Boa Noite!, Sexta-Feira - 6 de Dezembro de 2019

 

Estudantes desenvolvem aplicativo de conscientização ambiental

Agência Alagoas / 11:55 - 13/12/2018

Aplicativo Pense Verde foi criado por aluno da Escola Estadual Senador Rui Palmeira de Arapiraca e, em breve, estará no Google Play


aplicativo_pense_verde_foi_apresentado_durante_a_exposinte_em_novembro_fotos_jose_demetrio_20181213_2049012274

Estudantes arapiraquenses desenvolveram um aplicativo de celular para conscientizar seus colegas sobre a importância da preservação ambiental. O aplicativo Pense Verde é um projeto de autoria de alunos do ensino integral da Escola Estadual Senador Rui Palmeira (Premen) e foi apresentado durante a ExposINTE, em novembro. Na ocasião, a mostra trouxe os trabalhos e ações desenvolvidas no decorrer do ano.

O projeto nasceu a partir da disciplina eletiva de Tecnologias Educacionais e visa fomentar uma nova postura entre os alunos da escola, conforme observa a professora e idealizadora Sandileide Ribeiro. “Com esse aplicativo, queremos conscientizar os estudantes sobre a importância da preservação ambiental e de atos simples como jogar o lixo no local certo. A ideia é estimular uma postura sustentável”, explica a professora.

O estudante Gustavo Brito, um dos desenvolvedores da tecnologia, enumera os conteúdos disponíveis no aplicativo. “Temos dicas sobre reciclagem, quiz com perguntas, vídeos. Nossa meta agora é disponibilizá-lo no Google Play”, avisa o garoto, referindo-se à loja oficial de aplicativos do Sistema Android.

O aplicativo já chama atenção fora de Alagoas, tendo sido inscrito na Olimpíada Nacional de Aplicativos (Onda), iniciativa da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UEGRS), que estimula estudantes do ensino médio da rede pública a desenvolverem tecnologias para a transformação social e ambiental.

Protagonismo

A diretora-adjunta Valéria Santos comemora os resultados alcançados pelo aplicativo e destaca como o ensino integral permite ao aluno ter um aprendizado mais amplo e desenvolver projetos diferenciados.

“O ensino integral é o futuro. Aqui o aluno pode ser o que quiser e vale a pena investir em uma modalidade onde, após três anos, ele sairá com uma formação diferenciada”, avalia Valéria, informando que, para o próximo ano letivo, a escola pretende dobrar o seu número de turmas para a 1ª série do ensino integral.


Comentar usando