Sem previsão de acordo, greve dos bancários completa 26 dias

Sem previsão de acordo, greve dos bancários completa 26 dias

Por | Edição do dia 1 de outubro de 2016
Categoria: Brasil, Notícias | Tags:


A greve nacional dos bancários completa neste sábado (01) 26 dias, sem previsão de nova reunião de negociação com os representantes dos bancos. Em todo o país, 13.358 agências tiveram suas atividades paralisadas, o que corresponde 57% do total, além de 34 centros administrativos. A paralisação deste ano já é considerada uma das greves mais longas da história da categoria.

Em Alagoas, o Sindicato dos Bancários convocou bancários da capital e do interior para uma assembleia geral na próxima segunda-feira (3), a partir das 18h, na sede da entidade, em Maceió, para discutir a organização da greve e formas de intensificar ainda mais o movimento.

Assembleias semelhantes serão realizadas em outros estados, por orientação do Comando Nacional dos Bancários. A ordem é aumentar a intensidade e os reflexos da paralisação sobre os bancos, para que eles se sintam mais pressionados e mudem a postura na mesa de negociação.

Negociação nacional

Na última quarta-feira (27), os bancários recusaram proposta feita pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban).

Em nota, a entidade patronal disse que ofereceu reajuste de 7% nos salários e benefícios, abono de R$ 3,5 mil e propôs que a negociação de 2016 tenha duração de dois anos, com garantia de reajuste da inflação e ganho real de 0,5% em 2017.

A oferta foi considerada insuficiente pelos trabalhadores, que reivindicam reposição da inflação (9,62%) mais 5% de aumento real; piso salarial de R$ 3.940,24; melhores condições de trabalho e fim das demissões, mais contratações, fim da rotatividade e combate às terceirizações, entre outras demandas.

Desde agosto de 2015, segundo os sindicatos da categoria, os bancários acumulam redução salarial de 9,62%.

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro da CUT (Contraf), Roberto von der Osten, a greve seguirá forte. “Estamos lutando por dignidade e respeito”, disse o sindicalista.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados