Decreto e denúncias provocam insatisfação em relação a saúde de Maceió

Imagens revelam que máscaras vencidas foram distribuídas para os trabalhadores do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ)

Por | Edição do dia 26 de março de 2020
Categoria: Alagoas, Notícias | Tags: ,,,,,,,


Getty Images

Getty Images

A portaria da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) publicada no Diário Oficial do Município na última terça-feira, 24, provocou revolta entre profissionais e representantes de sindicato. Na publicação, o secretário de saúde José Thomaz Nonô, decide deixar de fora de medidas como o teletrabalho, servidores que estão no grupo de risco e trabalham com serviços públicos considerados essenciais. A insatisfação se junta às recentes denúncias relacionadas a problemas nas unidades de saúde da capital.

O presidente do Sindicato dos Agentes de Saúde de Alagoas (Sindas/AL), Maurício Sarmento, se posicionou contra a portaria, afirmando que ela coloca em risco diversos profissionais. “São pessoas de 60, 65 anos de idade, acometidos por doenças crônicas, e isso não pode acontecer. Tendo em vista a condição de vulnerabilidade que tem essas pessoas, pelo fato da sua idade, pelo fato de serem portadores de doenças crônicas,” afirma.

Maurício relata também a preocupação que essa situação traz e faz um apelo as autoridades. “Resolvi gravar esse áudio para sensibilizar o José Thomaz Nonô, sensibilizar o Prefeito de Maceió, e devolver a essas pessoas a condição de grupo de risco que eles tem. E daí eles poderem ir para as suas casas e entrarem em confinamento. Só assim, através do confinamento social é que nós vamos conseguir o objetivo que é afastar de vez o coronavírus aqui do nosso estado.”

Denúncias

Nos últimos dias, relatos sobre a falta de equipamentos e água, além de aglomerações de idosos em filas nas unidades de saúde de Maceió vem chamado a atenção, como é possível conferir no link: https://odiamais.com.br/denuncias-apontam-falta-de-equipamentos-e-aglomeracoes-de-idosos-em-unidades-de-saude-de-maceio/.

Agora, uma nova denúncia. Imagens mostram que máscaras vencidas foram distribuídas para os trabalhadores do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), administrado pela Prefeitura de Maceió. Com data de fabricação em 28 de fevereiro de 2017, a embalagem revela que após três anos as máscaras chegam ao vencimento.

WhatsApp Image 2020-03-25 at 12.32.59WhatsApp Image 2020-03-25 at 12.33.00A Secretaria Municipal de Saúde enviou ao O Dia Mais, uma nota com esclarecimentos à respeito da questão. Sem negar o fato, a SMS afirma que o uso do material não configura ilegalidade.

Confira a nota na íntegra:

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) esclarece que, por meio da Nota Técnica nº 04/2020, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) permite o uso de máscaras por período maior do que o indicado pelo fabricante, desde que estejam limpas, íntegras e secas. A indicação se deve à escassez desse material por parte de seus fabricantes, não só no Brasil, mas em todo o mundo. Portanto, a indicação do uso desse material se faz necessária diante dos baixos estoques.

Atualização de 31/03

Sobre as críticas relacionadas ao decreto, a SMS comenta que as portarias 034 e 035 do órgão esclarecem a questão,

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados