, Terça-Feira - 10 de Dezembro de 2019

 

Operação Flash Back: Mais de 40 integrantes do PCC foram presos em Alagoas

Erika Messias – Estagiária / 2:21 - 27/11/2019

A operação foi deflagrada nesta manhã, 27, em Alagoas e em mais sete estados do Brasil


IMG_2478

Foto: Jamerson Soares

Em coletiva de impressa realizada na manhã desta quarta-feira (27), a Secretaria de Segurança Pública de Alagoas (SSP/AL) deu detalhes sobre mais uma ação contra facções criminosas que agem dentro do Estado. A Operação Flash Back contou com o apoio de diversas autoridades judiciais do país e culminou na prisão de 48 integrantes da facção Primeiro Comando da Capital (PCC), em Alagoas. As prisões ocorreram em pelo menos oito municípios alagoanos, sendo 19 detenções na capital.

Durante a apresentação das ações, o major Jatobá, subcomandante do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), afirmou que foram cumpridos 66 mandados de prisão expedidos pela 17º Vara Criminal de Maceió. A autoridade policial também explicou que todas as investigações – iniciadas há cerca de sete meses – começaram em Alagoas e foram se desdobrando em outros estados nordestinos e no Sul, mais especificamente na cidade de Curitiba.

“Só em Alagoas, 40% das ramificações criminosas, envolvendo integrantes de facções, são comandadas pelo PCC. A partir das informações colhidas de aparelhos eletrônicos rastreados, de alguns criminosos, foi possível descobrir mais detalhes de como essa facção está agindo no Nordeste e em demais capitais do país, essa operação está sendo essencial para descobrirmos os mecanismos criminosos desse grupo criminoso”, destaca o subcomandante.

Ainda de acordo com o balanço apresentado hoje foram presos: Anderson Valério Reis Carvalho; Clodoaldo Soares da Silva Junior; Danilo Vitor Almeida de Farias; Juannely Silva Rosalino de Oliveira; Fábio Inácio da Silva; Pedro Lucas da Silva Melo; Anderson Eduardo Farias Gomes; David Anderson da Silva Melo; Maurício da Silva Alves; Cristiano Nunes Magalhães Silva; Anderson Bezerra Serranegra; Cícera de Oliveira Santos; Willames da Silva; Maria Tayane Nascimento de Lira; Vilma de Oliveira; Ulisses Pereira e Clebson Silva dos Santos.

Além das prisões, um criminoso identificado apenas pelo apelido de “Maceió” trocou tiros com a polícia e morreu em Arapiraca. Os mandados foram cumpridos entre os municípios de Maceió (19), em Arapiraca (7), Santana do Ipanema (4), Rio Largo (2), Viçosa (2), Japaratinga (2), Igreja Nova (1) e Penedo (1).

As demais prisões foram cumpridas dentro de presídios do Estado. Somente em Girau do Ponciano, 23 integrantes do PCC reclusos mantinham comunicação com outros criminosos. A operação também redeu a apreensão de três armas de fogo, celulares e até agendas com informações sobre o comando do tráfico entre Alagoas e Sergipe.

Segundo o promotor de justiça, Amilton Cordeiro, a operação está sendo uma das mais incisivas, no que diz respeito as investigações nacionais sobre facções criminosas. Ele comentou que a partir dessas prisões, integrantes de organizações desse tipo serão transferidos para presídios federais e terão dados genéticos colhidos e inseridos no sistema de inteligência da polícia.

“Outra medida que vamos apoiar é a extração de dados do DNA dos investigados. Esse material será extraído com kits fornecidos pelo Ministério da Justiça e inserido no banco nacional de perfis genéticos, e dessa forma, esses investigados ficarão permanentemente identificados”, explicou o promotor.

Em todo o Brasil, foram expedidos 110 mandados de prisão. Além de Alagoas, os alvos foram os estados do Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, São Paulo, Tocantins e Sergipe.


Comentar usando