De “bike” até Juazeiro do Norte

Um grupo de ciclistas que pedala por prazer

Por | Edição do dia 5 de janeiro de 2016
Categoria: Artigos | Tags: ,,


IMG_7178

Grupo de ciclistas que pedalam por prazer (Foto: Danielle Henrique)

O grupo “Bikers” começou sua história querendo trazer o cicloturismo para Alagoas. Como primeira meta a ser alcançada, eles realizaram na madrugada do dia 3 de janeiro, sua primeira viagem rumo à Juazeiro do Norte, Ceará. Mas aqui não se trata de romaria ao Padre Cícero, cada um tem sua crença, mas todos com um objetivo em comum: conhecer novos lugares e ser feliz com o prazer de pedalar.

Adriana Simões, Lucivaldo Oliveira, Wellington Mamed, Moacir Rozendo, Thyago Pereira e Wilson Henrique, nas faixas etárias de 29 a 55 anos, vão se aventurar, numa primeira experiência em grupo, nas estradas que passarão por Alagoas, Pernambuco e Ceará. Sem carro de apoio, serão gastos em média 650km para ir e voltar, com no máximo de 200km pedalados por dia. Haja resistência.

Por que pedalar?

Situações diversas levaram essas pessoas a encontrarem no ciclismo um motivo a mais para viver. Lucivaldo se livrou do alcoolismo e está a dez anos “limpo”, Wilson é diabético e cardiopata, mas o esporte reconfigurou para melhor seu cotidiano. “[o ciclismo] nos trouxe um novo bem estar pra nossa vida, um novo entendimento, que a vida vale mais em ser vivida”.

O grupo realizou várias reuniões de preparação

Tudo foi pensando estrategicamente em reuniões do grupo. Nelas, foram decididos os mínimos detalhes necessários para uma viagem como essa. Lucivaldo Oliveira, o mais experiente da turma, esclarece a importância desses planejamentos para a segurança dos ciclistas. “Na BR os cuidados são maiores. É preciso ter atenção, união e um mesmo pensamento de todos. Não pode haver divisão, porque senão, estraga tudo”, ensina.

Além disso, é necessário que os atletas possuam um bom condicionamento físico para conseguir ultrapassar os obstáculos das trilhas, já que terão que carregar mochilas com ferramentas, barracas, alimentos e roupas, mas tudo o mínimo possível, com uma carga de no máximo sete quilos. A resistência e os ensinamentos do pedal foram alcançados no dia a dia, com garra, em pedaladas que acontecem tanto na Orla Marítima, quanto em cidades mais próximas de Maceió.

Para acrescentar, Adriana Simões, única mulher no grupo dos viajantes, revela que “a gente aprende com os professores, um dia somos alunos e no outro somos professores”, para ela, chegar ao seu limite não significa nada, porque sabe que pode ir muito além. E tudo funciona assim, como uma grande família, todos com suas particularidades, mas unidos por um bem comum, que é transformar o esporte num estilo de vida. E dos bons.

“Objetivo e determinação”

A principal patrocinadora e apoiadora do grupo para esta viagem é a determinação. Isso porque patrocínio para o esporte em Alagoas é difícil. Charles Chaplin, que não vai para a viagem, mas também faz parte dos “Bikers”, revelou que “cada um se dedicou ao máximo para poder realizar esse sonho, e é assim, com a cara e a coragem”.

Questionados sobre o principal objetivo da viagem, todos são incisivos ao revelarem a força que juntos eles têm. “O limite é uma barreira criada pela mente e é isso que pode desmotivar”, ou ainda, “é um desafio e o prazer de pedalar”. As estradas e trilhas desse Brasil que se cuidem, porque outra viagem já está sendo pensada pelo grupo, por elas passarão esses atletas e trabalhadores, perseguidores dos caminhos que levam, sobretudo, à felicidade.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados