, Quinta-Feira - 9 de Abril de 2020

 

Instituto para crianças com Síndrome de Down precisa de doações para construção de nova sede

Gustavo Candido - Estagiário / 8:00 - 23/02/2020

O Amor 21 hoje realiza diversos projetos e busca ampliá-los com o espaço


Família do Elias. Foto: Arquivo Pessoal

Família do Elias. Foto: Arquivo Pessoal

O Instituto Amor 21 está realizando uma campanha de doações com o objetivo de arrecadar fundos para a construção de uma sede na cidade de Maceió. Com os resultados que estão sendo obtidos através da divulgação em diversas formas, com ênfase nas redes sociais, a meta de inaugurar o espaço no dia 21 de março deste ano vai se tornando um sonho cada vez mais próximo. E com isso, uma vida melhor para as crianças com Síndrome de Down que serão atendidas pelo instituto, também.

Tudo começou quando um grupo de pais que cruzaram caminhos nas diversas terapias necessárias na jornada de estimulação precoce da criança que nasce com a deficiência, decidiram se unir para trazer algo que eles acreditavam faltar nos locais por onde passavam: o foco exclusivo na Síndrome de Down.

Atenção exclusiva

Segundo Elias do Nascimento, um dos fundadores da Amor 21, a falta de foco acontece porque há uma dispersão em relação as deficiências tratadas pelos locais de atendimento existentes na capital alagoana. “Nós sentimos que para aquilo que precisávamos, as instituições não eram capacitadas, isso porque eles cuidam de um número muito grande de deficiências, várias deficiências intelectuais, o autismo e tantas outras. E era difícil, é difícil, para um instituto focar apenas em um tipo de deficiência,” ressalta.

Algo importante que é pretendido com o novo espaço é que a autonomia da pessoa com deficiência possa ser desenvolvida através de um tratamento que seja realizado o mais cedo possível. “Nem todas as crianças tem acesso a fisioterapia, terapia ocupacional, psicopedagogo, e outros ambientes terapêuticos. Muitas vezes se demora muito pra começar, muito para estimular e isso tudo traz um pouco mais adiante um prejuízo na autonomia dessas crianças. Então a sede é um pouco disso, ter um local para o pleno desenvolvimento da pessoa com Síndrome de Down,” afirma Elias.

Ele é pai de Ana Gabriela, 8, que possui Síndrome de Down, e conta também que a casa dele chegou a ser sede em certo momento. “Nós formamos um grupo de Whatsapp, foram dez famílias inicialmente, grande parte delas da cidade de Maceió, e decidimos formalizar. Nós fazíamos reuniões na casa de um, na casa de outro. Até pouco tempo atrás, o endereço da Amor 21 era o endereço da minha casa.”

Atualmente, uma casa alugada pelos membros é o lugar em que a nova sede está sendo idealizada. O imóvel está em reformas, e as doações são imprescindíveis para a compra de equipamentos e outros itens importantes.

A motivação que é mais forte do que qualquer dificuldade

Para a presidente do instituto, Neila Sabino, 43, esse projeto tem o poder de tornar potencial em realidade. “Nossa motivação são os nossos filhos. Sabemos que eles tem muitas potencialidades, que se eles tiverem o estímulo correto vão voar, irão desenvolver o que tem de potencial.”

Neila e seu filho, Arthur, de seis anos. Foto: Arquivo Pessoal

Neila e seu filho, Arthur, de seis anos. Foto: Arquivo Pessoal

“A possibilidade de uma vida normal, autônoma e independente tem que ser trabalhada desde o nascimento. A gente trabalha esse conceito em todos os nossos encontros com as famílias, em todas as oportunidades que a gente tem de estar com elas.”

Trabalho que já conta com resultados

O Instituto possui diversos serviços atualmente. No projeto Bem Vindo ao Mundo são realizadas visitas à maternidades e em residências, onde há o suporte desde os primeiros momentos de vida. Além dos bebês, as famílias também recebem suporte. Já no projeto Emprego Apoiado, o objetivo é transformar o mercado de trabalho para a pessoa com a deficiência no estado.

E de certa forma isso vem acontecendo. De acordo com Neila, antes do Emprego Apoiado haviam apenas duas pessoas com Síndrome de Down trabalhando em Alagoas com carteira assinada, número que saltou para 13.

177 famílias fazem parte hoje da Amor 21.

Como ajudar?

E possível ajudar com qualquer valor através da conta na Caixa Econômica Federal de número 4882-0, agência 0840 e operação 003.


Comentar usando