Compartilhando experiências internacionais: China como destino

Por | Edição do dia 18 de agosto de 2019
Categoria: Opiniões | Tags: ,,,,


Morar e estudar fora do seu país de origem é sempre uma experiência enriquecedora. No meu caso, tive a experiência de morar durante três na Ásia, inicialmente na Malásia, onde estudei durante quatro meses numa escola de idiomas para aperfeiçoar o meu inglês e depois na China, na cidade de Chengdu, onde durante dois anos e meio estudei na Universidade Estadual de Sichuan o curso de mandarim. 

É interessante que todos ficam admirados com a escolha da língua, pela dificuldade de estudá-la, mas na verdade a minha escolha não se deu pelo idioma, inicialmente, mas pelo país em si. Na verdade, minha ida para China foi para participar de um projeto missionário, contudo enquanto estive naquele país o estudo do idioma local numa universidade fez parte do meu dia a dia.

Aprender uma nova língua e estudar numa Universidade fora do Brasil vai além de questões acadêmicas. Para se falar bem uma língua é preciso se familiarizar com sua dinâmica, e para isso é essencial conhecer e vivenciar a cultura na qual aquela língua se desenvolveu. Por isso, enquanto estive na China, aproveitei várias matérias eletivas que a Universidade oferecia, como Caligrafia, Cultura Chinesa, Literatura Chinesa e tudo aquilo que me ajudaria a conhecer mais sobre aquele povo e consequentemente aprender seu idioma.

Isso me permitiu não apenas aprender um novo idioma, com também abrir meus olhos e mente para uma realidade totalmente nova, uma maneira incrivelmente diferente de ver o mundo, se comparado com o olhar ocidental, o que trouxe influências hoje até mesmo para meu comportamento, meu paladar, e a forma de encarar algumas coisas do meu dia a dia. Passei por exemplo a comer menos sal e açúcar, assim como a tomar mais água na temperatura natural, ou mesmo quente quando estou resfriado, pois dentro da filosofia local isso ajuda a manter o “qi”, a temperatura corporal e acelerar o processo de recuperação de uma doença.

Outro benefício especial para quem estuda fora é a oportunidade de conhecer pessoas e fazer amizades com estrangeiros das mais diferentes localidades. Isto me permitiu aperfeiçoar ainda mais o meu inglês, aprender palavras e expressões em outras línguas, conhecer outras culturas e maneiras de ver o mundo, e com isso vamos aos poucos sendo transformados por esses contatos e experiências. Viver e estudar em outro país nos ajuda ainda a desenvolver a empatia, pois aprendemos a enxergar a realidade a partir de pontos de vistas bem diferentes, nos ajuda a sermos mais humanos, menos preconceituosos, e sair da nossa caixinha e zona de conforto, nos tornando verdadeiros cidadãos do mundo. 

**** Farley Monteiro Filho – Pastor, Psicólogo e Professor de Inglês e Chinês.

 

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados