PRF e IML identificam corpos sem identificação em Alagoas

O trabalho foi realizado pelo Núcleo de Identificação da Polícia Federal

PRF e IML identificam corpos sem identificação em Alagoas

O trabalho foi realizado pelo Núcleo de Identificação da Polícia Federal

Por Redação* | Edição do dia 10 de março de 2021
Categoria: Polícia | Tags: ,,,,


A Polícia Federal e o Instituto Médico Legal de Alagoas, realizam um intenso esforço de identificação de cadáveres enterrados sem reconhecimento. O trabalho de identificação foi realizado pelo Núcleo de Identificação da Polícia Federal em Alagoas, por meio de exame papiloscópico e inserção das impressões digitais do cadáver ignorado no Sistema Automatizado de Impressões Digitais (AFIS) da Polícia Federal.

O uso desse sistema se deu em decorrência do Acordo de Cooperação Técnica firmado em 2019 entre a Secretaria de Segurança Pública de Alagoas (SSP/AL) e a Polícia Federal (SR/PF/AL). Com o acordo, as impressões digitais dos cadáveres não reconhecidos estão sendo inseridas no AFIS, sendo que em caso de confronto positivo e identificação do cadáver as informações são repassadas ao Instituto Médico Legal para demais providências. Até o momento, foram coletadas aproximadamente 560 fichas de indivíduos enterrados sem reconhecimento, sendo que 20 desses foram identificados.

Polícia Federal realiza identificação de cadáveres enterrados. Foto: PF

O Delegado Regional Executivo da Polícia Federal em Alagoas, Douglas Saldanha, reafirmou a relevância das instituições trabalharem de forma integrada e destacou a importância do trabalho realizado pelos papiloscopistas da Polícia Federal e do Instituto de Identificação Mário Pedro dos Santos, vinculado à Perícia Oficial do Estado. “O trabalho de identificação dos cadáveres não reconhecidos possui nítido caráter humanitário e social, pois fornece respostas aos familiares do desaparecido, além de possibilitar o encerramento de eventuais casos criminais abertos que envolvam os identificados”.

Os papiloscopistas Julius Bomfim e Rodolfo Lucas, responsáveis pela condução do trabalho por parte da Polícia Federal, destacaram que “o trabalho só foi possível em virtude do grande empenho e dedicação dos papiloscopistas do Núcleo de Identificação da PF e Instituto de Identificação Mário Pedro dos Santos, vinculado à Perícia Oficial do Estado”.
Os trabalhos de identificação prosseguirão, à medida que novos indivíduos forem enterrados sem identificação, tendo em vista a vigência do Acordo de Cooperação Técnica firmado em 2019 entre a Secretaria de Segurança Pública de Alagoas (SSP/AL) e a Polícia Federal (SR/PF/AL).

 

Com: Assessoria

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados