Covid-19: após mais de um mês internado na UTI do Hospital Maceió, delegado aposentado da Polícia Civil recebe alta e emociona equipe médica

Maurício Duarte foi homenageado pela rede Hapvida ao som de saxofone: “renasci”, afirma

Por Assessoria | Edição do dia 29 de agosto de 2020
Categoria: Notícias, Saúde


Os preparativos para a alta do paciente Maurício Henrique Duarte começaram logo cedo no Hospital Maceió, da rede Hapvida, na manhã desta sexta-feira (28). O delegado aposentado da Polícia Civil passou mais de um mês internado na UTI após ser infectado pelo novo coronavírus.

Depois de lutar pela vida e passar 20 dias respirando com a ajuda de aparelhos e diálises, ele finalmente deixou o hospital e comemorou a alta em grande estilo. O corredor do hospital ficou repleto de balões coloridos, muitas câmeras, flashes e uma atração especial: o som do saxofone.

Dr. Simão Pedro, diretor médico do Hospital Maceió, colocou o seu talento à prova e emocionou pacientes, familiares e toda a equipe médica ao tocar a música “Heaven”, de Bry Adams. “Eu estava de plantão na UTI no dia que o Maurício chegou. Eu falei para ele que ia sedá-lo, mas que ele acordaria. Foi o que aconteceu. Estamos muito felizes com a sua recuperação”, afirma.

Segundo o médico, Maurício teve uma recuperação digna de um verdadeiro milagre. Depois que acordou da sedação, o delegado aposentado diz ter conhecido uma nova família. Para Maurício, o momento ficará marcado para sempre, principalmente cada gesto de apoio e dedicação dos profissionais do Hospital Maceió.

“Essa surpresa me tocou muito, não só pela equipe médica, mas pelas pessoas que ficaram perto de mim no hospital. A harmonia de vocês é tão grande que me senti fortalecido, é fantástico”, comentou emocionado.

Do outro lado: a família

Do lado de fora, o paciente foi recebido com aplausos e muita alegria por policias civis e amigos que fizeram questão de fazer uma oração como forma de abençoar o novo ciclo de vida que ele agora inicia.

Ao relembrar da difícil trajetória do marido, a jornalista Gracinha Souza conta que nunca imaginou que alguém da família pudesse contrair o vírus. “O que nos confortou foi a gente ter esse plano de saúde. Sempre fomos muito bem atendidos. Ele não podia ficar sem oxigênio por menos de um minuto e toda equipe foi muito ágil”, lembra ela, agradecida.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados