Itália abole censura no cinema após 100 anos

O decreto que abole definitivamente a possibilidade de censura de obras cinematográficas no país foi assinado nesta segunda-feira (5)

Itália abole censura no cinema após 100 anos

O decreto que abole definitivamente a possibilidade de censura de obras cinematográficas no país foi assinado nesta segunda-feira (5)

Por Isto é | Edição do dia 6 de abril de 2021
Categoria: Cinema, Cultura | Tags: ,,


O ministro da Cultura da Itália, Dario Franceschini, assinou nesta segunda-feira (5) um decreto que abole definitivamente a possibilidade de censura de obras cinematográficas no país, encerrando uma prática que durava havia mais de um século.

O decreto prevê a instituição de uma comissão para classificação etária de filmes no Ministério da Cultura, mas acaba com o mecanismo que permitia ao Estado cobrar alterações ou até mesmo proibir a exibição de obras no cinema.

“Abolida definitivamente a censura cinematográfica”, comentou o ministro Franceschini por meio de um comunicado. O caso de censura mais emblemático na Itália é o do filme “Último Tango em Paris”, controversa obra de Bernardo Bertolucci (1941-2018) lançada em 1972 e que foi banida entre 1976 e 1987.

O longa causou escândalo no mundo todo por causa da cena em que Marlon Brando (1924-2004) usa um pacote de manteiga para estuprar a personagem vivida por Maria Schneider (1952-2011), então com 19 anos. Em entrevista concedida em 2013, Bertolucci admitiu que o detalhe da manteiga havia sido combinado com Brando apenas na manhã do dia da gravação e que a atriz não sabia.

Entre 1944 e 2021, 34.433 filmes passaram pelo crivo das autoridades italianas, sendo que 725 foram vetados e 10.092, quase um terço do total, foram admitidos após modificações. No entanto, o caso mais recente de censura foi o de “Totò che visse due volte” (1998), de Ciprì e Maresco.

A comissão de revisão cinematográfica havia considerado a obra “proibida a todos os públicos” por causa de suas cenas “blasfemas e sacrílegas, repletas de degradação moral”, mas os diretores conseguiram autorização na Justiça para exibi-la.

Daqui para frente, segundo Franceschini, a comissão do Ministério da Cultura vai verificar apenas a correta classificação etária dos filmes por parte de seus distribuidores. “Será uma espécie de auto-regulamentação”, explicou à ANSA Nicola Borrelli, chefe da Direção-Geral de Cinema e Audiovisual da pasta.

As produções poderão ser classificadas como para todos, maiores de seis anos, maiores de 14 anos e menores de 18 anos. Nos dois últimos casos, adolescentes de 12 e 16 anos, respectivamente, poderão assistir aos filmes no cinema se estiverem acompanhados do pai ou da mãe.

A comissão terá mandato de três anos e será formada por 49 membros, incluindo sociólogos, psicólogos, especialistas em cinema, educadores, magistrados, advogados e representantes de associações de pais.

A censura nasceu quase paralelamente à difusão do cinema na Itália, com um decreto real de 31 de maio de 1914, mas seu próprio conceito mudou ao longo dos anos, passando de um severo controle político e social, nos tempos de monarquia e fascismo, para uma revisão cinematográfica, após a instituição da República.

Os mecanismos de avaliação dos filmes também acabavam condicionando as produções, que precisavam afastar quaisquer riscos de censura para obter benefícios fiscais. (ANSA).

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados