Em depoimento para a série Um Certo Alguém, no site do Itaú Cultural, Elza Soares diz que sonha com um futuro onde todo mundo sorria de verdade

A cantora é a nova convidada da série de entrevistas publicadas com personalidades do meio artístico e cultural para responder quatro perguntas de cunho pessoal. As respostas de Elza a situam no presente e entre os seus desejos e memórias

Por Assessoria | Edição do dia 2 de julho de 2020
Categoria: Cultura


Elza Soares é a nova entrevistada de Um Certo Alguém, série de depoimentos veiculados em www.itaucultural.org.br. No dia 2 (quinta-feira), às 13h, o site do Itaú Cultural apresenta a terceira entrevista com reflexões da cantora, que mais do que um ícone da cultura brasileira, sendo mulher e negra, dá voz à maior parte da população do país. Como ela mesma define: “Elza é esperança”. Na próxima semana é a vez da cantora Letrux responder às quatro perguntas feitas pelo Núcleo de Comunicação da instituição, que idealizou o projeto. Antes delas, o cantor e compositor Tom Zé abriu a série, seguido da escritora Natalia Borges Polesso.

Cantora do milênio, como a elegeu a BBC de Londres na virada para os anos 2000, ela tem saudades musicais de sua longa trajetória, não somente de carreira, mas de vida, tendo completado 90 anos de idade na última semana. A Mulher do Fim do Mundo, Deus é Mulher e Planeta Fome são alguns dos títulos citados pela artista com esse carinho nostálgico. Com eles, Elza acessou multidões e fez ecoar lutas políticas, sociais e identitárias, as quais vive na pele desde que nasceu.  “É uma saudade boa”, identifica ela.

A voz polifônica de Elza, reverbera até nas questões mais simples. O que ela mais quer nesse momento, é o desejo de muitos: o fim da pandemia. “Espero que as pessoas tenham aprendido e se conscientizado politicamente sobre muita coisa”, diz. Com muitos altos e baixos na vida, ela, que é a própria mulher no fim do mundo, depois de nove décadas de luta, tem um desejo para o futuro que transborda generosidade: “que seja diferente do que passei ontem ou no mês passado. Que seja tudo muito ensolarado, com o povo mais feliz, mais consciente. A gente sorrindo de verdade.” Aos seus próprios olhos, ela é a mesma incansável guerreira da felicidade que se nota nos palcos. “Elza Soares é a mesma de sempre, não muda. Ela é isso: esperança, certeza de um amanhã melhor, de vida feliz, do povo com um sorriso de canto a canto”, diz sobre si mesma.

Com a programação suspensa desde o dia 17 de março em razão da pandemia do novo coronavírus, a organização tem intensificado a produção de materiais e conteúdos pensados para toda a família, ampliando a produção de conteúdo para diversos públicos, como podcasts, cursos de EAD e vídeos, no site e redes sociais da instituição e na Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. Para acessar: www.itaucultural.org.br.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados