Pressionado após discurso de Lula, Pazuello alega problemas de saúde e pede para deixar ministério

Jair Bolsonaro vai trocar pela quarta vez o comando do Ministério da Saúde

Pressionado após discurso de Lula, Pazuello alega problemas de saúde e pede para deixar ministério

Jair Bolsonaro vai trocar pela quarta vez o comando do Ministério da Saúde

Por Redação* | Edição do dia 14 de março de 2021
Categoria: Brasil, Política


Jair Bolsonaro vai trocar pela quarta vez o comando do Ministério da Saúde, hoje a cargo do general Eduardo Pazuello, que promoveu a intensificação do caos que o país enfrenta no combate ao vírus.

Internautas e articulistas apontam que o governo de Jair Bolsonaro é obrigado a se movimentar no combate à pandemia temendo a vitória de Lula em 2022. Desde o discurso histórico do petista, realizado na última quarta, Jair Bolsonaro faz a defesa da vacina e agora demite seu ministro.

Fontes do Planalto que participam das tratativas disseram à reportagem do jornal O Globo que o atual ministro comunicou a Bolsonaro estar com problemas de saúde e que, por isso, precisará de mais tempo para se dedicar aos cuidados com o corpo. O pedido de afastamento coincide com o auge da pressão de deputados do Centrão, que pleiteiam mudança no comando da pasta, sob pretexto de má gestão durante a pandemia.

Nesta manhã, a jornalista Andreia Sadi disse que “aliados do presidente Bolsonaro defenderam nos últimos ao presidente e a integrantes do Palácio do Planalto que seja feito um “rearranjo” de ministérios — começando pela troca urgente do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para que o governo consiga se preparar politicamente à oposição do ex-presidente Lula, que voltou ao tabuleiro eleitoral na semana passada.”.

A reportagem ainda acrescenta que interlocutores de Bolsonaro já entraram em contato com dois cardiologistas cotados para substituir Pazuello: Ludhmilla Abrahão Hajjar e Marcelo Queiroga. O primeiro nome, como divlugou o blog de Andreia Sadi, é o preferido do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e de deputados do Centrão para assumir a vaga. Hajjar é professora associada de Cardiologia da USP. Queiroga preside a Associação Brasileira de Cardiologia.

Nesta manhã, Lira falou publicamente sobre a importancia de Pazuello sair do cargo: A avaliação de Lira é de que Pazuello “perdeu o rumo” e não tem mais a “confiança mínima” da sociedade para exercer seu cargo.

Pazuello deixará o ministério com legado de estoques lotados de cloroquina, medicamento que não possui eficácia alguma no combate ao vírus, e também pela ineficiência na aquisição de vacinas contra a Covid-19.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados