Gabinete de Rodrigo Cunha gastou mais de meio milhão de reais com combustíveis

Senador diz ser alvo de ‘fake news’

Gabinete de Rodrigo Cunha gastou mais de meio milhão de reais com combustíveis

Senador diz ser alvo de ‘fake news’

Por Deraldo Francisco Com Agências | Edição do dia 14 de novembro de 2021
Categoria: Alagoas, Política | Tags: ,,,,


Foto: Geraldo Magela/Agência Senado/Arquivo

É verdadeira a informação de que os gastos do Gabinete do Senador Rodrigo Cunha (PSDB/AL) constam no relatório da Operação Tanque Furado, do Instituto Ops (Operação Política Supervisionada). O levantamento foi feito no Senado Federal e o nome do senador alagoano consta entre os dez que mais gastaram dinheiro público com combustíveis no período de fevereiro de 2019 e agosto de 2021. O relatório aponta que o Gabinete de Rodrigo Cunha gastou R$ 544.517,59 com combustível nesse período, mesmo com o deslocamento de “todo mundo” prejudicado pelas medidas sanitárias devido à Pandemia da Covid. O estudo adverte que esses valores estariam sujeitos a alterações, caso ocorresse novos lançamentos durante o período do levantamento.

O relatório ainda aponta que nas notas fiscais auditadas em apenas uma delas há a identificação do consumidor na NFC-e (Nota Fiscal ao Consumidor Eletrônica). Ao todo, foram auditadas e apresentadas no relatório 20 notas fiscais do Gabinete de Cunha. O relatório assinado pelo presidente do Instituto Ops Lúcio Big tem 405 páginas, sendo 13 (382 a 393) destinadas a informações sobre as suspeitas de gasto excessivo de dinheiro público com combustíveis. Para ter acesso ao relatório completo, basta clicar aqui.

Outros nove senadores estão na relação do “top 10” da Tanque Furado. São políticos de vários partidos, inclusive um do Partido dos Trabalhadores (PT/PE). O senador Humberto Costa aparece na quinta colocação do ranking, como tendo gasto R$ 626.741,00 só combustíveis nesse período. Entre os dez senadores mais gastadores de dinheiro público com combustíveis e lubrificantes, Rodrigo Cunha está entre os “mais econômicos”.

A força-tarefa batizada de Operação Tanque Furado, da OPS, analisou notas fiscais de valor igual ou superior a R$ 500 entregues pelos parlamentares em 2019 e 2020 ao Serviço de Gestão da Ceaps, departamento do Senado responsável por autorizar o reembolso da Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar dos Senadores (Ceaps). O resultado foi compilado em relatório ao qual o Congresso em Foco teve acesso com exclusividade.

Este slideshow necessita de JavaScript.

De posse do relatório, o portal Congresso em Foco produziu matéria jornalística com dez senadores gastadores do dinheiro público com combustíveis e, inclusive com o nome de Rodrigo Cunha entre eles. O senador alagoano até respondeu, afirmando que “cumpre com rigor todas as normativas para o uso probo e transparente dos recursos da Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar dos Senadores – CEAPS”.

Rodrigo Cunha também afirmou que falta no próprio sistema “uma janela específica para inserção de dados de identificação de servidor público do Senado”, como existe nos casos de despesas com hospedagens e passagens aéreas. “O gabinete do senador reforça seu compromisso com a transparência total de seu mandato e informa que vai requerer à Mesa Diretora do Senado Federal que aperfeiçoe o sistema administrativo online da Casa, com urgência, para que estes formulários sejam atualizados e para que as informações fiquem integralmente ao pleno alcance da sociedade alagoana e brasileira”, disse o senador por meio da assessoria.

Por mês, cada senador tem direito a uma cota que varia de R$ 21 mil a R$ 44,2 mil, dependendo do estado. Nos dois anos analisados pelo OPS os senadores brasileiros gastaram um total de R$ 2,7 milhões com combustíveis

Senador questiona imprensa alagoana sobre a mesma notícia

Mas, quando a notícia “virou notícia” em Alagoas, o senador esperneou, está no direito dele. Mas, ao invés de responder como ao Portal Congresso em Foco, tratou a imprensa alagoana como provinciana, acusando-a de divulgar “fake news” e de não checar as fontes. Ocorre que, por aqui, assim como lá fora, os jornalistas beberam na mesma fonte: Relatório da Operação Tanque Furado do Instituto Ops. Num vídeo de um minuto o senador Rodrigo Cunha mistura tudo: pesquisa eleitoral com gasto de dinheiro público com combustíveis.

Ele criticou o fato de a imprensa alagoana produzir material jornalístico sobre uma pesquisa de intenção de voto para o Governo do Estado em que ele aparece na liderança. Disse que “alguém” tem interesse nessa pesquisa e na divulgação das matérias. Além disso, criticou a realização de pesquisas sob a alegação de que a eleição será em 2022 e que ainda não seria o momento de “falar em pesquisa”. Todo dia tem pesquisa de intenção e voto na Corrida Presidencial. Alguém precisa dizer para o senador.

Rodrigo Cunha foi eleito com o rótulo de um jovem político promissor, reto, probo e honesto. Neste caso, não basta a intenção: a honestidade deve ser perseguida pelo Gabinete do Senador. Bem como a publicidade de seus atos. Não há notícia falsa nenhuma. O nome do senador Rodrigo Cunha consta na relatório da Operação Tanque Furado do Instituto Ops.

 

A operação identificou brechas nas prestações de contas dos seguintes senadores:

 

  • Chico Rodrigues (DEM-RR)
  • Cid Gomes (PDT-CE)
  • Eliziane Gama (Cidadania-MA)
  • Elmano Ferrer (PP-PI)
  • Humberto Costa (PT-PE)
  • Jarbas Vasconcelos (MDB-PE)
  • Mailza Gomes (PP-AC)
  • Mara Gabrilli (PSDB-SP)
  • Márcio Bittar (MDB-AC)
  • Rodrigo Cunha (PSDB-AL)
  • Sérgio Petecão (PSD-AC)

 

Senador emite nota falando em “fake news”

Diante da repercussão dos fatos divulgados pela auditoria do Instituto OPS, os dados foram contestados pela assessoria do senador, que disse, em nota, se tratar de “fake news”. O trabalho detalhado da auditoria com os números de todos os senadores foi divulgado neste sábado pelo portal Congresso Em Foco.

Íntegra da nota da Assessoria do Senador Rodrigo Cunha

A assessoria do senador Rodrigo Cunha (PSDB) esclarece que é falsa a informação de que o gabinete do parlamentar tenha gasto R$ 500.00,00 em combustível ao longo dos últimos 3 anos. Tal afirmação é inverídica, trata-se de fake news, não condiz com a realidade e pode ser facilmente verificada e contrastada junto aos sistemas de transparência do Senado Federal.

Em verdade, o gabinete do parlamentar destinou para a compra de combustível uma média de R$ 2.006,00 mensais, o que corresponde a R$ 68.235,00 em quase 3 anos de atuação no Senado Federal. Ou seja, o gasto do gabinete do senador com tal compra é 9 vezes menor que o alardeado falsamente e é totalmente compatível com a necessidade do exercício do mandato de Senador da República.

Rodrigo Cunha reitera seu compromisso com a transparência e com a correta aplicação dos recursos públicos. Durante seu mandato, o senador alagoano já economizou mais de R$ 300.00,00 mil reais da Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar. O senador também abriu mão da chamada aposentadoria especial, do famigerado “auxílio paletó” no valor de R$ 33.000,00 e também de quaisquer verbas para auxílio moradia.

Por fim, o senador afirma que “é inadmissível a disseminação de notícias falsas e que buscam manchar a honra de quem atua na política com ética e com compromisso para com o dinheiro público”. Rodrigo Cunha também “repudia o veiculação de fake news e está devotado em fazer exercer a atividade pública com verdade e com trabalho em prol da população”.

 

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados