Lideranças femininas se destacam à frente da gestão de unidades da Uncisal

Lideranças femininas se destacam à frente da gestão de unidades da Uncisal

Por Assessoria | Edição do dia 12 de março de 2021
Categoria: Maceió, Notícias | Tags: ,,


Eduardo Almeida, com a colaboração de Ana Paula Tenório, Isis Cardoso e Sílvia Spencer (Foto: Assessoria)

Numa sociedade que insiste em impor barreiras profissionais às mulheres, exercer cargos de liderança pode não ser uma tarefa fácil. Mas, na Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal), elas são maioria e se destacam em suas áreas de atuação, em meio à maior crise de saúde já registrada no século XXI, seja na academia ou na assistência.

São mulheres as gestoras das três unidades assistenciais da Uncisal: a Maternidade Escola Santa Mônica, o Hospital Escola Hélvio Auto e o Hospital Escola Portugal Ramalho. Também compete a elas a liderança no Serviço de Verificação de Óbito, nos dois Centros de Atenção Psicossocial, no Ambulatório de Especialidades (Ambesp), no Centro Especializado em Reabilitação (CER) e no Centro de Diagnóstico por Imagem (Cedim) da Uncisal.

No entanto, engana-se quem pensa que a liderança feminina para por aí. Compete a mulheres a gestão da Escola Técnica de Saúde Professora Valéria Hora, a vice-reitoria e quatro das seis pró-reitorias da Uncisal. Cabe ainda citar que dois Centros de Ensino também são ocupados por mulheres, além de diversos setores dentro da instituição.

Elisângela Sanches, supervisora da Maternidade Escola Santa Mônica, destaca o momento histórico pelo qual passam as unidades da Uncisal. “Eu trago para esse mês da mulher o fato histórico para a Santa Mônica de ter uma direção feminina. Sermos gestoras de uma unidade de alta complexidade como esta nos traz uma cobrança muito maior, mas, como as mulheres sempre lutaram por seus espaços, eu acredito que nós só temos a avançar e a comunidade a receber melhores serviços”, pontua a supervisora.

Para Derivalda Andrade, supervisora do Hospital Escola Portugal Ramalho, as mulheres vêm superando, ano após ano, os limites que um dia foram impostos a elas. “A mulher é forte. Mas, essa luta exigiu planejamento e estratégia, critérios essenciais para a gestão. Como cita Simone de Beauvoir: ‘Que nada nos defina, que nada nos sujeite. Que a liberdade seja a nossa própria substância, já que viver é ser livre’”, observa a gestora.

Rita Rebelo, supervisora do Hospital Escola Helvio Auto, ressalta que a liderança feminina no mercado de trabalho serve de inspiração para que outras mulheres se empoderem. “Quando as mulheres visualizam outras mulheres atuando, em qualquer área e em qualquer instância, elas se sentem estimuladas. Uma serve de exemplo para a outra e isso fortalece a sororidade. Enquanto formos galgando os mais diversos degraus, vamos estimulando as demais”, destaca a gestora.

Porém, para a supervisora do Hospital Escola Helvio Auto, outras questões têm capacidade para influenciar a gestão. “Penso que nossa história de vida, nossos valores, nosso aprendizado é que vão fazer a diferença. Os valores que temos é que guiam nossas atitudes, independente do gênero. Um homem pode ser um gestor acolhedor, empático, carinhoso e justo, assim como também uma mulher pode se diferenciar como gestora pela força, coragem e ousadia. Creio que cada pessoa atuará de acordo com sua formação e as experiências que passou”, completa.

Para a vice-reitora da Uncisal, Ilka Soares, a principal característica da liderança feminina na universidade é a sensibilidade para lidar com os desafios que a gestão impõe. “As mulheres têm essa característica embutida nos seus talentos. Além da capacidade técnica, elas conseguem observar tudo o que está em volta antes de tomar uma decisão e agir com sensibilidade”, explica.

O reitor Henrique Costa destaca que a presença feminina em cargos de liderança não se limita às unidades assistenciais e aproveita para parabenizar as mulheres que compõem a universidade. “A Uncisal não parou no tempo e, seguindo a tendência moderna, as mulheres ocupam cada vez mais espaço. Não apenas nas unidades, mas na gestão central, com a vice-reitora, as pró-reitoras e as lideranças de setores. Há ainda a predominância de professoras, pesquisadoras, estudantes e de profissionais da assistência, que exercem suas funções com grande competência e sensibilidade. Compartilhar o dia a dia com tantas mulheres na Uncisal é motivo de muito orgulho”, finalizou.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados