Histórico de assédio e abuso sexual fragiliza saúde da mulher na meia-idade, mostra estudo

Histórico de assédio e abuso sexual fragiliza saúde da mulher na meia-idade, mostra estudo

Por | Edição do dia 5 de outubro de 2018
Categoria: Notícias, Saúde | Tags: ,,,,,


O abuso e o assédio sexual podem causar traumas duradouros e impactar a saúde física da mulher mesmo anos mais tarde, de acordo com uma nova pesquisa publicada na revista acadêmica JAMA Internal Medicine.

Pressão alta, insônia e depressão são apenas alguns dos problemas encontrados entre mulheres de meia-idade com histórico de assédio ou abuso sexual.

O estudo, conduzido por uma equipe da Universidade de Pittsburg (EUA), incluiu 304 mulheres não fumantes entre 40 e 60 anos de idade. Entre as participantes, 19% relataram histórico de assédio sexual no trabalho e 22% relataram histórico de abuso sexual.

São dados consideravelmente mais baixos do que a taxa nacional. Nos EUA, estima-se que 40% a 75% das mulheres tenham sofrido assédio sexual no trabalho e 36% das mulheres abuso sexual.

Fabio Pagani / Getty Images

Os pesquisadores mediram a pressão arterial dos participantes e levaram em consideração seu histórico médico para medir sua saúde cardíaca, sua qualidade do sono e seu humor.

“Sabemos que o estresse é significativo para a saúde cardiovascular, e assédio e abuso sexual são fortíssimos fatores de estresse para as mulheres. Queríamos entender as implicações dessas experiências”, disse a autora do estudo Rebecca C. Thurston, professora de psiquiatria na Universidade de Pittsburgh.

Os pesquisadores descobriram que mulheres com histórico de assédio sexual tinham pressão arterial mais alta e um sono significativamente pior que mulheres sem esse histórico. O assédio foi associado a uma maior probabilidade de hipertensão e insônia clínica. E mulheres que foram abusadas sexualmente estavam significativamente mais dispostas a terem sintomas de depressão, ansiedade e baixa qualidade do sono.

A pressão arterial elevada é um fator de risco para doenças cardiovasculares e a baixa qualidade do sono, a depressão e a ansiedade também estão associadas a efeitos negativos à saúde física.

Além disso, os pesquisadores descobriram que mulheres mais jovens ou em empregos instáveis estão mais propensas a serem assediadas e que o estresse financeiro pode impedir uma mulher de deixar um trabalho onde haja uma situação abusiva.

Petri Oeschger / Getty Images

“Devido à alta prevalência de assédio e abuso sexual, abordar estas exposições sociais pode ser crucial para promover a saúde e prevenir doenças nas mulheres” escreveram os autores do estudo.

Thurston diz que os médicos devem reconhecer como essas experiências têm implicações na saúde de suas pacientes.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados