Eduardo Cunha pode ter grampeado Michel Temer

Às vésperas da votação do impeachment de Dilma Rousseff, o presidente interino teme ser a próxima vítima de Eduardo Cunha

Eduardo Cunha pode ter grampeado Michel Temer

Às vésperas da votação do impeachment de Dilma Rousseff, o presidente interino teme ser a próxima vítima de Eduardo Cunha

Por | Edição do dia 24 de julho de 2016
Categoria: Notícias, Política | Tags: ,,,


Velhos aliados, Temer e Cunha parecem ter chegado ao fim da relação amigável (Foto: Época Negócios)

Velhos aliados, Temer e Cunha parecem ter chegado ao fim da relação amigável (Foto: Época Negócios)

Uma reportagem da revista Carta Capital, do jornalista André Barrocal, publicada neste fim de semana, revela que o interino Michel Temer pode ter sido grampeado pelo deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na reunião fora da agenda que ambos tiveram no Palácio do Jaburu.

No encontro, Cunha teria lembrado Temer sobre “antigas parcerias”, citando a Lei dos Portos, votada em 2013 depois que o deputado conseguiu incluir um trecho que favoreceria o grupo Libra, que atua em Santos.

Depois disso, a Libra doou R$ 1 milhão para Temer – “dinheiro recebido pelo peemedebista em uma empresa aberta por ele para gerenciar recursos que repassaria a candidatos amigos.”

Na conversa, Temer teria percebido a armadilha e, por isso, estaria tenso, às vésperas do impeachment.  “Ao sentir que poderia cair numa arapuca, o presidente em exercício teria reagido aos gritos com Cunha, no relato de uma pessoa ligada a Temer. Teria o deputado afastado gravado o interino em alguma outra oportunidade?”, questiona a reportagem.

Barrocal lembra, ainda, que Cunha conseguiu mudar a lei para favorecer o grupo Libra. “A versão original da lei, proposta por medida provisória, proibia a renovação de contratos de arrendamento por terminais inadimplentes com o poder público. Era o caso de Libra, que há anos tenta na Justiça rever seu contrato com a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), um feudo político de Temer. Uma dívida bilionária, em valores atuais”, diz ele. “Graças a Cunha, a Câmara inseriu na Lei um dispositivo que retirava o veto à renovação de contratos por inadimplentes. Mais: incluiu a possibilidade de litígios contratuais serem resolvidos em comissão de arbitragem, ou seja, longe dos tribunais, com membros indicados pelas partes.”

Derrubar dois presidentes

A história relatada pela reportagem dá mais credibilidade a outra informação trazida em reportagens este fim de semana, desta vez pela Revista Veja. Uma nota publicada na coluna Radar, assinada pelo jornalista Maurício Lima, informa que Eduardo Cunha estaria se preparando para detonar o aliado Michel Temer. Eis o que diz o texto:

Ameaça retumbante

Um interlocutor de Eduardo Cunha saiu apavorado de uma conversa recente com o político. Bem ao seu estilo, em que recobre a megalomania com tonitruâncias, o ex-presidente da Câmara soltou uma ameaça retumbante: “Ficarei conhecido por derrubar dois presidentes do Brasil”.

 

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados