Moradores de Bebedouro fazem protesto para pedir realocação

Manifestantes fecharam a entrada da Rua Marquês de Abrantes e a subida da ladeira Prof. Benedito Silva

Moradores de Bebedouro fazem protesto para pedir realocação

Manifestantes fecharam a entrada da Rua Marquês de Abrantes e a subida da ladeira Prof. Benedito Silva

Por Thiago Luiz | Edição do dia 13 de setembro de 2021
Categoria: Maceió | Tags: ,,,


Moradores do bairro de Bebedouro fecharam o principal ponto de “desafogo” do trânsito do bairro nesta segunda-feira (13). O início da ladeira Professor Benedito Silva e a entrada da rua Marquês de Abrantes ficaram bloqueados pela manifestação que exigia medidas como realocação, inclusão no mapa de risco e um aumento na oferta do valor da indenização por parte da Braskem.

Segundo o morador e um dos líderes do movimento, Renato Inocêncio, o sentimento para quem ainda mora no bairro é de esquecimento. “À noite as ruas ficam desertas. Não há segurança, nem lazer, nem saúde”.

O protesto começou às 6h e tinha previsão de término para às 20h, mas a via foi liberada por volta das 11h após negociação com o gerenciamento de crise da Polícia Militar (PM). Uma comissão de quatro pessoas foi criada para uma reunião com a Defesa Civil. Mesmo com o acordo, os manifestantes foram em direção ao Mutange, para protestar no portão que fecha a principal via do bairro.

Moradores fecharam a entrada da rua Marquês de Abrantes e o começo da ladeira professor Benedito Silva. Foto: Cortesia

De acordo com informações repassadas à Redação de O Dia Mais, caso não seja feita nenhuma negociação com os moradores, a próxima manifestação deve ser no entorno de uma das fábricas da mineradora.

Em nota, a Braskem disse que se baseia na área delimitada pela Defesa Civil. Dessa forma, as casas que ainda permanecem ocupadas estão em uma zona que não exige realocação imediata. Além disso, a empresa afirmou que respeita o direito de manifestação e está em constante contato com o poder público para assegurar os direitos dos moradores de bairros afetados.

Confira a nota na íntegra:

A Braskem atua na área delimitada pela Defesa Civil como zona de criticidade 00 – que exige realocação imediata – e zona de criticidade 01, que determina monitoramento e não exige mudança imediata. A empresa mantém diálogo permanente com as autoridades, na busca das melhores soluções para os moradores e comerciantes atendidos pelo Programa de Compensação Financeira e Apoio à Realocação.

Em dezembro de 2020, a Braskem assinou um acordo que prevê recursos e tratativas nos aspectos sociais, ambientais e de mobilidade. Empresas especializadas estão realizando os diagnósticos nas áreas de entorno do mapa de desocupação para compreender as alterações nas dinâmicas sociais e de mobilidade e sugerir propostas de ações, a partir de escutas da comunidade.

A Braskem respeita o direito de manifestação pacífica e reitera o seu compromisso com a segurança dos moradores dos bairros afetados pelo fenômeno geológico, propondo e executando as ações necessárias para isso.

*Atualizada às 11h34

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados