Informalidade atinge recorde em Alagoas e mais 18 estados, diz IBGE

A taxa no mercado de trabalho brasileiro atingiu 41,1%, seu maior nível desde 2016

Por | Edição do dia 14 de fevereiro de 2020
Categoria: Alagoas, Notícias | Tags: ,,,,,,


image_processing20200201-29235-1srnprg

A taxa de informalidade no mercado de trabalho brasileiro atingiu 41,1%, seu maior nível desde 2016, e bateu recorde em 20 unidades federativas do país, informou nesta sexta-feira (14) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O desemprego também caiu em 16 unidades federativas, mas a analista da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), Adriana Beringuy, viu relação entre o aumento da população empregada com a alta na informalidade. “Em praticamente todo o país, quem tem sustentado o crescimento da ocupação é a informalidade”, disse Adriana.

“No Brasil, do acréscimo de 1,819 milhão de pessoas ocupadas, um milhão é de pessoas na condição de trabalhador informal”, apontou a analista.
São considerados informais os trabalhadores sem carteira, trabalhadores domésticos sem carteira, empregador sem CNPJ, conta própria sem CNPJ e trabalhador familiar auxiliar.

 Segundo os dados da Pnad, a informalidade atingiu recordes em Rondônia, Amazonas, Roraima, Pará, Amapá, Tocantins, Piauí, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás e Distrito Federal.

Já a média de desocupação teve queda em 16 unidades federativas, acompanhando o número nacional que caiu de 12,3% em 2018 para 11,9% no ano passado. A população ocupada aumentou 2% no Brasil, totalizando 93,4 milhões de trabalhadores em 2019.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados