Escadaria está concretada, aguardando instalação do corrimão. Foto: Wilma Andrade/Ascom Seminfra

A nova escadaria de acesso da grota da Ladeira da Moenda, no Feitosa, já está em fase de conclusão, em menos de 10 dias após o deslizamento da barreira que deixou moradores da região ilhados, por conta das fortes chuvas no final de maio.

Desde sábado, a comunidade tem utilizado o novo equipamento, construído de forma emergencial pela Prefeitura de Maceió, por meio da Secretaria de Infraestrutura (Seminfra), que contratou uma construtora para realizar o serviço.

São 48 degraus em concreto, que aguardam apenas a colocação do corrimão. Ele deve ser feito em madeira, para dar mais celeridade à obra. Além disso, em outro ponto da região, uma pequena escada que foi improvisada pelos moradores, será refeita pela Prefeitura. Outros acessos da região que precisam de conserto também serão reformados.

Escadaria já existente na região terá corrimão reformado / Foto: Cortesia

Escadaria já existente na região terá corrimão reformado. Foto: Cortesia

“Desde sábado, as pessoas já passam pela escada, ou seja, já contam com uma passagem mais digna. E a Moenda tem uma extensão grande do lado oposto ao do deslizamento, e estamos arrumando a escadaria de dentro, onde o corrimão está solto. Vamos fazer um serviço completo na região”, assegurou o gerente de Zeladoria das Grotas de Maceió, Samuel Santos.

No local do deslizamento, a empresa contratada pela Seminfra realizou o desvio do curso do riacho que provocou a erosão na barreira e aguarda que o tempo melhore para iniciar a contenção.

Parte de uma casa desabou, durante a madrugada desta terça-feira (24), após ser atingida por um deslizamento de barreira, no Flexal de Cima, no bairro Bebedouro. Ninguém ficou ferido.

Foto: Reprodução/TV Pajuçara.

O proprietário do imóvel, Maurício José dos Santos, afirmou que acordou por volta de uma hora da manhã com um barulho do desabamento. Ele e a esposa dormiam na casa, mas não tiveram ferimentos. O deslizamento da barreira atingiu a cozinha e o banheiro, cômodos que ficavam nos fundos da casa.

Maurício voltou ao imóvel no começo da manhã desta terça para tentar recuperar itens que foram deixados. “[Perdi] Geladeira, TV, armário de cozinha... O pouco que sobrou vou tentar salvar”, relatou ele à TV Pajuçara.

Técnicos da Defesa Civil de Maceió foram ao local e isolaram residências que estavam sob risco de serem atingidas por um possível deslizamento de barreira. Moradores foram aconselhados a deixarem as casas e um aluguel social foi oferecido.

Confira a nota da Defesa Civil

"A Defesa Civil atua, desde as primeiras horas desta terça-feira (24), no local onde houve uma ocorrência no Flexal de Cima, em que parte de uma barreira deslizou, atingindo uma residência que colapsou parcialmente.

Ninguém ficou ferido, mas, por segurança, sete famílias deixaram suas casas e foram direcionadas a um local seguro. Os setores operacional e social da Defesa Civil continuam no local para dar todo suporte necessário às famílias".

 

Barragem em Jaramataia será uma das que irão passar por fiscalização novamente pela Semarh (Foto: Ascom Semarh)

Barragem em Jaramataia será uma das que irão passar por fiscalização novamente pela Semarh (Foto: Ascom Semarh)

Com base nos relatórios de fiscalização e vistorias realizados anualmente pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), a Agência Nacional de Águas (ANA), por recomendação do Governo Federal, mostra uma lista de barragens classificadas nas categorias de risco alto, médio ou baixo e com dano potencial associado, passem por uma fiscalização priorizada.

É possível apontar que em Alagoas existem 26 barragens que se enquadram nas categorias risco alto, ou com dano potencial associado alto. Para chegar a essa classificação, verifica-se, entre outras informações, o volume do reservatório, o potencial de perdas de vidas humanas e o impacto social, ambiental e econômico.

Por determinação do Governo de Alagoas, está formada uma força-tarefa composta por Semarh e Instituto do Meio Ambiente (IMA) que irá aos locais onde as barragens estão localizadas e assim relatar qual a atual condição dos reservatórios de água, atualizando o cadastro das barragens, bem como conferir se as barragens estão cumprindo o que estabelece os planos de segurança, conforme o que preconiza a Política Nacional de Segurança de Barragens (PNSB), instituída pela Lei nº 12.334/2010.

Neste contexto, o relatório encaminhado pela Semarh à Agência Nacional de Águas mostra que seis barragens necessitam de ações estruturais. São elas: cinco barragens da Usina Seresta, localizada no município de Teotônio Vilela e uma da Usina Santa Clotilde, localizada na cidade de Rio Largo, listadas em 2017.

Outras barragens, a exemplo de Prado, São Francisco, Gulandim, Piauí, Bosque IV e Canoas, que também constam no relatório enviado pela Semarh à ANA, passarão por novas fiscalizações por intermédio da força-tarefa organizada pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos e IMA.

De acordo com Gustavo Carvalho, superintendente de Recursos Hídricos da Semarh, as usinas e demais proprietários das barragens em Alagoas devem se adequar às normas contidas na Política Nacional de Segurança de Barragens.

O monitoramento e fiscalização mais recentes feitos pela Semarh nas barragens localizadas em Alagoas ocorreram no mês de dezembro de 2018. O resultado deste trabalho será repassado à Agência Nacional de Águas até 31 de março, data limite para que os órgãos responsáveis pelo estudo encaminhem os dados para compilação da ANA.

26 barragens com fiscalização prioritárias

Barragem: Prado - município: Teotônio Vilela - uso principal: irrigação - categoria: risco alto - dano potencial associado: alto - empreendedor: Usinas Reunidas Seresta S/A - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: São Francisco - município: Teotônio Vilela - uso principal: irrigação - categoria: risco alto - dando potencial associado: alto - empreendedor: Usinas Reunidas Seresta S/A - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Piauí - município: São Sebastião - uso principal: irrigação - categoria de risco: alto - dano potencial associado: alto - empreendedor: Usinas Reunidas Seresta S/A - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Gulandim - município: Teotônio Vilela - uso principal: irrigação - categoria de risco: alto - dando potencial associado: alto - empreendedor: Usinas Reunidas Seresta S/A - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Sem. Carlos Lyra - município: Maceió - uso principal: irrigação - categoria de risco: alto - dando potencial associado: alto - empreendedor: Usina Caeté S/A - Unidade Cachoeira - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Bosque IV - município: Junqueiro - uso principal: irrigação - categoria de risco: alto - dano potencial associado: alto - empreendedor : Usinas Reunidas Seresta S/A - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Coruripe I - município: Coruripe - uso principal: irrigação - categoria de risco: baixo - dando potencial associado: alto - empreendedor: Usina Coruripe Açúcar e Álcool - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Francisco Alves - município Coruripe- uso principal: irrigação - categoria de risco: baixo - dando potencial associado: alto - empreendedor: Usina Coruripe Açúcar e Álcool - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Riacho de Pedras - município: Coruripe - uso principal: irrigação - categoria de risco: baixo - dando potencial associado: alto - empreendedor: Usina Coruripe Açúcar e Álcool - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Caçamba - município: Quebrangulo - uso principal: abastecimento de água - categoria de risco: médio - dano potencial associado: alto - empreendedor: Companhia de Saneamento de Alagoas - CASAL - órgão fiscalizador: Semarh – AL

Barragem: Canoas - município: Rio Largo - uso principal: irrigação - categoria de risco: alto - dano potencial associado: alto - empreendedor: Usina Sta. Clotilde - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Coruripe - município: Igaci - uso principal: aquicultura - categoria de risco: alto - risco de dano associado: baixo - empreendedor: Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Arapiraca - município: Arapiraca - uso principal: aquicultura - categoria de risco: alto - dano potencial associado: médio - empreendedor: Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Jaramataia - município: Jaramataia - uso principal: aquicultura - categoria de risco: alto - dando potencial associado: médio - empreendedor: Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - órgão fiscalizador - Semarh-AL

Barragem: Major Izidoro - município: Major Izidoro - uso principal: aquicultura - categoria de risco: alto - dano potencial associado: médio - empreendedor: Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - órgão fiscalizador - Semarh-AL

Barragem: Poço das Trincheiras: município: Poço das Trincheiras - uso principal: aquicultura - categoria de risco - alto - dano potencial associado: baixo - empreendedor: Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - órgão fiscalizador - Semarh-AL

Barragem: Riacho do Bode - município: Santana do Ipanema - uso principal: aquicultura - categoria de risco: alto - dano potencial associado: médio - empreendedor: Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: São Marcos - município: Major Izidoro - uso principal: aquicultura - categoria de risco: alto - dano potencial associado: médio - empreendedor: Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Pariconha - município: Pariconha - uso principal: aquicultura - categoria de risco: alto - dano potencial associado: médio - empreendedor: Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Travessia - município: Major Izidoro - uso principal: aquicultura - categoria de risco: alto - dano potencial associado: baixo - empreendedor: Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Campo Grande - município - Campo Grande - uso principal - aquicultura - categoria de risco: alto - dano potencial associado: baixo - empreendedor: Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Maravilha - município: Maravilha - uso principal - aquicultura - categoria de risco: alto - dano potencial associado: baixo - empreendedor: Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Boacica - município: Igreja Nova - uso principal: defesa contra inundações - categoria de risco: alto - dano potencial associado: baixo - empreendedor: Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Paraíba - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Marcado dos Pereiras - município: Feira Grande - uso principal: defesa contra inundações - categoria de risco: alto - dano potencial associado: baixo - empreendedor: Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Paraíba - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Marcado Grande - município: Campo Grande - uso principal: defesa contra inundações - categoria de risco: alto - dano potencial associado: baixo - empreendedor: Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Paraíba - órgão fiscalizador: Semarh-AL

Barragem: Pindorama - município: Coruripe/Penedo - uso principal: irrigação - categoria de risco- médio - dano potencial associado: alto - empreendedor: Cooperativa Pindorama - órgão fiscalizador: Semarh-AL

14MA-Obra-de-recuperação-em-Cruz-das-Almas-30-768x510

Obra de recuperação em Cruz das Almas. (Imagem: Marco Antônio/Secom Maceió)

Motoristas e pedestres que passam pela orla de Cruz das Almas estão conferindo a celeridade da obra da Prefeitura de Maceió para recuperar a Avenida Brigadeiro Eduardo Gomes, onde a pista cedeu no dia 03 de março por conta do volume de chuvas. No local, o serviço de drenagem foi concluído e a parte danificada na via já está totalmente coberta. Por hora, o trânsito na via continua interditado.

As obras foram iniciadas em caráter emergencial na última quinta-feira (08). A execução está sendo custeada com recursos do próprio Município, investimento de R$ 110 mil. Segundo o gestor da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminfra), Ib Brêda, o órgão vai entregar a obra antes do tempo previsto.

 

A Secretaria Municipal de Educação de Palmeira dos Índios adiou o início das aulas do segundo semestre, previsto para essa segunda-feira (10), após um deslizamento de barreira em um trecho da rodovia estadual AL-210, na região da Serra do Muro. Os alunos devem retornar às escolas na próxima segunda (17).

A via continua parcialmente interditada. De acordo com a assessoria da Prefeitura, deslizamentos de pedras, terra e árvores foram registrados e há riscos de acidentes no local.

O coordenador municipal da Defesa Civil, Flávio Emílio, pede que as pessoas evitem transitar pela região. A rodovia dá acesso às cidades de Quebrangulo, Paulo Jacinto e Capela. O secretário municipal de Serviços Públicos e Convívio Urbano, Marcos Parreco, orientou a população a ter o máximo de cuidado, já que este é o único acesso para estas cidades.

A assessoria da Prefeitura informou que, mesmo a rodovia sendo estadual, a prefeitura deslocou máquinas para fazer a desobstrução da pista. “Até o momento, o Departamento de Estradas e Rodagens ainda não apareceu e nem se pronunciou sobre a gravidade do problema. O trabalho é difícil porque há riscos de mais desabamentos de árvores e pedras, o que coloca em risco a vida dos trabalhadores”, diz.

O DIA MAIS

/ Notícias em qualquer lugar.
No O Dia Mais, você encontra as últimas notícias de Alagoas 

e do mundo, tudo sobre o seu time e muitos outros conteúdos .

GRUPO /JORNAL O DIA

© 2000 - 2022
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram