Lista das celebridades que ajudara a eleger Bolsonaro

Atores, apresentadores, jogadores de futebol e jornalistas precisam pedir perdão pela eleição do inominável

Lista das celebridades que ajudara a eleger Bolsonaro

Atores, apresentadores, jogadores de futebol e jornalistas precisam pedir perdão pela eleição do inominável

Por Antonio Pereira | Edição do dia 2 de junho de 2021
Categoria: Opiniões | Tags: ,,,,,,,,


Envergonhados ou não, muitas das nossas celebridades (atores, apresentadores, jornalistas, cantores, esportistas) tem a obrigação moral de vir a público e pedir perdão ao povo brasileiro por terem ajudado a eleger o presidente Jair Bolsonaro.

Já estamos quase no fim do mandato deste que se tornou o pior presidente da história por sua postura autoritária, mesquinha e muitas vezes repugnante, não tendo a menor empatia com os milhares de mortos pela pandemia do coronavírus.

Na eleição de 2018 muitos artistas, levados pela onda de negação à esquerda e outros por pura convicção reacionária, foram às mídias e outras formas de comunicação para demonstrar toda sua preferência pelo inominável do número 17.

O apresentador global Luciano Huck foi um deles. Fez um vídeo enaltecendo as ‘virtudes’ de Bolsonaro e demonizando o então candidato petista, o professor universitário Fernando Haddad. Luciano até hoje nunca deu uma única declaração se retratando por ter influenciado seus milhões de fãs e seguidores a apertar o número 17 nas urnas.

O jogador Neymar também figura nesta lista de celebridades que tem responsabilidade no apoio direto à eleição do Bolsonaro. O jogador e seu pai são grandes entusiasta do governo atual, inclusive o progenitor do astro de futebol é visto quase sempre em eventos de homenagem ao inominável.

Outro segmento altamente atrasado politicamente é o dos cantores sertanejo. Quase a totalidade deles votou e fez campanha para Bolsonaro. Recentemente aconteceu um churrascão em um restaurante de Brasília, onde muitos deles compareceram para reafirmar o apoio ao pior presidente da história.

O cantor e compositor Zezé di Camargo é um dos mais aguerridos defensores de Bolsonaro e tudo o que ele representa. Outro que também não larga a barra das calças de Bolsonaro é o cantor Amado Batista, sempre tirando fotos sorridente ao lado do seu ‘mito’.

No caso dos sertanejos é até compreensivo, já que a maioria deles é milionário, muitos têm enormes fazendas e adoram ter o ‘direito’ de usar armas e falar o que bem der na telha contra mulheres, gays e negros. Todos eles já tiveram algum problema por conta das declarações vergonhosas neste sentido.

No campo dos atores, o maior destaque é do ex-Malhação e atual secretário de Cultura do governo, o ‘eterno garotão’ Mário Frias, que costuma despachar com uma pistola à mostra, numa forma bizarra de intimidação para com os colegas servidores. Mário Frias é o típico artista bolsonarista. Aquele que teve um certo brilho no passado, mas que agora se remoe todo por não fazer mais sucesso, nem ter qualquer brilho talentoso. Só restando o eterno ranço de tudo e de todos, culpando inimigos imaginários para sua própria incompetência artística.

Um capítulo a parte merece a sexagenária e antiga ‘namoradinha do Brasil’, Regina Duarte. Sua passagem pelo governo até hoje faz ruborizar todos os seus parentes. A forma como ela foi desmoralizada pelo presidente foi digna de pena. Nunca na história deste país uma pessoa foi tão humilhada num cargo federal sem qualquer poder e sem qualquer tipo de qualificação. Ficou feio para ela, que foi demitida sumariamente, mas que, infelizmente, não aprendeu nada e continua na vassalagem do inominável.

Não poderia deixar de falar aqui dos jornalistas. Veteranos colegas de profissão que hoje estão resumidos ao ostracismo de não ter a menor credibilidade ao falar, pois estão em desacordo com a realidade, coisa tão importante em se tratando de jornalistas.

O ex-global Alexandre Garcia é o exemplo clássico da decadência profissional. Um negacionista convicto, que defende com unhas e dentes remédios totalmente ineficazes contra a Covid-19, tudo numa tentativa vã de agradar o presidente Bolsonaro. Alexandre que tinha uma certa auréola quando fazia seus comentários no programa Bom Dia Brasil da Rede Globo, agora balbucia palavras tortas num linguajar rasteiro de um bolsonarista senil.

Outra jornalista que também era tida com algum tipo de credibilidade quando comandada o programa ‘Sem Censura’ é Leda Nagle. Ela teve a pachorra de difundir uma grande mentira em suas redes sociais, acusando ministros do Supremo Tribunal Federal e também enlameando a Polícia Federal. Leda até hoje não se recuperou desta presepada.

A lista de abomináveis criaturas que de uma forma ou de outra ajudaram a eleger o que está aí é grande. Provavelmente em outro momento irei fazer outro artigo para enumera-las adequadamente. Por enquanto, fiquem com estas aí.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados