Centro de Cultura do TJAL é inaugurado hoje às 19h com transmissão pelas redes sociais

Estrutura multimídia vai possibilitar viagem interativa pela história da Justiça alagoana

Centro de Cultura do TJAL é inaugurado hoje às 19h com transmissão pelas redes sociais

Estrutura multimídia vai possibilitar viagem interativa pela história da Justiça alagoana

Por Dicom TJAL | Edição do dia 13 de janeiro de 2021
Categoria: Cultura | Tags: ,


O presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL), Tutmés Airan, inaugura nesta quarta-feira (13), às 19h, o Centro de Cultura e Memória do Poder Judiciário, que funcionará no prédio centenário, na Praça Marechal Deodoro, em Maceió. O evento seguirá protocolo de segurança e distanciamento social e também poderá ser acompanhado pelo Youtube e Instagram do TJAL.
Ao ingressarem no Centro de Cultura e Memória do Judiciário, os visitantes encontrarão informações sobre a instalação da Corte e a construção do Palácio da Justiça, projetado pelo arquiteto italiano Luigi Lucarini e inaugurado em 1912. Há uma maquete em 3D do prédio, com conteúdos ativados de forma interativa. É a primeira vez que uma tecnologia como essa é usada em um museu de Alagoas.

Arte: Dicom/ TJAL

Selfies com personagens históricos
Totens multimídia oferecerão aos visitantes a possibilidade de consulta a fotos antigas, íntegra de processos raros e vídeos de entrevistas com estudiosos e pesquisadores do Judiciário. Um dos equipamentos permite que sejam feitas selfies com personagens históricos.
“Temos um acervo interessantíssimo que poderá ser acessado pela população alagoana e pelos turistas também. Essa é uma obra que veio para ficar e que permite um passeio interativo por alguns dos fatos mais importantes da história de Alagoas”, comentou o presidente Tutmés Airan.
O Quebra do Xangô registrado em 1912, quando houve invasão de terreiros de religião afrodescendente e prisão de líderes religiosos, é um dos acontecimentos relembrados pelo acervo do Centro de Memória.
Desdobramentos jurídicos emblemáticos
O Centro de Cultura e Memória reúne ainda documentos e fotografias que contam um pouco dos mais de 300 anos de história da Justiça alagoana. Os visitantes podem conhecer desdobramentos jurídicos de casos emblemáticos na história de Alagoas, como o assassinato de Delmiro Gouveia (1917) e o impeachment do governador Muniz Falcão (1957).
Para o presidente do TJAL, os museus e centros de memória têm como objetivo transformar acontecimentos relevantes em inesquecíveis. “Também fazem com que esses acontecimentos sejam fontes de aprendizado, para que a sociedade reflita sobre seus erros e acertos”, reforçou.
Livro sobre desembargadores
Durante a inauguração, haverá o lançamento do livro “Galeria dos desembargadores de Alagoas”, de autoria do juiz e historiador Claudemiro Avelino de Souza, que é o curador do Centro de Cultura.

Arte: Dicom/TJAL

 

A montagem do Centro teve consultoria técnica da doutora em Arquitetura Adriana Guimarães, professora da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e que atua na área de preservação e restauração de patrimônio cultural, e também da arquiteta Carla Cansanção. O projeto arquitetônico de reforma do prédio centenário é de autoria das arquitetas Cláudia Lisboa e Clarice Gavazza, bem como a busca por objetos e luminárias antigas que foram restaurados. A obra foi fiscalizada pelos engenheiros André Malta e Luiz Valoura, também integrantes do Departamento Central de Engenharia e Arquitetura (DCEA) do TJAL.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados