Polícia Federal prende candidato a vice-prefeito de Campo Grande

José Rozendo foi acusado aliciar eleitores e comprar votos

Polícia Federal prende candidato a vice-prefeito de Campo Grande

José Rozendo foi acusado aliciar eleitores e comprar votos

Por Redação | Edição do dia 23 de agosto de 2021
Categoria: Alagoas, Polícia, Política | Tags: ,,


Um dos candidatos a vice-prefeito do município de Campo Grande, interior de Alagoas, foi preso durante a madrugada desta segunda-feira (23). José Rozendo (Republicanos) e mais três pessoas foram acusados de comprar votos e tentar aliciar eleitores na zona rural do estado de Alagoas. 

Segundo informações da Polícia Federal e do Ministério Público Eleitoral, a operação sigilosa da Polícia Federal (PF) teve início por volta das 4h da madrugada de hoje e a prisão do suspeito foi confirmada por Arnaldo Higino, ex-prefeito da cidade e tio do atual candidato Teó Higino, que tem José Rozendo como vice. 

“A Assessoria Jurídica do candidato Téo Higino considera a prisão arbitrária e está entrando com ações na Justiça para revogar a prisão ocorrida nas primeiras horas da manhã”, afirmou o candidato a prefeito, através da sua assessoria jurídica e política.

Além de José Rozendo, que é candidato a vice na chapa de Téo Higino (Republicanos), Cícero Pinheiro (MDB) e Inês Correia (PSD) também disputam a prefeitura. O cargo está sendo ocupado, provisoriamente, desde 1° de janeiro, por Josefa Barbosa (PRB), que é presidente da Câmara dos Vereadores.

O mandato de Josefa está causando insatisfação na maioria dos 10 mil habitantes do município, que reclamam de atrasos nos salários dos servidores públicos da Saúde e da Educação. Problemas no gerenciamento da saúde pública municipal também são apontados pelos moradores da cidade. 

Arnaldo Higino (PP), foi prefeito eleito com 51,40% dos votos, mas teve a chapa cassada em todas as instâncias da Justiça eleitoral e seu o registro de candidatura indeferido, por atos de improbidade administrativa e práticas incompatíveis com sua gestão no Município. Ações que foram constatadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e pelo Ministério Público Eleitoral.

Ele acatou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) e preferiu não recorrer para assumir o seu quinto mandato que o tornou inelegível, admitindo ainda que pretende retornar à política na sua região depois de resolver a pendência com a Justiça Eleitoral.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados