Maceioenses poderão se cadastrar como doadores de medula óssea

Hemoal e Santacoop fazem ação neste sábado (02), no Feitosa, pelo Dia C – Dia de Cooperar

Maceioenses poderão se cadastrar como doadores de medula óssea

Hemoal e Santacoop fazem ação neste sábado (02), no Feitosa, pelo Dia C – Dia de Cooperar

Por | Edição do dia 1 de julho de 2016
Categoria: Notícias, Saúde | Tags: ,,,


Entre as várias ações que vão marcar o Dia Internacional do Cooperativismo em Maceió nesta sábado (02), membros da Cooperativa de Médicos da Santa Casa de Misericórdia de Maceió (Santacoop) e Hemocentro de Alagoas (Hemoal) vão estar na Praça Nossa Senhora de Fátima, no Feitosa, das 9h às 15h, para realizar o cadastro voluntário de possíveis doadores de medula óssea. O procedimento é simples, precisando apenas de boa vontade e 5ml de sangue.

Imagem: divulgação

Imagem: divulgação

Para cadastrar-se no Registro Nacional dos Doadores de Medula Óssea (Redome), o interessado deve ter de 18 a 55 anos, boas condições de saúde, portar RG e CPF, e informar o endereço residencial. Não é preciso estar em jejum para o procedimento, que em nada se assemelha ao processo de doação de sangue.

Segundo o Hemoal, o “tubinho” de sangue retirado (apenas 5ml) será submetido a um exame laboratorial para obter o código genético. Com o tipo da medula identificado, ele será “cruzado” diariamente nos registros do Redome para identificar pessoas que estejam precisando de um transplante.

O cadastro do possível doador permanece no Redome até que ele complete 55 anos – ou seja, um jovem em seus 20 anos ficará muito tempo no registro. Por isso, o Hemoal chama atenção para o compromisso e responsabilidade do voluntário, caso venha ser chamado a doar.

“É importante que, quando a pessoa venha fazer o cadastro de medula óssea, tenha em mente que está mexendo com a esperança de uma pessoa. É preciso ter noção da responsabilidade do ato e do impacto que pode ter na vida de alguém se ele for chamado a doar”, ressaltou Raiara Andrade, assistente social do Hemoal.

Em caso de compatibilidade com alguém na lista de espera, o Redome aciona o Hemoal, que entra em contato com o voluntário. A retirada da medula para doação é feita em Recife ou outra cidade, dependendo de onde esteja o paciente para transplante, uma vez que em Alagoas não existe um hospital apto a realizar o procedimento.

“Mas o traslado para doação é todo custeado pelo Ministério da Saúde, a pessoa só precisa fazer a viagem”, destacou Raiara.

Para permitir o contato, os dados do doador voluntário precisam estar sempre atualizados junto ao Hemoal ou ao site do Redome: http://redome.inca.gov.br/

Segundo o IBGE, o Brasil tem 206 milhões de habitantes. Apenas 4 milhões de pessoas estão cadastrados como doadores voluntários de medula óssea no site do Redome.

Imagem: divulgação

Imagem: divulgação

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados