Doenças das vias biliares e pancreáticas são avaliadas com exame de CPRE

Em julho, grupo da Santa Casa de Maceió realizou 27 destes procedimentos; instituição é a única no estado que atende paciente SUS

Por Assessoria | Edição do dia 17 de agosto de 2020
Categoria: Notícias, Saúde | Tags: ,,,


Foto: Reprodução

Colangiopancreatografia Retrógrada Endoscópica (CPRE). O nome é complicado, mas refere-se a um procedimento invasivo realizado para o diagnóstico e tratamento das doenças das vias biliares e pancreáticas, como cálculos biliares, cistos de colédoco, entre outros problemas. Esta técnica tem a vantagem de permitir, numa mesma sessão, extrair cálculos, executar dilatações do canal com balão ou colocar uma prótese. Na Santa Casa de Maceió, mesmo durante a pandemia no novo coronavírus (Covid-19), o exame tem sido realizado diariamente, por se tratar, em sua maioria, de uma intervenção de urgência.

Com a diminuição dos casos de internação em razão da doença, as endoscopias e colonoscopias de rotina voltaram a ser realizadas no hospital. “Seguindo a orientação dos órgãos governamentais e da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (SOBED), retomamos em julho os exames eletivos com hora marcada e cumprindo todos os requisitos de Endoscopia segura. A retomada é necessária, devido o número de patologias digestivas crescente a cada ano, principalmente as neoplasias”, explicou o gastroenterologista Carlos Amaral.

Em julho, 27 CPREs foram realizadas pelo grupo da Santa Casa de Maceió formado pelos especialistas Carlos Amaral, Daniel Pacheco da Costa, Leandro Valério Batista, Tiago Torres Melo e Anderson Cavalcante. “A Santa Casa de Maceió é o único lugar em Alagoas que faz esse procedimento pelo SUS. A instituição cresce a cada ano, acompanhando a demanda do nosso Estado. Os profissionais são altamente capacitados e treinados, e em contínua atualização científica. Todos com título de Especialista e com formação em grandes centros do Brasil e do mundo. Os maiores desafios são a atualização tecnológica e científica. A cada ano surgem novas tecnologias e técnicas que facilitam e favorecem o alcance do diagnóstico precoce. Em breve, a instituição vai renovar seu arsenal tecnológico e ampliar o serviço de Endoscopia, que já é considerado um dos maiores do Estado”, destacou o especialista.

A CPRE é indicada para cálculos (pedras) nas vias biliares, com ou sem infecção associada (colangite), cistos de colédoco, tumores pancreáticos ou das vias biliares (colangiocarcinomas), tumores da papila duodenal maior, estreitamentos das vias pancreáticas, lesões suspeitas ou confirmadas das vias biliares decorrentes de cirurgias nesta região, e também na suspeita de hipertonia do esfíncter de Oddi, com alteração de exames laboratoriais e/ou de imagem.

Em mais de 90% dos casos, o paciente fica internado por 24 horas

Por ser um exame de grande complexidade, é realizada no centro cirúrgico, sob anestesia geral ou sedação profunda. O endoscopista introduz, pela boca até a segunda porção duodenal, um aparelho flexível com iluminação lateral que permite a introdução de um cateter plástico pelo orifício de abertura desses canais (papila duodenal ou de Vater) com o objetivo de avaliar radiologicamente a anatomia das vias biliares e do ducto de Wirsung, pela administração de contraste radiopaco pelo cateter injetor seguida de radiografias seriadas do abdômen.
Durante o exame, as imagens radiológicas são interpretadas pelo médico endoscopista, que a depender do diagnóstico realizado, poderá realizar complementação terapêutica (tratamento), incluindo papilotomia (secção longitudinal da papila com bisturi elétrico ou papilótomo); retirada de cálculos por balão extrator ou cesta tipo basket; drenagem de estenoses (estreitamentos) inflamatórias ou tumorais por dilatação com sonda ou por colocação de prótese endoscópica.

“Após o procedimento, o paciente fica em observação hospitalar. Em mais de 90% dos casos o paciente fica internado apenas por 24 horas, mas, caso seja necessário, ele pode ficar em observação até pelo menos a manhã seguinte”, explicou Carlos Amaral.

SEGURANÇA – Para a segurança das cirurgias, o paciente precisa ficar em quarentena e, caso seja necessário, realizar o teste do novo coronavírus. O hospital também dispõe de um checklist no pré-operatório que é aplicado durante a marcação cirúrgica. Nele, o paciente é perguntado se ele ou alguém da família teve algum sintoma de covid-19. Ao dar entrada no hospital, a enfermagem segue gerenciamento de risco. O paciente é acompanhado até o 14º dia após a cirurgia.

Requisitos para realização do exame:
• O paciente deverá cumprir um jejum absoluto de pelo menos 8 horas, previamente à realização do procedimento, até de água.

• Medicações anticoagulantes, caso o paciente faça uso, deverão ser suspensas conforme orientação do cardiologista, ou do médico que tenha prescrito essa (s) medicação (ões).

• O paciente deverá realizar um Risco Cirúrgico com o médico Cardiologista, e uma avaliação pré-anestésica com o médico Anestesista, previamente à realização do procedimento.

• Todos os exames prévios recentes (exames laboratoriais, ultrassom, tomografia, ressonância, etc.), bem como o Risco Cirúrgico e a avaliação pré-anestésica, deverão ser trazidos para a análise das Equipes de Endoscopia e de Anestesiologia, responsáveis pela realização do procedimento.

• O Termo de Consentimento Livre e Esclarecido deverá estar devidamente preenchido e assinado, ou não será possível a realização do procedimento.

• O paciente deverá estar acompanhado de um adulto, o qual o acompanhará até o momento da alta hospitalar.

Preparação:
• Deve-se interromper o uso de anti-agregantes plaquetários: aspirina (AAS) ou clopidogrel por 7 dias antes do procedimento.
• Caso o paciente necessite do uso contínuo de anti-agregantes plaquetários ou adicionalmente faça uso de anticoagulantes, seu médico assistente deve orientar e autorizar sua interrupção.
• Para realização do exame é necessário que seu estômago esteja vazio.
• O paciente deverá permanecer em jejum completo por no mínimo 8 horas.
• O consentimento informado e consulta pré-anestésica são obrigatórios.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados