Quadrilha é presa por tráfico de armas e drogas após operação em aeroporto

Operação do Gecoc e Polícias Federal, Rodoviária Federal, Civil e Militar faz maior apreensão de “skunk” em Alagoas

Por | Edição do dia 21 de agosto de 2017
Categoria: Notícias, Polícia | Tags: ,,,,,,


WhatsApp Image 2017-08-20 at 03.16.29O Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc), do Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE/AL), juntamente com as Polícias Federal, Rodoviária Federal, Civil e Militar realizaram a apreensão de mais de 27kg de drogas no Aeroporto Zumbi dos Palmares, 16 kg só de skunk. Esta é a maior apreensão de skunk da história de Alagoas e a apreensão representou grande abalo financeiro para a facção Comando Vermelho, à qual pertencem as pessoas presas durante a operação.

A princípio, o foco da ação era armamento ilegal, mas o trabalho resultou na prisão de uma mulher que trazia, de Congonhas (SPP), haxixe e skunk. Além dela, naquele local, um taxista que aguardava a jovem também foi detido. Após as prisões, diligências ainda foram feitas e mais quatro pessoas acabaram sendo presas e ainda foram apreendidos dezenas de quilos de cocaína, maconha e crack.

A análise dos entorpecentes foi feita no setor técnico-científico da PF. Ao todo foram apreendidos aproximadamente 16kg de skunk, 2kg de haxixe, 2,432kg de cocaína, 500g de crack e mais 5,765kg de maconha. Além das drogas, as policiais confiscaram oito aparelhos celulares, um veículo modelo Prisma, duas balanças de precisão, duas munições de fuzil 762, outra de festim.

O valor estimado dos entorpecentes apreendidos é de R$ 500 mil. Segundo a polícia, um quilo de skunk é vendido por R$ 20 mil, enquanto o da maconha comum por mil reais. A disparidade nos preços se dá pela forma de cultivo, preparação e potencial da droga. Já o quilo haxixe é vendido pelo mesmo valor do crack, entre R$ 15 e R$ 17 mil.

As investigações do Gecoc, da DEIC, PF e inteligência da PRF iniciaram há nove meses. E, ao saberem que haveria uma movimentação suspeita para Alagoas, os policiais se planejaram para a apreensão de armas de fogo. Porém, no momento da abordagem à mulher suspeita, as equipes se depararam com o crime de tráfico internacional de drogas.

WhatsApp Image 2017-08-20 at 03.16.44A jovem, que está grávida, foi utilziada como “mula” para o transporte dos itens. Ela vinha sendo monitorada e a primeira previsão era de que desembarcasse às 14h, em Maceió, o que mobilizou o Gecoc e as polícias desde cedo. No entanto, já prevendo alguma interceptação, a mulher trocou o horário do voo, o que acabou também sendo detectado pelos serviços de inteligência.

Diligências

A operação foi montada de forma integrada e, na execução, houve o envolvimento de todas as polícias. Do aeroporto, as equipes, coordenadas pelo promotor de Justiça Carlos Davi Lopes, saíram em diligências e estiveram no bairro Ouro Preto, parte alta da capital, onde foi preso um homem que seria o dono dos entorpecentes que estavam chegando de São Paulo.

De lá, todos se destinaram à sua casa, em Rio Largo, onde foram localizados maconha e munição de fuzil 762. A esposa dele, que estava no imóvel, também recebeu voz de prisão. Logo em seguida, os policias foram na casa da grávida, onde prendendo mais um casal com cocaína e crack.

Os presos foram identificados como Josimar Barbosa Alves e David Tenório Navarro Manta, ambos de 27 anos, Thiago Silva de Oliveira, de 22 anos, e as mulheres Elissandra Valeria Alves de Araújo, de 22 , Ana Paula Barbosa Correia, de 35, e Jeniffer .Shirkei  Vieira, de 18 anos.

Os presos e todo material apreendido foram levados para a sede da Polícia Federal, no bairro do Jaraguá. Eles foram submetidos a exame de corpo de delito, ouvidos e depois remanejados para o sistema prisional.

Drogas

A skunk é uma variedade da cannabis, tem odor mais forte e maior concentração de substâncias psicoativas. É produzida com o cruzamento de várias espécies, em ambiente fechado e controlado.

Enquanto na maconha a concentração de tetra-hidrocanabinal varia entre 2% a 4%, no skunk ela chega a 30%. Essa maior capacidade de entorpecer altera a coordenação motora e a memória de quem a está consumindo.

O haxixe é extraído do tricoma das flores e das inflorescências da maconha, pode ser fumado ou ingerido. Depois de preparado, a resina acumulada é prensada, toma forma de bolas ou tabletes endurecidos.

São vários os efeitos, como fotofobia, aumento da pressão arterial, diminuição de reflexos, alteração da memória, entre tantos outros. Ele pode desencadear asma, bronquite e chega a causar câncer de pulmão.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados