Bom Dia!, Sexta-Feira - 17 de Janeiro de 2020

 

Prefeitura e Unicef discutem saúde e redução da taxa de gravidez na adolescência em Maceió

Redação com Assessoria / 2:30 - 21/08/2019


A Prefeitura de Maceió e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) promoveram, na manhã desta quarta-feira (21), no auditório da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em Jacarecica, o II Diálogo Temático Intersetorial sobre Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos de Adolescentes.

O encontro teve como foco discutir a prevenção da gravidez não intencional, infecções sexualmente transmissíveis (IST/Aids) e violência sexual na adolescência e faz parte das ações da Plataforma dos Centros Urbanos (PCU), iniciativa da Unicef que atua na garantia dos direitos das crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade.

A secretaria-adjunta de Gestão em Saúde do Município, Nadja Marinho, destaca que a função da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) é identificar os principais desafios e realizar o monitoramento das ações. “O monitoramento das ações presentes no Plano de Impacto é realizado através de programas estratégicos da SMS e nosso grande desafio junto a outros órgãos municipais e o Unicef é diminuir a gravidez na adolescência, tendo em vista a situação de baixa renda em que se encontra a maioria da população. Só partir desse tipo de discussão que podemos traçar políticas e condutas de enfrentamento focadas na necessidade dessas populações”, detalha.

Juliana-Vergetti-1024x699

Ednalda Araújo, coordenadora-geral de Atenção Básica do Município, apresentou para os participantes o andamento das ações planejadas no âmbito do PCU. “No eixo de combate às IST/Aids realizamos a ampliação de atividades de educação permanente com os profissionais de saúde, treinamento com profissionais de saúde das maternidades credenciadas à Rede Cegonha, seminário de prevenção à gravidez na adolescência, oficina de qualificação de pré-natal, campanhas educativas sobre IST/Aids com foco nos jovens, com a disponibilização de testes rápidos em 65 Unidades Básicas, realização de Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA) Itinerantes, além de atividades de educação sexual com adolescentes e pais nas Unidades de Saúde com o apoio da equipe do Núcleo Ampliado de Saúde da Família (Nasf)”, explicou.

Já Juliana Vergetti, consultora do Unicef para a Plataforma dos Centros Urbanos, ressaltou os quatro eixos temáticos trabalhados pela PCU. “O primeiro é a promoção de direitos da 1ª infância, o segundo é o enfrentamento da exclusão escolar, o terceiro é os direitos sexuais e reprodutivos e o quarto é a redução de homicídios entre adolescentes. Todos os temas acabam se interligando de alguma maneira, por isso a necessidade de trabalhar de forma integrada. Hoje estamos apresentando os indicadores municipais referentes aos direitos sexuais e reprodutivos, com base no principal indicador que é o de nascidos vivos de mães entre 10 e 19 anos”, pontuou.

“Em 2016, tínhamos 22,98%, o que representava 3.600 bebês nascidos vivos de mães entre 10 e 19 anos, em 2017 esse número foi de 21,29% e em 2020 pretendemos alcançar o percentual de 20, 97%, com uma redução de 300 bebês desse número inicial. Na faixa etária de 15 a 19 anos tínhamos em 2016, 21,65%; em 2017, 20,15% e em 2018, 18,68%. Então nosso objetivo principal é sempre trabalhar ainda mais na redução desses números por meio de um trabalho coordenado”, acrescenta Juliana Vergetti.

A discussão contou com representantes da Atenção Básica da SMS, da Coordenação Geral de Distritos Sanitários, Gerência de Saúde da Mulher, Coordenação de Saúde do Adolescente, Consultório na Rua, Programa Saúde na Escola (PSE), Gerência de IST/Aids e Hepatites Virais, Núcleo Ampliado de Apoio à Saúde da Família (Nasf) e Coordenação de Análise de Dados da SMS.

Também integraram a discussão as Secretarias Municipais da Educação (Semed)  e Assistência Social (Semas), representantes do Gabinete do Prefeito, Governo do Estado, Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ-AL), Conselho Tutelar, Conselho Municipal da Criança e do Adolescente, Esporte, Lazer e Juventude, universidades, Sebrae e Rede de Adolescentes e Jovens, além da Plataforma dos Centros Urbanos.

Plataforma dos Centros Urbanos 

A PCU é uma iniciativa do Unicef que tem como objetivo diminuir as desigualdades dos grandes centros urbanos. Maceió faz parte da PCU desde 2013, com outras sete capitais, formando o segundo ciclo nacional. O foco dessas plataformas é ouvir os jovens, saber o que os aflige em suas comunidades, suas famílias e cidades, sendo eles protagonistas na elaboração dessas políticas públicas.


Comentar usando