MPF busca prioridade na vacinação de comunidades quilombolas e ribeirinhas em Alagoas

Recomendação orienta que Sesau distribua as doses necessárias à Rede de Frio de imunobiológicos municipais, nas localidades dessas comunidades tradicionais

MPF busca prioridade na vacinação de comunidades quilombolas e ribeirinhas em Alagoas

Recomendação orienta que Sesau distribua as doses necessárias à Rede de Frio de imunobiológicos municipais, nas localidades dessas comunidades tradicionais

Por Ascom MPF | Edição do dia 13 de abril de 2021
Categoria: Coronavírus | Tags: ,,,,,,


O Ministério Público Federal (MPF) expediu recomendação ao Governo do Estado de Alagoas e à Secretaria de Saúde estadual para que seja estabelecido cronograma de vacinação para povos e comunidades tradicionais quilombolas e ribeirinhas, conforme previsto no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19.

O 4º Plano Nacional estabeleceu a ordem de prioridade dos povos e comunidades tradicionais ribeirinhas e quilombolas, incluindo-os após as pessoas das faixas etárias de 75 a 79 anos, mas antes das faixas de idade entre os 70 e 74 anos, tendo em vista novas evidências sobre a doença, situação epidemiológica desses grupos e a disponibilidade atual de vacinas.

De autoria dos procuradores da República Bruno Lamenha, Julia Cadete, Niedja Kaspary e Roberta Bomfim, que compõem o GT Covid-19 do MPF em Alagoas, a Recomendação nº 8/2021 orienta aos gestores da saúde do Estado de Alagoas a distribuição das doses necessárias à vacinação de grupos ribeirinhos e quilombolas à Rede de Frio de imunobiológicos municipais, nas localidades onde situadas essas comunidades tradicionais.

Estatísticas – Segundo a ONG Instituto Polis, homens negros são os que mais morrem pela Covid-19 no Brasil, dados levantados na cidade de São Paulo apontam 250 óbitos a cada 100 mil habitantes, enquanto que, entre os brancos, são 157 mortes a cada 100 mil; sendo, entre mulheres de pele preta, 140 mortes por 100 mil habitantes, entre as de pele branca, são 85 por 100 mil.

De acordo com o Boletim Epidemiológico nº 28, de 26 de agosto de 2020, do Ministério da Saúde, 41% dos óbitos relacionados à doença ocorrem na população negra. O levantamento da imprensa aponta que a chance de um negro morrer em decorrência da infecção pelo novo coronavírus é 38% maior do que a de um branco.

A Pesquisa Nacional de Saúde – PNS, de 2013, revela serem negros 67% dos cidadãos dependentes do Sistema Único de Saúde – SUS4 e a maioria dos pacientes com diabetes, tuberculose, hipertensão e doenças renais crônicas, todas comorbidades agravantes da Covid-19.

Dados do IBGE demonstram que mulheres, negros e pobres são os mais afetados pela doença, e que, a cada dez pessoas que relatam mais de um sintoma da Covid-19, sete são pretas ou pardas.

Prazo – A urgência da situação requer que os representantes do Estado de Alagoas manifestem-se sobre o acatamento da Recomendação no prazo de cinco dias, a contar do recebimento, informando as providências efetivamente adotadas.

Confira a íntegra da RECOMENDAÇÃO GT COVID-19 Nº 8/2021/MPF/PR-AL/8.º OFÍCIO

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados