Sefaz Alagoas disponibiliza live sobre o Câncer de Próstata no canal do Youtube do órgão

O encontro teve a participação de um urologista, um psicólogo e servidores fazendários

Sefaz Alagoas disponibiliza live sobre o Câncer de Próstata no canal do Youtube do órgão

O encontro teve a participação de um urologista, um psicólogo e servidores fazendários

Por Assessoria | Edição do dia 18 de novembro de 2021
Categoria: Alagoas | Tags: ,,,,


A Secretaria de Estado da Fazenda de Alagoas (Sefaz-AL) disponibilizou a live sobre conscientização do Câncer de Próstata que aconteceu na última terça-feira (16), no canal do Youtube do órgão, em https://youtu.be/N3wfs5ZOE0I.

A transmissão contou com a presença do presidente da Sociedade Brasileira de Urologia – Seccional Alagoas, o urologista Eduardo Nunes, do psicólogo Walter de Oliveira e dos servidores efetivos da Sefaz, Gilberto Carlos e Marcos Casado, que enfrentaram a doença e puderam falar sobre as experiências durante o tratamento.

A live foi realizada para esclarecer as dúvidas da sociedade alagoana, em especial dos servidores fazendários, sobre a doença, o tratamento, e a relevância de ter o diagnóstico precoce ao lado de um acompanhamento psicológico.

Para o urologista Eduardo Nunes, é importante que os homens procurem um urologista para fazer o exame de toque retal a partir dos 50 anos. Caso o paciente tenha algum histórico familiar ou tenha pele negra, é necessário procurar o médico um pouco antes, aos 40.

O servidor fazendário Gilberto Carlos recebeu o diagnóstico da patologia aos 63 anos e afirmou que ao ver que estava com a doença ficou preocupado: “fui logo procurar outros urologistas, e, a partir daí, eu resolvi fazer a cirurgia”.

O psicólogo Walter de Oliveira reforça a relevância de ter um acompanhamento psicológico durante o período do tratamento da doença: “é extremamente importante esse acompanhamento, porque o câncer de próstata vai afetar diretamente a qualidade de vida do indivíduo, isso envolve vários aspectos psicológicos e psicossociais”.

Já para o servidor Marcos Casado, o acompanhamento médico foi muito significativo: “a minha história começou em 2010, quando fiz um ultrassom no abdômen e tinha detectado que a próstata estava com um valor acima do normal. A partir daí comecei a fazer o acompanhamento e o PSA sempre ascendente”.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados