Moradores da Vila Emater protestam contra falta de consulta em posto de saúde

De acordo com a SMS, a unidade foi descredenciada pelo Ministério da Saúde

Moradores da Vila Emater protestam contra falta de consulta em posto de saúde

De acordo com a SMS, a unidade foi descredenciada pelo Ministério da Saúde

Por | Edição do dia 19 de março de 2020
Categoria: Maceió, Notícias | Tags: ,,,,


vilaem

Foto: Divulgação

Os moradores da Vila Emater, em Maceió, bloquearam com pneus queimados na manhã desta quinta-feira, 19, a pista do Sítio São Jorge em protesto a falta de médico na unidade de saúde da localidade. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que o encerramento das atividades do posto de saúde da Vila Emater ocorreu por conta do descredenciamento feito pelo Ministério da Saúde.

Desde o dia 5 de fevereiro a unidade está sem médico, conta os moradores. Agora, em plena pandemia do novo coronavírus, na porta do posto de saúde há um aviso em que informa a população que a unidade está sem médico e pede para quem precisar de serviços de saúde, que busque a Unidade Docente Assistencial (UDA) Divaldo Suruagy na FAT, a Unidade de Saúde João Paulo II, a Unidade de Saúde José Araújo ou a Unidade de Saúde Paulo Leal.

Segundo Ivanilda Gomes, uma das moradoras da região, a comunidade, em sua maioria trabalhadores com material reciclável, conta com 1200 moradores. O posto de saúde cobria essa população e moradores do conjunto Luiz Pedro. Sendo assim, mais de 1200 pessoas eram atendidas pela unidade de saúde.

Quando perguntada se a comunidade foi informada da desativação do posto, Ivanilda disse que essa informação não foi repassada pelo município.

“Fizemos esse protesto porque nós ‘já foi’ até a secretária de saúde, com várias abaixo-assinados que fizemos e com uma boa representação da comunidade. Fomos atendidos e não resolverem nada”, contou.

Ivanilda ainda revela que a comunidade se manifesta pacificamente há seis meses, mas que não foram atendidos. Ela ainda relata que, além do problema com a unidade de saúde, o acesso a Vila Emater está com muitos buracos e que isso pode ocasionar em acidentes de trânsito.

Por nota, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que o encerramento das atividades da unidade da Vila Emater aconteceu por conta do descredenciamento feito pelo Ministério da Saúde, que estabelece um mínimo de 4 mil usuários para a manutenção de uma estrutura como a do posto da comunidade. A Vila contava com 1200 usuários cadastrados, que estavam sendo atendidos por dois agentes comunitários de saúde, em uma instalação insalubre.

Apesar da desativação, a SMS ofereceu como alternativa aos usuários os serviços de saúde da Unidade de Saúde da Família (USF) José Maria de Vasconcelos Neto, localizada no São Jorge e da Unidade Docente Assistencial (UDA) Divaldo Suruagy, localizada na FAT, no Barro Duro.

Leia a nota na íntegra:

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) esclarece que o encerramento das atividades da unidade da Vila Emater ocorreu por conta do descredenciamento da unidade pelo Ministério da Saúde, que estabelece, para a manutenção de uma estrutura como essa, um mínimo de 4 mil usuários. Na unidade da Vila Emater havia só 1.200 usuários cadastrados, que vinham sendo atendidos apenas por dois agentes comunitários de saúde, numa estrutura bastante insalubre.

Para que os usuários não fossem prejudicados pela decisão do Ministério, a SMS remanejou os atendimentos de farmácia, vacinação e marcação do CORA dessa população para a Unidade de Saúde da Família (USF) José Maria de Vasconcelos Neto (São Jorge). Já os demais serviços – a exemplo de consultas – estão sendo direcionados à Unidade Docente Assistencial (UDA) Divaldo Suruagy, localizada na FAT.

Veja vídeo do protesto:

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados