Secult já se mobiliza para atender exigências da Leide Emergência Cultural Aldir Blanc, caso seja aprovada

Em votação no Senado nesta quinta-feira, 04, a Lei estabelece a adoção de medidas emergenciais ao setor cultural em meio a pandemia

Por Júlya Rocha - Agência Alagoas | Edição do dia 4 de junho de 2020
Categoria: Cultura | Tags: ,,


A Lei recebe o nome de Aldir Blanc, compositor brasileiro que morreu após ser infectado pela covid-19. Foto: Facebook/Reprodução

Com a possibilidade de aprovação da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, em homenagem ao célebre compositor brasileiro que morreu após ser infectado pela covid-19, que passa nesta quinta-feira, 04, por votação no Senado, a Secretaria de Estado da Cultura (Secult/AL) já começa a se mobilizar para atender seus requisitos.

Com o objetivo de financiar ações emergenciais no setor cultural, descentralizando os recursos a estados e municípios, o projeto dispõe de R$ 3 bilhões, que serão divididos pela metade, 50% para Estados e 50% para municípios. Em seguida, os recursos serão redistribuídos para cada ente seguindo dois critérios: 20% de acordo com as normas utilizadas pelos fundos de participação e 80% tendo como base critérios populacionais.

A proposta também determina que a renda emergencial para trabalhadores da cultura deve ter valor de R$ 600, pagos mensalmente em três parcelas sucessivas. Já os subsídios voltados para a manutenção de espaços artísticos poderão variar entre R$ 3 mil (valor mínimo) e R$ 10 mil (valor máximo). A verba poderá ser aplicada de três formas: a primeira é no formato de uma renda emergencial para trabalhadores da cultura. A segunda é por meio de subsídios mensais voltados para a manutenção de espaços artísticos e culturais. A terceira será no financiamento de editais, chamadas públicas, e serviços voltados ao setor cultural.

A Secult já se mostra à frente e preparada para a aprovação da Lei, a fim de receber e alocar os recursos de maneira adequada. O PL traz exigências para a aplicação dos recursos, dentre elas o mapeamento de artistas, feito pela Secretaria de Cultura desde 2018 através de editais de credenciamentos de artistas. “O processo de cadastramento e credenciamento dos artistas alagoanos já é algo contínuo da Secult, visto que lançamos editais desse porte e com esses dados obtivemos um mapeamento, a exemplo do Edital do Festival Dendi Casa Tem Cultura que com a aprovação da Lei pretendemos reabrir o edital para que mais artistas e segmentos sejam contemplados”, disse a secretária de cultura Mellina Freitas.

Os artistas não cadastrados podem se inscrever no link https://bit.ly/2XZyEOE

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados