Sede da OAM e, ao fundo, o prédio do grupo alugado ao TRE (Foto: Reprodução)

O Sindicato dos Jornalistas de Alagoas (Sindjornal) e a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) veem com preocupação a possibilidade de aprovação do plano de recuperação judicial apresentado pela Organização Arnon de Mello (OAM), grupo de comunicação pertencente à família Collor em Alagoas. A assembleia geral dos credores que irá discutir a aprovação ou não do pagamento da dívida estipulada em R$ 64 milhões, acontece nesta terça-feira (24/05), em meio a suspeita de irregularidades denunciadas por um grupo de credores, no processo que corre na 10ª Vara Cível de Maceió.

Reportagem divulgada no Portal UOL no dia 10 de abril de 2022, faz um alerta sobre as desvantagens impostas aos cerca de 291 credores trabalhistas, ao tempo em que prevê uma espécie de “bônus” para as empresas de Collor. Nesse quesito, o Sindjornal destaca a exclusão de 100% de juros, multas, correções sobre qualquer crédito trabalhista, ainda que a OAM descumpra acordos judiciais ou extrajudiciais firmados. O plano de recuperação também prevê 90% de abatimento do valor eventualmente fixado a título de dano moral e redução de 90% de passivos decorrentes de horas extras, in itinere e intervalos de jornadas de trabalho.

Vice-presidente do Sindjornal, Pedro Barbosa, alerta que os credores rejeitem o plano de recuperação judicial (Foto: Reprodução)

“Podemos chamar a proposta da OAM para quitação das suas dívidas de Robin Hood às avessas. Tira de quem já perdeu muito. Apesar do enorme prejuízo financeiro sofrido pelos trabalhadores, que estão sem receber salários e verbas rescisórias nos últimos anos, a empresa insiste com propostas vergonhosas, a exemplo de deságios que se aproximam do total do débito, eliminação de juros e correção monetária, além de quitação da dívida a longo prazo”, alega o vice-presidente do Sindjornal, Pedro Barbosa.

Infelizmente, acrescenta Barbosa, algumas empresas se utilizam do instrumento da recuperação judicial  para institucionalizar uma forma de “calote” nos trabalhadores, visando resguardar o patrimônio pessoal dos sócios,  contrariando o princípio da legislação falimentar.

Segundo denúncias encaminhadas ao MPT  (Ministério Público do Trabalho), alguns trabalhadores fizeram acordo e receberam antecipadamente parcela da dívida com um deságio de 50% do valor total devido. O pagamento inicial de 80% do montante pactuado já foi pago. Os 20% que faltam  só serão efetuados depois da eventual aprovação da assembleia dos credores.

Para o Sindjornal, essa iniciativa compromete o preceito da isonomia.  “Tememos que isso cause desequilíbrio entre os credores,  pois muitos dos que já receberam tendem a aprovar o plano de recuperação para receber o restante”, afirma Pedro Barbosa.

O vice-presidente do sindicato dos jornalistas ressalta que o plano de recuperação judicial da OAM impõe regras draconianas e extremamente desvantajosas para o conjunto dos credores trabalhistas. Ele diz que até em casos de dúvidas, o entendimento mais benéfico às devedoras deve prevalecer, subvertendo a ordem de que em situação de recuperação judicial, a parte credora é a mais favorável.

Pedro Barbosa alerta que os credores rejeitem o plano de recuperação judicial, porque prevê dezenas de cláusulas que rebaixam drasticamente os direitos dos trabalhadores. “É preciso dizer não a esse plano. O importante nesse momento é  não aprová-lo para melhorar o que está péssimo”, argumenta.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nesta quinta-feira, 7 de abril – Dia do Jornalista, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Alagoas (Sindjornal) parabeniza a categoria pelo trabalho prestado à sociedade, principalmente em período de pandemia, onde a informação foi essencial para combater as “fake news" e esclarecer a população sobre a importância da prevenção contra a Covid-19. O sindicato ressalta ainda a defesa intransigente dos jornalistas, da liberdade de imprensa e da democracia.

O Sindjornal chama atenção da sociedade brasileira, especialmente de autoridades e da população, para os graves e recorrentes ataques cometidos contra os jornalistas alagoanos, tanto com relação aos direitos trabalhistas, quanto ao exercício da profissão, com frequentes tentativas de violação à liberdade de imprensa.

Nesse contexto, o presidente do Sindjornal, Izaias Barbosa, destaca a gravíssima situação dos jornalistas e demais trabalhadores das empresas da Organização Arnon de Mello (OAM) - Gazeta de Alagoas, TV Gazeta, Gazetaweb, Rádio Gazeta e TV Mar -, de propriedade do senador Fernando Collor e família. São mais de 200 trabalhadores e trabalhadoras que, após anos e anos de vínculo empregatício, exercendo suas atividades, foram demitidos e não receberam, até hoje, nenhum centavo de rescisão indenizatória. “De uma hora para outra, os trabalhadores demitidos não podem mais recorrer à Justiça do Trabalho, e passam a ser credores de uma ação de Recuperação Judicial – subterfúgio a que a empresa se apega de maneira oportunista, para golpear de forma abominável os trabalhadores e fugir da falência e das responsabilidades trabalhistas”, disse o presidente.

De acordo com o Sindjornal,  a OAM apresentou um Plano de Recuperação altamente prejudicial aos trabalhadores (agora transformados em credores),  cujo teor prevê exclusão de 100% de multas, juros e correção, mesmo que a empresa descumpra acordos firmados,  o que, para a entidade, representa calote.  Segundo a assessoria jurídica do Sindjornal, o grupo Arnon de Mello, em que pese ter se referido à crise econômica envolvendo as mídias tradicionais para pedir Recuperação Judicial, na verdade não vem cumprindo, há anos, obrigações trabalhistas, a exemplo do recolhimento do FGTS, mesmo quando a tal dificuldade econômica das empresas de comunicação não existia. Portanto, acrescenta o sindicato, dar calote em trabalhador nas Gazetas é recorrente.

O vice-presidente do Sindjornal, Pedro Roberto, também alertou os credores trabalhistas para rejeitarem o Plano de Recuperação Judicial proposto pela OAM. “As empresas de Collor se aproveitam desse instrumento “legal” para dar verdadeiro “calote” em credores, desconfigurando, portanto, o sentido maior da legislação falimentar de recuperação. É lamentável que o dono da OAM - senador Fernando Collor de Mello - siga fazendo piruetas para enganar a sociedade com a pretensão de novamente concorrer a cargo público, enquanto, para os ex-trabalhadores de suas empresas, sobram miséria,  indignação e  revolta”, disse Roberto.

Representantes do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Alagoas (Sindjornal), da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e uma comissão de jornalistas promoveram, na manhã de hoje (18), na Câmara Municipal de Murici (AL), um ato contra o vereador Abimael Pessoa (PSDB) pelas agressões proferidas ao jornalista Ivan Nunes, do Blog 'A Palavra'. As ofensas do vereador foram feitas em um vídeo gravado no gabinete do parlamentar.

Foto: Reprodução

Após um encontro com o presidente da Casa, vereador Fausto Batista, em seu gabinete, os representantes do Sindicato dos Jornalista protocolaram ofício com pedido de casassão do vereador Abimael Pessoa, do PSDB, por quebra de decoro parlamentar, por utilizar a estrutura da Câmara Municipal para praticar injúria e difamação contra o Jornalista, Ivan Nunes.

O Ofício protocolado também foi lido pelo primeiro secretário da Câmara, durante a sessão ordinário, entrando na Ordem do Dia, por determinação da mesa diretora do Poder Legislativo Municipal.

"Esta Casa sempre estará aberta para receber qualquer entidade de classe e como o caso ganhou repercussão nacional, vamos fazer o encaminhamento do pedido de cassação do vereador à assessoria jurídica e a comissão compentente", afirmou o presidente da Câmara, Fausto Batisra, durante a sessão. O jornalista Ivan Nunes, vítima das agressões verbais por parte do vereador Abimael Pessoa, esteve presente ao ato do Sindjornal e também participou da sessão ordinária da Câmara, nas galerias, ressaltou a solidariedade e apoio que vem recebendo da entidade e dos jornalistas. "É um momento muito importante esse apoio que recebo do Sindjornal, fazendo valer o respeito e de que não podemos recuar e nos intimidar diante das ameaças", declarou.

Durante a sessão, os jornalistas, que acompanharam das galerias, estenderam uma faixa manifestando o protesto do Sindjornal e da Fenaj em relação à conduta do vereador, onde exigia respeito à categoria e ao jornalista Ivan Nunes, no exercício de sua atividade profissional.

Para o vereador Anderson Moraes, é lamentável que um fato dessa natureza ainda possa ocorrer nos anais do poder legislativo municipal, com agressões verbais a um profissional que apenas tem a missão de informar. "A Câmara deve sim abrir uma investigação sobre a quebra de decoro parlamentar para dar uma resposta ao Sindicato dos Jornalista e à sociedade", argumentou.

De acordo com Valdice Gomes, da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), casos como esse é uma preocupação porque vem aumentando esse tipo de violência em todo país, principalmente no mandato do presidente Bolsonaro, onde os jornalistas vêm sofrendo ameaças contra a sua honra no exercício da profissião. "Estamos reforçando a atitude do Sindjornal em protestar contra esses ataques sofridos pela categoria", afirmou.

No último dia 10, durante uma transmissão ao vivo nas redes sociais, o vereador bolsonarista Abimael Pessoa xingou o jornalista Ivan Nunes, com palavras de baixo calão e atacando covardemente o trabalho do profissional.

Usando a tribuna da Câmara, durante a sessão, o vereador Abimael Pessoa se defendeu das acusações, afirmando que a polêmica é apenas para desgastar sua imagem na cidade. "Fui chamado de mentiroso, péssimo pai e fugitivo pelo blog do jornalista", argumentou, e em seguida, fez uma citação bíblica.

Imagem: Sindjornal

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Alagoas (Sindjornal) convoca todos os jornalistas para assembleia geral, que será realizada no sábado (04), em sua sede, situada à Rua Sargento Jaime, nº 370, no bairro do Prado, em Maceió - AL, para deliberar sobre a seguinte pauta:

A assembleia será realizada às 8h30, em primeira convocação, e às 9h, em segunda convocação, obedecendo o quórum previsto nos artigos 16 e 23 do Estatuto Social.

Protesto do Sindjornal na Gazeta de Alagoas (Cortesia)

Integrantes do Sindicato dos Jornalistas de Alagoas (Sindjornal) realizam, na manhã desta sexta-feira (21), protesto contra o não pagamento de proventos de profissionais demitidos do Jornal Gazeta de Alagoas – veículo que integra a Organização Arnon de Melo (OAM). No protesto, que ocorre na porta do jornal Gazeta de Alagoas, no bairro do Farol, em Maceió, os membros do sindicato exibem faixas com as seguintes frases: "Collor, 9º senador mais rico, dá calote nos jornalistas" e "O desemprego é a pior forma de terrorismo".

Desde 13 de novembro, quando o Jornal Gazeta de Alagoas deixou de circular diariamente, e demitiu centenas de funcionários, a empresa não apresentou nenhuma proposta de acordo para o pagamento das indenizações.

O Sindjornal afirma que a OAM não liberou sequer as guias para os profissionais demitidos darem entrada no seguro-desemprego. Além disso, muitos profissionais que trabalharam por mais de uma década na empresa não tiveram o FGTS depositado.

Diversas reuniões ocorreram entre Sindjornal e representantes da OAM, mas não houve nenhum avanço nas negociações. A empresa alega não ter recursos para pagar as indenizações.

SSTConhecido como “Prêmio de SST”, o Prêmio Braskem de Jornalismo Saúde e Segurança no Trabalho, que será lançado durante café da manhã na quarta-feira , dia 15, abre o ciclo 2017 das premiações da Braskem e Sindjornal para  o jornalismo de Alagoas. Pelo 4º ano consecutivo, o prêmio faz  também um reconhecimento especial aos profissionais, que no dia a dia,  realizam práticas que priorizem a importância da qualidade do ambiente de trabalho, a prevenção de acidentes e a preservação da vida dos trabalhadores. Desta forma as empresas e profissionais de SST responsáveis pela implantação dos “cases”, que deram  origem as matérias  inscritas  serão premiados com certificado de mérito e prêmio em dinheiro, que deve obrigatoriamente ser revertido para a área de SST da empresa, para o aprimoramento destas ações.

As nove categorias são: Reportagem Especial, Jornalismo Impresso/Texto, Jornalismo Impresso/Imagem, Reportagem de TV, Reportagem Cinematográfica, Webjornalismo, Radiojornalismo, Estudante e a categoria especial Assessoria de Imprensa. No total, o Prêmio Braskem de Jornalismo Saúde e Segurança no Trabalho vai distribuir R$ 65 mil reais  e troféus para os vencedores de suas categorias. Todas as matérias inscritas devem ter sido publicadas ou veiculadas entre 01 de abril de 2016 e 09 de abril de 2017.As inscrições podem ser realizadas impreterivelmente até 9 de abril de 2017, através do site premiobraskemdesst.sindjornal.org.br. Não serão aceitos trabalhos enviados após esta data.

Tanto o jornalista quanto o assessor de imprensa precisam ser filiados ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Alagoas (Sindjornal) e estar em dia com suas obrigações sindicais. Já os estudantes precisam estar devidamente matriculados no curso de Jornalismo e frequentando as aulas em uma das instituições de ensino superior no estado. Todos os concorrentes precisam residir em Alagoas.

Com a manutenção da categoria Reportagem Especial – a qual inclui séries –, os trabalhos nas categorias Reportagem de TV e Radiojornalismo não podem ultrapassar cinco minutos, incluindo a apresentação, ou três páginas, para as categorias Jornalismo Impresso/Texto e Webjornalismo. O jornalista profissional pode inscrever até quatro matérias. Estudantes também podem inscrever até três trabalhos, desde que tenham sido publicados em veículo laboratório ou da instituição de ensino superior.

Para a categoria Assessoria de Imprensa, serão considerados até três “cases” por profissional,  que devem dar visibilidade a trabalhos desenvolvidos na área de SST. Aqui, serão premiados separadamente o jornalista assessor, o profissional de SST e a empresa.

O regulamento do Prêmio, com todas as informações referentes às inscrições, estará disponível no endereço eletrônico apresentado acima a partir do dia 15 de abril, data do lançamento. Dúvidas podem ser dirimidas através do próprio site ou pessoalmente, na sede do Sindjornal (Rua Sargento Jaime, 370, Prado, Maceió).

O Prêmio é  realizado desde 2014 para os profissionais da imprensa de Alagoas– atuais e futuros – para que  possam dar prioridade em suas “pautas” a temas que tratam das questões relacionadas a  Saúde e Segurança no Trabalho, ou seja, a valorização da  prevenção de acidentes , da elevação da qualidade das condições físicas e humanas dos ambientes e locais de trabalho das empresas alagoanas, sejam elas industriais, comerciais, agrícolas ou de serviços, públicas e privadas.

Sobre a Braskem

A Braskem é a maior produtora de resinas termoplásticas das Américas, com volume anual superior a 20 milhões de toneladas, incluindo a produção de outros produtos químicos e petroquímicos básicos, e com faturamento anual de R$ 54 bilhões. Com o propósito de melhorar a vida das pessoas, criando as soluções sustentáveis da química e do plástico, a Braskem atua em mais de 70 países, conta com 8 mil integrantes e opera 40 unidades industriais, localizadas no Brasil, EUA, Alemanha e México, esta última em parceria com a mexicana Idesa.

Imagem: Reprodução Facebook

Imagem: Reprodução Facebook

Comemorando 25 anos da sua fundação, o bloco Filhos da Pauta participa das prévias carnavalescas de Maceió após um hiato de sete anos. O bloco, que desfilou pela primeira vez em 1991, retorna em 2017, no Jaraguá Folia, com o tema "Ói nós aqui de novo". Esse ano o bloco homenageará o tituleiro Claudionor Medeiros da Silva, o “Macarrão”, falecido no ano passado.

Formado tradicionalmente por comunicadores, o desfile do bloco que leva em seu estandarte a ilustração de um jornalista - o pauteiro – exibindo um jornal e um microfone, será na sexta-feira, 17 de fevereiro e promete muito frevo e animação. Uma banda agitará a concentração a partir das 20 horas no Coreto do Jaraguá até o início do desfile, com saída pelas ruas do bairro marcada para as 21 horas e 30 minutos, ao som do frevo da Orquestra Terremoto. O evento envolverá mais de 30 músicos da cidade de Coqueiro Seco, especializados em frevos e marchinha e com muitos carnavais de experiência.

A comercialização das camisas seguirá para uma segunda fase a partir de segunda-feira (16): a oferta ao público em geral. Até agora, mais de 300 jornalistas, radialistas, gráficos, RRPPs e demais comunicadores adquiriram suas camisas e a organização espera ampliar rapidamente esse número com a abertura para a participação do restante do público alagoano, que será divulgada nas redes sociais do bloco: Facebook: @FilhosDaPauta e Instagram: @blocofilhosdapauta2017.

A edição 2017 do Filhos da Pauta tem como patrocinadores o Sindicato dos Corretores de Seguros de Alagoas (Sincor), o Hospital de Olhos Santa Luzia, a Agência Labox, a Agência Ímpeto e a Devassa. Conta ainda com o apoio do Sindicato dos Jornalistas de Alagoas (Sindjornal), Sindicado dos Gráficos de Alagoas (SindGraf) e do jornal Tribuna Independente.

Homenageados

O bloco tradicionalmente homenageia comunicadores alagoanos em seus desfiles. Entre os homenageados estão os jornalistas Denis Agra, Amaury Barbosa, Freitas Neto e Teófilo Lins, que foram caricaturados em bonecos gigantes confeccionados por Jaquelane Santos que passaram a participar dos desfiles na comemoração de dez anos de existência do bloco. Em 2009, em seu último desfile, os organizadores homenagearam o radialista e compositor do primeiro frevo do bloco, Edécio Lopes, falecido em 2008. O frevo-homenagem “Edécio no Passo” foi composto pelo jornalista Ricardo Mota.

Nesta 25ª edição, o Filhos da Pauta homenageia Claudionor Medeiros da Silva, o “Macarrão”, falecido ano passado. Figura emblemática do bloco, o tituleiro da Sergasa (Serviços Gráficos de Alagoas S/A) era diretor do Sindicato dos Gráficos de Alagoas (Sindgráficos-AL) e, ao lado de Freitas Neto, Denis Agra e Edécio Lopes, foi um dos fundadores do bloco e um grande apreciador do frevo e do carnaval.

Reprodução Instagram

Reprodução Instagram

Além da homenagem a Macarrão, o bloco sairá com alas em homenagem ao jornalista Freitas Neto e ao relações públicas Luiz Gonzaga, o eterno professor Gonzaga do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Alagoas.

Histórico da fundação

De acordo com o diretor de comunicação da Assembleia Legislativa de Alagoas, jornalista Joaldo Cavalcante, o bloco Filhos da Pauta nasceu de uma ideia do também jornalista Denis Agra. “Eu havia sido eleito presidente do Sindjornal em maio daquele ano - com muito orgulho, o primeiro 'canetinha' diplomado a assumir o nosso sindicato, sendo egresso do curso de Comunicação da Ufal” relembra.

Joaldo conta que levou a sugestão de Denis para discussão em reunião da diretoria do sindicato no final de 1990 e depois disso a ideia foi tomando corpo. Foi firmada parceria com o Sindicato dos Radialistas, que na época era presidido por Marcos Guimarães, e criada a comissão organizadora do bloco.

O compositor oficial do bloco era o jornalista Edécio Lopes. Seus frevos eram irreverentes e tinham relação com a conjuntura política e o cotidiano dos jornalistas. As gravações eram feitas em Recife, no estúdio do músico e arranjador Antonio Mariano Neto, o Tovinho - notabilizado por ser arranjador de artistas conhecidos como Alceu Valença. “Nosso frevo chegava aqui com alta qualidade e ele fazia tudo por amizade e consideração ao Regis Cavalcante”, finaliza.

Joaldo destacou que um dos maiores desafios foi o tempo. “Foi tudo muito apertado entre a constituição do bloco, as primeiras reuniões organizativas propriamente ditas e os dois desfiles ocorridos em fevereiro de 1991, na chamada prévia carnavalesca de Maceió” Os desfiles ocorreram à noite – com a concentração em frente ao CRB, na Pajuçara, e o desfile se prolongava até o Alagoinhas, na Ponta Verde. “O bloco não possuía cordas, vendíamos as camisetas ou os abadás para arrecadar fundos e conseguíamos patrocínios para viabilizar os custos”, explica.

Tendo participado diretamente da fase de construção e desenvolvimento do bloco de sua fundação até o desfile de 1994, já reeleito e exercendo o segundo mandato de presidente do Sindjornal, Joaldo se afastou da direção da entidade sindical e da organização do bloco para assumir a Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Maceió. “A partir daí Marcelo Firmino, que era o vice-presidente na diretoria da minha reeleição, assumiu o comando do sindicato e tocou para frente o bloco, sendo sucedido por Fátima Almeida”, complementa o jornalista que, mesmo como secretário, nunca se desligou das questões e interesses de sua categoria.

Para Joaldo, está em curso uma curiosidade histórica: entre o surgimento da ideia e sua operacionalização da saída do bloco em fevereiro de 1991, o prazo era exíguo e agora o Filhos da Pauta ressurge numa situação semelhante. “Entre a reunião na Confraria do Rei, na qual eu estava presente, ao lado de Thiago Correia, Nigel Santana, Kaka Villa Verde, Marcelo Firmino e outros e a data de reestreia, agora em fevereiro, o prazo também é muito apertado”.

Complementa com a analogia entre o clima hoje e à época da fundação: “Da mesma forma que houve empolgação no passado, agora percebe-se algo semelhante - basta verificar a euforia do grupo pelas redes sociais para constatar que o desafio será cumprido com muito sucesso”, afirma.

Outro fundador, o jornalista Marcos Guimarães, relata que os blocos carnavalescos de Maceió surgiram com o enfraquecimento dos bailes de carnaval em clubes. Nesse movimento, os comunicadores da época começaram a gestar um projeto de bloco que reunisse as categorias de jornalistas, radialistas, gráficos e relações públicas, o que desencadeou a criação da Associação Recreativa Filhos da Pauta.

Marcos relata que na reunião de fundação da associação, realizada na Casa da Comunicação, o jornalista José Osmando de Araújo foi eleito presidente, tendo Joaldo Cavalcante como vice. “Além de mim, que representava os radialistas, estavam presentes os jornalistas Regis Cavalcante, Teófilo Lins, Marcelo Firmino, Mozart Cintra, João de Deus, Valter Oliveira, que ficou com o cargo de tesoureiro, Plínio Nicácio, Diana Monteiro, Anivaldo Miranda, Regis Cavalcante, Luiz Gonzaga e a Bete pelos Rps, e pessoas de outras categorias, como o médico e compositor Marconi Costa, o economista Juca Carvalho, entre outras pessoas da sociedade”, lembra.

Foi debatido o tema de estreia do Filho da Pauta, que seria “Collor em Bagdá” e por sugestão dele e do Regis Cavalcante, foi escolhido Edécio Lopes como compositor do primeiro frevo do bloco e, como também afirmou Joaldo, compôs todos os frevos dos anos seguintes. Depois de aprovada e gravada, a música “Collor em Bagdá” foi distribuída em fita k7 nas emissoras de rádio de Maceió para a divulgação.

O bloco não dispunha de recursos suficientes para viabilizar o desfile. “Conseguimos emprestado uma banda para tocar o frevo e para levá-la no desfile, um carro de som, tipo trio elétrico, também emprestado” explica Marcos, relembrando que toda a história do bloco é marcada pelo empenho de dedicação dos organizadores e amigos. “Diana Monteiro mandou confeccionar o estandarte do bloco em Riacho Doce e o Esdras Gomes fez a arte do abadá, o bloco saiu duas vezes – a segunda, que abriu o Carnaval de Maceió, também em um trio elétrico emprestado - e ambas foram um sucesso” rememora.

No ano seguinte, o bloco sairia muito melhor estruturado, com mais tempo e recursos. Foi o ano da criação do frevo que seria o hino do Filhos da Pauta: “Ói nóis aqui de novo”, música que dá o tema do bloco desta retomada, que depois de sete anos estará novamente nas ruas e “no meio do povo”.

O jornal O Dia Alagoas, mais uma vez, figurou entre os vencedores e finalistas do Prêmio Braskem de Jornalismo, com direito a destaque também para O Dia Palmeira, que teve um trabalho finalista naquele que é considerado o Oscar do Jornalismo Alagoano.

Jobson Pedrosa recebe seu Prêmio Braskem de Jornalismo (Foto: Cacá Santiago)

Jobson Pedrosa recebe seu Prêmio Braskem de Jornalismo (Foto: Cacá Santiago)

O troféu veio na categoria Design Gráfico/Diagramação, com o trabalho “Assédio Moral”, do Jobson Pedrosa. Ele ainda foi finalista na mesma categoria com o trabalho "Pneus exigem descarte correto".

“Eu agradeço ao colega Rodrigues, que divide o trabalho comigo, e à jornalista Iracema Ferro, que fez a matéria. E também ao Sindjornal e à Braskem, pela oportunidade da premiação, de estarmos aqui competindo a cada ano”, disse Jobson, com seu prêmio em mãos.

A noite contou ainda com três finalistas para O Dia. O jornalista Marcelo Alves alcançou destaque na categoria Informação Esportiva com a série especial “Para onde foi o dinheiro do Segundo Tempo?”.

Deraldo Francisco foi finalista na categoria Jornalismo Impresso/Texto, com a matéria “Cavalo de Aço”, pelo semanário O Dia Alagoas.

Na mesma categoria, também foi finalista a reportagem “Entre a falta de oportunidade e a falta de motivação”, da jornalista Mariana Lima, pelo jornal O Dia Palmeira, já entre os melhores do estado em seu primeiro ano de circulação, centralizada na cidade de Palmeira dos Índios.

“Esse reconhecimento para um trabalho veiculado em O Dia Palmeira mostra a seriedade do jornal e o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade. Mostra que estamos no caminho certo, na busca pelo bom jornalismo”, afirmou Deraldo Francisco, editor dos jornais O Dia.

A solenidade da premiação aconteceu na noite deste sábado (07), conduzida pela jornalista da Globo News Leilane Neubarth e contando com a presença dos profissionais do jornalismo alagoano, no Pierre Chalita, bairro do Jaraguá.

Lançamento contou com uma carta enviada pelo homenageado, impedido de comparecer por motivos de saúde (Foto: Cacá Santiago)

Lançamento contou com uma carta enviada pelo homenageado, impedido de comparecer por motivos de saúde (Foto: Cacá Santiago)

Lançado na manhã desta terça-feira (25), o Prêmio de Jornalismo Científico José Marques de Melo pretende impulsionar não só a produção de matérias sobre avanços e a importância da ciência, tecnologia e inovação (CT&I) em Alagoas, mas fortalecer, através da visibilidade, o ecossistema de inovação no estado.

Esse foi o pensamento defendido pelo secretário Pablo Viana, da pasta de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), à frente da organização do prêmio ao lado da Fundação de Amparo à Pesquisa de Alagoas (Fapeal), do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Alagoas (Sindjornal) e do Maceió Shopping, onde foi realizada a solenidade de lançamento, com a presença de pareceiros, imprensa e familiares de José Marques de Melo – o ex-presidente do Tribunal de Justiça, desembargador José Carlos Malta, seu primo, e o jornalista Maikel Marques, seu sobrinho.

José Marques de Melo (Foto: internet)

José Marques de Melo (Foto: internet)

Homenageando um alagoano precursor do jornalismo científico no país, o prêmio contará com 8 categorias: Jornalismo Impresso/Texto, Jornalismo Impresso/Imagem, Reportagem de TV, Radiojornalismo, Webjornalismo, Reportagem Cinematográfica, Estudante e a categoria Reportagem Especial do Bicentenário de Alagoas. As inscrições vão até maio de 2017 pelo site www.premiojornalismocientifico.al.gov.br.

“As inscrições vão até maio do próximo ano, será uma premiação para mostrar a produção científica de Alagoas na áreas de ciência, tecnologia e inovação (CT&I)  e também o trabalho do jornalismo alagoano, para qualificar e mostrar à sociedade o quanto esse trabalho é importante”, disse Flávio Peixoto, presidente do Sindjornal.

Pablo Viana foi além e defendeu que a intenção dos organizadores é incentivar não apenas o profissional e o estudante de Jornalismo, mas também os cientistas, pesquisadores e empreendedores alagoanos.

“Por um lado, vou ter uma categoria fortalecida e estimulada a disseminar alguns resultados científicos e tecnológicos, algunss prêmios de destaque, casos de sucesso das startups – isso pelo lado jornalístico. Pelo outro lado, teremos empresários que terão um lugar para disseminar suas conquistas”, declarou, referindo-se a casos de sucesso de startups alagoanas, como a Trakto Pro, que os empresários foram à Casa Branca receber um prêmio do próprio presidente Barack Obama, o Hand Talk, que recebeu da ONU o prêmio de melhor aplicativo de inclusão social do mundo.

“São casos de sucesso e que a gente precisa disseminar melhor, as pessoas precisam entender do que se trata, de que forma aquilo impacta de forma social na vida do alagoano, não apenas o fato do empresário estar em uma boa colocação. É para mexer com todo o ecossistema: startups, empresas médias e até mesmo o governo, sensibilizando de que esta é uma via interessante para oxigenar a economia local”, finalizou Pablo Viana.

Na solenidade de lançamento do prêmio, foi lida uma mensagem escrita pelo jornalista José Marques de Melo. Leia carta a íntegra:

"Meus amigos,

Sinto-me intelectualmente orgulhoso ao associar meu nome a este prêmio, em boa hora instituído pelo Estado de Alagoas, numa ação convergente da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação e da FAPEAL, para fomentar a projeção da pesquisa feita pelos pesquisadores alagoanos.

Quero também manifestar o meu reconhecimento aos organizadores do certame pela oportunidade da sua realização, pois, em 2017, Alagoas vai celebrar o bicentenário da nossa emancipação política.

Trata-se de momento fundamental para que jornalistas possam interagir com os cientistas, difundindo aos brasileiros as contribuições relevantes de Alagoas para a construção de uma sociedade justa e farta, próspera e solidária.

São Paulo, 22 de Outubro de 2016.

José Marques de Melo"

Sobre o homenageado

Desembargador José Carlos Malta representou seu primo (Foto: Cacá Santiago)

Desembargador José Carlos Malta representou seu primo (Foto: Cacá Santiago)

José Marques de Melo é um dos ícones do Jornalismo e Comunicação no Brasil, tendo sido o primeiro Doutor em Jornalismo por uma universidade brasileira. Nasceu em Palmeira dos Índio, em 1943, e continua em atividade como professor universitário, pesquisador científico e consultor acadêmico. Por ter sido submetido a uma cirugia recente, não pôde vir ao lançamento, no que foi representado por seu primo, desembargador José Carlos Malta.

“Zé Melo, como a família o chama, foi um produto de exportação de Santana [do Ipanema, onde a família está baseada] para o mundo. É um momento de grande felicidade para meu primo o lançamento deste prêmio. Ele gostaria de agradecer a lembrança de seu nome, no que acho um reconhecimento justo e merecido que Alagoas faz a um de seus filhos mais ilustres”, falou o desembargador.

Jornalistas e estudantes de jornalismo terão uma oportunidade de demonstrar seu talento em reportagens e coberturas sobre os temas que envolvem ciência e tecnologia e serem reconhecidos por isso. A Secretaria da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa de Alagoas (Fapeal), o Maceió Shopping e o Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Alagoas (Sindjornal) lançará no próximo dia 25 deste mês, no Maceió Shopping, o Prêmio de Jornalismo Científico José Marques de Melo.

O prêmio tem como propósito sensibilizar e fomentar a produção jornalística de trabalhos que retratem a importância da ciência, tecnologia e inovação (CT&I) na sociedade e valorizar iniciativas nesta área. Essa sua primeira edição é composta por seis categorias: jornalismo impresso, rádio jornalismo, reportagem de TV, web jornalismo, estudante e uma categoria especial em comemoração aos 200 anos do Estado, a “reportagem especial do bicentenário de Alagoas”.

Para o secretário Pablo Viana, esse prêmio é mais um projeto da secretaria que visa a popularização da ciência no Estado, além de ser uma forma de apoiar, estimular e valorizar o profissional de comunicação que dissemina o desenvolvimento científico de Alagoas. “Junto com os nossos parceiros, buscamos potencializar o acesso da população aos conceitos fundamentais em relação ao desenvolvimento de CT&I no nosso Estado por meio da comunicação e, dessa forma, apoiar o trabalho do profissional de Jornalismo”, disse o secretário.

Foto: assessoria

Foto: assessoria

Durante a manhã desta segunda-feira (10), um termo de cooperação técnica foi assinado, em qual estiveram presentes o diretor-presidente da Fapeal, Fábio Guedes, o superintendente do Maceió Shopping, Robson Rodas, e o presidente do Sindjornal, Flávio Miguel.

Segundo o diretor do sindicato, essa premiação é muito importante para a categoria e vem ampliar o calendário de premiações no Estado. “É fundamental iniciativas como essa para nossa categoria. Uma forma de divulgar o trabalho científico, valorizando o profissional de comunicação”, afirmou Flávio Miguel.

Para o diretor-presidente da Fapeal, o prêmio trará para sociedade alagoana mais conhecimento e informação sobre o que está sendo produzido de ciência no Estado. “É importante esse prêmio, porque ele publicizará as ações que o Estado vem desenvolvendo no cenário de CT&I”, destacou Fábio Guedes.

O superintendente do Maceió Shopping aproveitou a oportunidade para destacar a importância de apoiar eventos ligados à ciência e tecnologia. “Nós temos total interesse de apoiar iniciativas que envolvam ações de CT&I em Alagoas. Isso é um avanço para o Estado. Nós estamos sempre juntos”, ressaltou Robson Rodas.

Sobre o homenageado

Um dos ícones do Jornalismo e Comunicação no Brasil, José Marques de Melo, nasceu em Palmeira dos Índios (Alagoas), é jornalista, professor universitário, pesquisador científico e consultor acadêmico. Foi o primeiro Doutor em Jornalismo titulado por universidade brasileira (1973) e Docente-fundador da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).

Atualmente é docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista de São Paulo, sendo Titular da Cátedra Unesco de Comunicação para o Desenvolvimento Regional e diretor-responsável da Revista Brasileira de Ciências da Comunicação. O homenageado é autor de dezenas de livros de jornalismo e comunicação que se tornaram referência para a área.

O primeiro ano de vida traz muitos desafios. Para um bebê, é preciso ajustar horários, alimentação, vacinas, os pais ficam exaustos. Em uma empresa, é preciso aproximar-se do cliente e conquistá-lo, diferenciando-se dos concorrentes ao apresentar um produto novo no mercado. O site O DIA MAIS completa 1 ano de vida nesta quinta, 22 de setembro de 2016, e não poderia estar mais contente em celebrar o caminho percorrido.

Lançado com o propósito de levar à web o mesmo compromisso com a informação e reportagens especiais que o jornal O DIA ALAGOAS leva ao público semanalmente, o site percorreu um caminho de crescimento, experimentação, diálogo com o público e matérias especiais que pautaram, até, outros veículos de comunicação em Alagoas e outros estados.

Estivemos de olho no preço dos combustíveis, no aumento das passagens de ônibus em Maceió e Arapiraca, enquanto os ônibus em si deixavam a desejar. O drama dos vendedores do Mercado da Produção sob a ameaça do leilão. Discutimos comportamento em textos sobre direitos humanos e internet, proibição de doação de sangue por homossexuais, o desafio das famílias e professores na educação de crianças contra o racismo.

Alertamos sobre tentativas de golpe e falta de remédios em postos de saúde, carros abandonados servindo como “berçário” para o mosquito Aedes e outros bichos, esquemas da “fábrica de multas” da SMTT.

E também trouxemos coisas boas ao público, como a força de uma mãe contra o Inep para correção da redação do Enem de seu filho especial e o uso de animais para auxiliar no tratamento de doenças. Como um simples par de chuteiras pode mudar a vida de um garoto. Os jovens que ainda preferem se comunicar mandando cartas, as festas pop que embalam Alagoas, as mulheres e garotas fãs de histórias em quadrinhos, uma bela entrevista com Elinaldo Barros, sinônimo de cinema em Maceió.

E mais: com apenas meses de vida, fomos o único site de Alagoas a ter um correspondente nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, com o jornalista Márcio Anastácio e seu “Parou Brasil” repercutindo em todo país. Grandes conquistas, que não tiram de vista a necessidade de continuar evoluindo.

“Temos um caminho a percorrer com mais tecnologia, melhor layout do site, expansão da equipe de jornalistas, é algo que estamos batalhando, mesmo que a situação econômica não esteja favorável. Foi e é muito importante para nós trazer mais este veículo de comunicação, para fortalecer o jornalismo alagoano e abrir postos de trabalho na área, tão restrita em Alagoas”, declarou a diretora comercial Eliane Pereira.

Equipe do site O Dia Mais neste 1º aniversário (Foto: Cacá Santiago)

Equipe do site O Dia Mais neste 1º aniversário (Foto: Cacá Santiago)

Eliane celebra, também, o crescimento constante em acessos diários, uma resposta da confiança dos leitores ao conteúdo de O DIA MAIS. “Já lançamos o site tendo em mente que as pessoas estão sempre em movimento e com o celular à mão, então já ‘nascemos’ com a versão mobile estruturada, de fácil acesso, leitura e pesquisa. A aprovação e o feedback que temos é bastante positivo”, completou.

Presente na equipe do site desde os passos iniciais, seja como entusiasta, seja como colaborador, o jornalista Márcio Anastácio vê este 22 de setembro como a primeira comemoração de muitas por vir.

“Iniciar tudo do zero é sempre uma tarefa difícil, mas com O DIA MAIS foi um aprendizado prazeroso demais. Foram muitas reuniões, mas eu sabia que ao terminar aquele trabalho todo, outra redação iria se abrir para o jornalismo alagoano. O meu pensamento foi sempre esse. Abrir mais um veículo de comunicação em Alagoas e fortalecer a produção de conteúdo do jornal O DIA, que apesar de já ser um veículo forte, pecava pela falta de presença online. Hoje eu não estou mais dentro da redação do nosso portal, mas estou sempre de olho. Tentando ajudar, criticando e até sendo chato às vezes...”, compartilhou Márcio.

Por todo esse caminho percorrido e outros mais que estão por vir, queremos apenas dar os parabéns à equipe que vem encampando a batalha de O DIA MAIS no ar este ano a nossos leitores e leitoras, pela confiança depositada e estímulo de continuar na luta do bom jornalismo.

A última premiação de jornalismo entre aqueles organizados pela Braskem durante o ano será lançado no dia 23 de agosto, em um happy hour no Rex Jazz Bar, situado na Rua Sá e Albuquerque, no histórico bairro do Jaraguá. Essa é apenas uma das inovações que o Prêmio Braskem de Jornalismo traz em sua 27ª edição. Todas as novidades serão apresentadas a jornalistas e convidados no dia do lançamento, uma terça-feira, a partir das 18h30.

O evento diferenciado – os lançamentos anteriores eram geralmente cafés da manhã – pretende que um maior número de profissionais possam participar desse momento de abertura de inscrições, ouvindo em primeira mão as mudanças e novidades previstas para 2016: nova identidade visual da premiação, nova categoria a ser disputada e  novo prazo de inscrição.

No decorrer dos anos em que foi promovido, por parte da Braskem e do Sindicato de Jornalistas de Alagoas (Sindjornal), o Prêmio Braskem de Jornalismo também estendeu homenagens a profissionais que contribuíram para a comunicação alagoana.

Após quase trinta anos de realização, o Prêmio Braskem de Jornalismo passou a ser considerado o maior prêmio de Jornalismo em Alagoas, chegando a ser chamado de “Oscar da imprensa alagoana”. Além do reconhecimento com troféus, seus vencedores, profissionais e estudantes, recebem premiação em dinheiro mais de R$ 52 mil.

O DIA MAIS

/ Notícias em qualquer lugar.
No O Dia Mais, você encontra as últimas notícias de Alagoas 

e do mundo, tudo sobre o seu time e muitos outros conteúdos .

GRUPO /JORNAL O DIA

© 2000 - 2022
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram