Incluindo para “Estudar Lá Fora”

Blog sobre Educação Internacional começará sequência de vídeos com informações em libras

Incluindo para “Estudar Lá Fora”

Blog sobre Educação Internacional começará sequência de vídeos com informações em libras

Por | Edição do dia 23 de fevereiro de 2020
Categoria: Opiniões | Tags: ,,,,,,,,,


Em janeiro de 2018, o jornal “O Dia Alagoas” apresentava seu novo espaço como “uma coluna para abordar e até desmistificar as possibilidades de estudar em escolas e universidades no exterior.” Lembro-me que fui positivamente impactada pois nunca tinha visto meu trabalho como um instrumento de desmistificação. Minha apresentação dava ênfase na democratização das informações e oportunidades internacionais. 

Por outro lado, já faz um certo tempo que venho acompanhando o trabalho de inclusão dos surdos no ambiente acadêmico. Por muitas vezes, fiquei incomodada ao perceber que, apesar de escrever para todos, o público surdo parecia não entender minha mensagem. Fui, então, confrontada com a seguinte informação: libras é a primeira língua dos surdos, e eu falava com eles em português. A descoberta me inspirou a buscar uma forma de ir além do desmistificar-democratizar as informações, e INCLUIR este grupo.

A ponte estará sendo construída no blog “Estudar Lá Fora”, no site “O Dia Mais”, onde terei a felicidade de fazer vídeos informativos (com tradução e interpretação em Libras) com um importante parceiro: Anderson Francisco Vitorino.

Atuei como intérprete de Libras em todas as esferas de ensino durante 15 anos. Há 06 anos, atuo como professor da própria instituição, afirma o professor Professor Assistente Magistério Superior da disciplina (Libras) Língua brasileira de sinais pela (UFAL) da Universidade Federal de Alagoas, no Campus Arapiraca.

Professor Anderson é mestre em Educação pela (UFS) Universidade Federal de Sergipe e suas pesquisas transitam pelas linhas (a) Libras para ouvintes como segunda língua, (b)  ensino da Língua Portuguesa como segunda língua na modalidade escrita para surdos, (c) Libras Educação a Distância, (d) Educação Inclusiva, bem como (f) Linguística.

Coordenador do projeto FLY-LIBRAS (ferramenta digital bilíngue), membro do Projeto de Pesquisa FALIBRAS, sistema tecnológico que faz a tradução da Língua Portuguesa para Libras, ele ainda faz parte do  Núcleo de Estudo, Extensão e Pesquisa em Inclusão Educacional e Tecnologia assistiva (NUPITA/UFS); Núcleo de Estudos e Pesquisas em Interiorização da Língua de Sinais (NEPILS) e Grupo de Estudos em Análise e descrição Linguística (GEADLIn – Universidade de Pernambuco), o professor demonstra que libras permeia sua vida particular e profissional.

“Minha motivação para aprender Libras partiu do pressuposto de observar barreiras da comunicação existentes na minha casa, entre minha irmã (surda) e os demais membros da família, por não haver diálogo em língua de sinais. Pude notar que um simples conversar, que ocorria entre os meus pais e irmãos ouvintes, não acontecia da mesma forma com a minha irmã surda, gerando momentos de tensão. Assim, deu início a minha linda história na Libras”, explica o professor.

Comentando sobre a nova experiência, ele declarou que: “a convite da professora Alyshia Gomes, fico muito feliz em participar como professor/intérprete de Libras, contribuindo para socializar, compartilhar informações acessíveis na Libras que possibilitem comunicação para toda comunidade acadêmica de estudantes surdos.”

Anderson Vitorino

*** Anderson Francisco Vitorino é  Professor Assistente Magistério Superior da disciplina (Libras) Língua brasileira de sinais pela UFAL (Campus Arapiraca) e parceiro no blog “Estudar Lá Fora”. E-mail:  anderson.vitorino@arapiraca.ufal.br .

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados