Depois de audiência com o MPT rodoviários de Maceió desistem da greve

Ministério Público do Trabalho assegurou que os pedidos dos motoristas seriam atendidos

Depois de audiência com o MPT rodoviários de Maceió desistem da greve

Ministério Público do Trabalho assegurou que os pedidos dos motoristas seriam atendidos

Por Thatyana Ferreira - estagiária sob supervisão | Edição do dia 3 de fevereiro de 2021
Categoria: Maceió, Notícias | Tags: ,,,


O Ministério Público do Trabalho (MPT) realizou uma reunião com com representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários (Sinttro/AL) e do Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros (Sinturb/MAC), nesta terça-feira (02). A intenção da audiência foi buscar soluções para os pedidos dos rodoviários de Maceió e evitar a greve.

Foto: Almir Custódio de Melo

Representantes da Prefeitura e da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) também participaram da reunião de mediação. A ameaça de greve dos transportes coletivos surgiu devido ao reajuste salarial e cancelamento dos planos de saúde e tickets-alimentação dos motoristas. 

Aceitando o pedido de trégua das empresas, os rodoviários adiaram a paralisação e uma nova reunião será feita às 9h da próxima quarta-feira (10), de maneira telepresencial para reavaliar a situação e decidir se haverá ou não uma greve.

Luiz Felipe dos Anjos, procurador do MPT que estava na reunião, afirmou que as empresas deveriam continuar pagando não somente os planos de saúde como o ticket-alimentação dos funcionários, pelo menos num período de até 45 dias. Esse prazo se deve a um estudo que está sendo promovido pelo município, que visa equilibrar o sistema de transporte público da cidade. 

“O transporte coletivo é regulamentado pela SMTT e pela Prefeitura de Maceió. Há compromissos a serem cumpridos pelas empresas, por isso a importância de chamar os entes públicos para que possamos chegar a um denominador comum sobre uma prestação de serviço adequada e que não gere prejuízos a serem suportados pelos trabalhadores”, afirmou o procurador.

Rafael Gazzaneo, o procurador chefe, defendeu a preservação dos direitos discutidos na audiência, e explicou que a retirada desses benefícios pode acarretar em despesas extras aos trabalhadores. 

“São direitos históricos e que foram conquistados em prejuízo de diversos reajustes à época da sua concessão. O que propomos à categoria dos trabalhadores é o adiamento do movimento paredista em uma semana, considerando que o prejuízo concreto para a categoria iniciaria após o décimo dia útil”, concluiu Gazzaneo.

Segundo Sinturb, o único quesito a ser negociado é que haja o cumprimento do que está previsto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). O representante das empresas de transporte coletivo acredita que a única maneira de preservar os direitos dos rodoviários é se a Maceió oferecer apoio financeiro às empresas.

O Município informou que as empresas vêm recebendo subsídio desde dezembro de 2020. Partindo de mecanismos de compensação do ISS. Ainda segundo o município, não é possível o oferecimento de qualquer outro subsídio, mas que alternativas estão sendo estudadas.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados