Desafios dos times alagoanos na difícil disputa da Série D

Coruripe e Jaciobá fazem campanhas distintas na corrida pelo acesso à Terceira Divisão do Campeonato Brasileiro

Por Thiago Luiz | Edição do dia 19 de outubro de 2020
Categoria: Esportes, Futebol Alagoano | Tags: ,,


Times alagoanos entram na luta para tentar o acesso. Foto: Carlos Azevedo/Ascom Coruripe

Disputar uma competição de nível nacional não é uma tarefa fácil. E pode ser ainda mais complicado quando não se tem muito recurso disponível para investir em elenco e demais gastos que o Brasileirão exige. Esse é o cenário para uma grande parte dos clubes brasileiros que jogam as divisões “menos luxuosas” como a Série C e D. Em ano de pandemia, essas equipes, geralmente do interior dos estados, que têm como patrocinadores as prefeituras de suas cidades, viram as receitas ficarem ainda mais escassas. Em Alagoas, Coruripe e Jaciobá entraram com a cara e a coragem para tentar a sorte na Quarta Divisão.

Mas para brigar pelo acesso à Série C, os dois clubes precisam muito mais do que uma boa campanha. Isso porque, mesmo que na última divisão do Campeonato Brasileiro, lá ainda existe a disparidade financeira entre os times de menor expressão em relação a equipes tradicionais como os dois grandes de Natal: ABC e América. O alvinegro potiguar inclusive está no grupo 4, onde também estão os alagoanos.

Apesar das dificuldades enfrentadas, o Hulk tem um bom desempenho neste início de competição. Começou mal, perdendo para o Vitória da Conquista, líder da chave. Mas logo em seguida conseguiu a recuperação diante do Potiguar de Mossoró. Tropeçou de novo diante do Itabaiana e emplacou uma sequência de bons resultados: venceu o Freipaulsitano, empatou com o Jaciobá e bateu o ABC por 1 a 0 no Gérson Amaral. Com 10 pontos conquistados, o Coruripe é o vice-líder do seu grupo, atrás apenas do Vitória da Conquista, com a mesma pontuação, mas à frente pelos critérios de desempate.

Já o Jaciobá não vive um bom momento. Além das dificuldades financeiras, o time de Pão de Açúcar ainda não conseguiu vencer na Série D. Empatou na estreia com o Central na estreia. Na segunda rodada foi goleado pelo ABC por 7 a 0. Perdeu para o Freipaulistano por 3 a 0, empatou com o Itabaiana, com o Coruripe e perdeu para o Potiguar de Mossoró por 3 a 2 na sexta rodada. Com os resultados, é o lanterna do grupo com apenas três pontos conquistados.

Mesmo diante desse cenário, o presidente do Jaciobá, Lucilo Brandão, demonstrou otimismo para a disputa da competição: “Entramos com pouquíssimos recursos, apenas com o apoio de alguns parceiros e de uma agência de consultoria esportiva. Nós estamos numa disputa financeira desigual. 2020 tem sido um ano muito difícil, porque afastou os patrocinadores. Mesmo assim, vamos lutar com afinco para conquistar a classificação”.

E como reflexo do tradicionalismo e do poder de investimento, o ABC é o terceiro colocado do Grupo 4, atrás do Coruripe, com duas vitórias, três empates, uma derrota e nove pontos conquistados. Já o América é o líder do Grupo 3, com 11 pontos conquistados em três vitórias, dois empates e uma derrota.

O presidente do Hulk, Francisco Luiz, falou sobre as dificuldades financeiras, mas afirmou que com o pouco recurso que entra está conseguindo manter o clube: “Estamos conseguindo trabalhar na medida do possível, porque o Coruripe é mais um sobrevivente em meio à pandemia da Covid-19. Os nossos patrocinadores estão nos ajudando com o máximo que podem. Não é muito, mas é o suficiente para a gente respirar e correr atrás. Essa é a lei da sobrevivência”.

E em Coruripe, nada de pensar pequeno. “O nosso objetivo é conseguir a classificação. Temos um grupo considerado pequeno, mas que se torna grande. Os jogadores estão honrando a camisa do clube e a diretoria tem cumprido os compromissos que assume. Vamos brigar contra gigantes, mas nada é impossível quando se tem os pés no chão e a cabeça erguida”, completou o presidente.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados