Nutricionista do HGE alerta sobre o perigo da obesidade em tempos de coronavírus

Estado nutricional de uma pessoa é medido pelo MC e colhido através do peso e altura

Nutricionista do HGE alerta sobre o perigo da obesidade em tempos de coronavírus

Estado nutricional de uma pessoa é medido pelo MC e colhido através do peso e altura

Por Assessoria | Edição do dia 23 de junho de 2020
Categoria: Comportamento, Notícias


Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que pacientes com doenças crônicas pré-existentes, como a diabetes e a hipertensão, tendem a apresentar as versões mais graves da Covid-19. E sabendo que pessoas com obesidade, em geral, possuem alguma destas doenças, a preocupação com o peso e o controle adequado da pressão arterial e dos níveis glicêmicos deve ser ainda maior.

A nutricionista do Hospital Geral do Estado (HGE), Carolina Braga, explica que o critério utilizado para avaliar e classificar o estado nutricional de uma pessoa, de acordo com as recomendações da OMS, é o Índice de Massa Corpórea (IMC), colhido através do peso e altura. A partir dele, é possível ter uma ideia de como anda o nível de gordura. Sendo assim, a fórmula para o cálculo é: peso (em kg) dividido pela altura² (em metros).

“Correlacionamos e aplicamos em uma referência entre 18kg/m2 e 40kg/m2 e assim conseguimos ter uma avaliação prévia entre os indivíduos. Os que apresentam IMC acima 25 kg/m2 são considerados sobrepeso e acima de 30 kg/m2 com obesidade”, explica.

Ela orienta que as pessoas com os índices mais elevados, e com alguma outra comorbidade associada, devem procurar mantê-las controladas para o organismo agir de forma mais eficaz, caso o vírus entre no organismo. “Independente da patologia de base em que o indivíduo se encontra, uma boa alimentação auxiliará o desempenho do organismo e o preparará para passar por esta pandemia”, salienta a nutricionista.

Segundo ela, mesmo em período de isolamento social, o ideal é planejar a rotina alimentar, tendo sempre uma comida de qualidade nutricional disponível e evitando o consumo dos alimentos processados. “Uma ideia é seguir as recomendações do guia alimentar para a população brasileira. Não esquecendo que a hidratação é fundamental e que a ingestão de líquido deve ser frequente e regular”, recomenda a nutricionista do HGE.

Outra dica, segundo a profissional, é evitar o desperdício e as idas desnecessárias ao mercado, cuidando do armazenamento adequado dos alimentos. “Os legumes e hortaliças duram bem mais tempo se for utilizada a técnica de branqueamento. Para isso, após a higienização, mergulhe-os em água fervente por 2 a 3 minutos e logo em seguida coloque-os em um recipiente com gelo. Depois congele. Não esquecendo de fazer uma boa higienização antes de todo o procedimento”, orienta.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados