Seades financia cozinha industrial em Piaçabuçu e capacita moradores da região

Fomento objetiva desenvolvimento de modelo socioprodutivo sustentável na região

Por Agência Alagoas | Edição do dia 19 de agosto de 2020
Categoria: Alagoas, Notícias | Tags:


Ascom Seades

Com o objetivo de capacitar moradores da região no desenvolvimento de habilidades de culinária de modelo socioprodutivo sustentável, o projeto “Cozinhar com Ecosustentabilidade” foi  inaugurado hoje (19) em Piaçabuçu. A iniciativa contou com o fomento da Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social (Seades) na construção e instalação de uma cozinha industrial, onde serão promovidos cursos e oficinas, além de a produção de itens alimentícios, cuja comercialização resultará em retorno financeiro aos participantes.

Desenvolvido pela Associação Aroreira, localizada em Piaçabuçu, o projeto utiliza os recursos ambientais da faixa sul do litoral alagoano na realização de aulas teóricas e práticas de capacitação em cozinha sustentável. O princípio da sustentabilidade, que alia desenvolvimento socioeconômico com preservação ambiental, embasa o programa dos cursos a serem ministrados no projeto, nos quais serão utilizados matérias-primas da região, como pimenta-rosa, tamarindo, jenipapo, siriguela, entre outras, para a produção de bolos, doces, compotas e geleias.

O evento de inauguração contou com a presença de técnicos da Seades e do Secretário de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social, Sílvio Bulhões, que, na ocasião, foi homenageado pela Associação Aroeira devido ao seu empenho na viabilização do projeto. O gestor da pasta explicou a importância da iniciativa. “É um projeto integrado com outras unidades, que permite união de forças entre associações, cooperativas, entidades representantes da agricultura familiar. Esse segmento é muito importante para o desenvolvimento socioeconômico do estado. Só teremos em Alagoas desenvolvimento social através de inclusão produtiva, de geração de emprego e da ocupação de mão de obra. Espero que esse novo espaço seja muito útil e que logo chegue à finalidade para a qual ele foi previsto, que é melhorar a qualidade de vida da população, não só em Piaçabuçu, mas em toda a região do Baixo São Francisco”.

Sílvio Bulhões ressaltou ainda a participação da gestão anterior da pasta na execução do projeto. “Quando assumimos a Seades, no início deste ano, este projeto já estava em vias de finalização. É preciso fazer este justo registro da participação da equipe do ex. Secretário João Lessa, meu antecessor, que conduziu de forma muito correta a construção deste projeto”.

Antecedendo à inauguração, alguns cursos foram ministrados pela nutricionista e idealizadora das receitas, Helena de Menezes. Entre eles, pode-se destacar: oficinas de seleção dos participantes e de definição das estratégias de ação; cursos de produção de bolos, com duas turmas de 20 pessoas em cada uma delas; cursos de doces com formaçã de 20 participantes; capacitação nutricional com profissionais especializados e orientação para controle de qualidade de alimentos e acondicionamento em embalagens apropriadas, e curso de noções de gestão financeira e comercial para a cadeia produtiva.

Por ocasião da inauguração, foi realizada a formatura de 46 mulheres, capacitadas nos cursos de cozinha sustentável. “É muito importante um projeto que utilize produtos da natureza, da biodiversidade, que é um sonho de mulheres extrativistas. Foram capacitadas 50 mulheres e construída uma cozinha, para que elas tenham uma profissão adequada. Hoje, com essa inauguração, estamos fazendo a formatura de 46 mulheres, com o título de eco-chefes de eco-cozinha. Uma região que está na foz do São Francisco, de alta riqueza ambiental, não pode tratar de projetos que não sejam sustentáveis”, ponderou Jorge Izidro, coordenador geral do projeto.

O projeto “Cozinhar com Ecosustentabilidade” foi financiado, no valor de R$ 275.843,13, com recursos do Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza (FECOEP). Em 2019, a Seades já havia fomentado outras ações de desenvolvimento socioeconômico da região, como o processamento da pimenta-rosa para a produção de alimentos a serem vendido pelos moradores da região.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados