Programa “Minha Casa, Minha Vida” abandona os mais pobres

Imóveis para os mais pobres reduzem 86% nos últimos anos

Por | Edição do dia 3 de janeiro de 2019
Categoria: Brasil, Notícias | Tags: ,,,,


6348142_x720

O programa federal Minha Casa, Minha Vida, criado em 2009 para tentar reduzir o déficit habitacional no país e ajudar os mais pobres a conquistar a casa própria, abandonou a Classe C e passou a focar na classe média.

A faixa 1 do programa, destinada a famílias de baixa renda, tem suas construções quase totalmente financiada pela União, com uma pequena contrapartida dos municípios. Nos primeiros seis anos do programa essa faixa era responsável por 45% das contratações, uma média de 23.741 novas unidades habitacionais por mês. A partir de 2015, essa média caiu para 3.291, ou seja, 86% a menos que nos primeiros anos do programa.

Em compensação, o governo federal passou a destinar mais de 90% dos financiamentos para as famílias com maior renda, e que arcam com um percentual maior do valor do imóvel, conforme estudo feito pelas pesquisadoras Karla França e Karine Paiva, para a Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

Apesar das mudanças ao longo dos anos terem significado também uma vantagem para os mais pobres, uma vez que a renda para ser beneficiário da faixa 1 diminuiu, é entre as famílias com renda até três salários mínimos que o déficit habitacional aumentou nos últimos anos, justamente a faixa que acabou abandonada pelo programa.

Contratações do Minha Casa, Minha Vida por faixa: 

Período de 2009 a 2014
Faixa 1 – 1.709.346 – 45,5% do total
Faixa 2 – 1.592.277 – 42,4% do total
Faixa 3 – 453.677 – 12,1% do total

Período de 2015 a 2018 (até junho)
Faixa 1 – 138.229 – 9,3% do total
Faixa 2 – 1.167.411 – 78,6% do total
Faixa 3- 180.272 – 12,1% do total

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados