (11) do japonês Yoshihito Nishioka (99º) por 2 sets a 1, com parciais de 1/6, 6/3 e 6/4. Monteiro volta à quadra às 5h30 (horário de Brasília) desta quarta (12) contra o francês Gael Monfils, 19º do mundo.

Foto: Gaspar Nóbrega/COB.

Já a paulista Bia Haddad, número 88 do mundo, foi eliminada na estréia do WTA 500 de Sidney pela campeã olímpica Berlinda Bencic (23ª), por 2 sets a 0 (parciais de 6/3 e 6/2). O próximo compromisso da brasileira será a estreia Aberto da Austrália, na segunda (17) que vem.

O brasileiro Marcelo Melo alcançou neste domingo (9) o vice-campeonato de duplas do ATP 250 de Adelaide (Austrália). Ao lado do croata Ivan Dodig, o mineiro acabou derrotado pelos indianos Rohan Bopanna e Ramkumar Ramanathan por 2 sets a 0, parciais de 7/6 (8-6) e 6/1, em 1h21min.

Foto: Divulgação/ZDL Sports.

“Não deu para nós hoje aqui. Eles jogaram muito bem. Tivemos algumas oportunidades no primeiro set, que acabamos não aproveitando, entre as quais um mini break na frente no tie-break. Poderia ter sido diferente o jogo, mas, às vezes, vem para o nosso lado, às vezes não vem. Depois, no segundo, eles acabaram quebrando em um game atípico, que estava 40/0, devolveram muito bem e os dois também sacaram muito bem, o que dificultou termos mais chances”, declarou Marcelo por meio de sua assessoria de imprensa.

Agora Melo e Dodig seguem na cidade australiana para a disputa de mais um ATP 250 como preparação para o Aberto da Austrália.

O DIA MAIS

/ Notícias em qualquer lugar.
No O Dia Mais, você encontra as últimas notícias de Alagoas 

e do mundo, tudo sobre o seu time e muitos outros conteúdos .

GRUPO /JORNAL O DIA

© 2000 - 2022
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram