Ex-ministro do Equador é detido por suposto suborno da Odebrecht

Empresa brasileira teria pago US$ 33,5 milhões a funcionários públicos do país

Ex-ministro do Equador é detido por suposto suborno da Odebrecht

Empresa brasileira teria pago US$ 33,5 milhões a funcionários públicos do país

Por | Edição do dia 23 de abril de 2017
Categoria: Notícias, Política | Tags: ,,


O ex-ministro da Energia do Equador Alecksey Mosquera e um empresário foram detidos em uma investigação sobre supostos subornos de US$ 33,5 milhões pagos pela Odebrecht a funcionários do governo do país. A informação foi divulgada pelo procurador-geral do Equador, Galo Chiriboga, em sua conta oficial no Twitter nesta sexta-feira (21), de acordo com a agência de notícias “AFP”.

“Detidos Alexei M. ex-ministro da Energia, e Marcelo Marcelo E., sócio de empresas, que teriam recebido dinheiro de corrupção”, escreveu o procurador-geral.

A Procuradoria-Geral destacou que a audiência para apresentar as acusações deve acontecer neste sábado, sem revelar detalhes sobre os supostos crimes. Essa é a primeira prisão do inquérito que tenta esclarecer o escândalo de corrupção da Odebrecht no país.

Alecksey Mosquera foi ministro da Energia entre 2007 e 2009 no governo do presidente socialista Rafael Correa. De acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a Odebrecht pagou entre 2007 e 2016 cerca de US$ 33,5 milhões a funcionários do Equador, e encontrou problemas com a aprovação de projetos em 2007 e 2008. O presidente Rafael Correa expulsou a gigante brasileira em 2008 por irregularidades na construção de uma usina hidrelétrica. Após um acordo, a Odebrecht retornou em 2010 para o Equador.

Odebrecht e sua filial Braskem concordaram em pagar multas de US$ 3,5 bilhões para os Estados Unidos, Suíça e Brasil por seu sistema de propinas.

Em março, a justiça equatoriana bloqueou pagamentos de US$ 40 milhões devidos à Odebrecht para garantir uma indenização pela construtora ao país, ao mesmo tempo que proibiu temporariamente que as instituições estatais assinem contratos com a empresa brasileira.

O Brasil entregará ao Equador dados sobre os supostos subornos a partir de junho, após o fim do prazo do sigilo judicial com a Odebrecht, de acordo com o procurador-geral.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados