Boa Tarde!, Sexta-Feira - 20 de Setembro de 2019

 

Carregador de celular provoca princípio de incêndio e CBM faz alerta

Carol Amorim - Repórter / 8:30 - 11/09/2019

O incêndio foi detectado no sofá de uma casa, no Clima Bom, e populares controlaram as chamas


csm_bombeiros_-_divulgacao_ea72d03fb0

Foto: Divulgação Agência Alagoas

Um princípio de incêndio foi provocado por carregador de celular em uma residência, nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira, 11, no bairro Clima Bom, em Maceió. De acordo com o Corpo de Bombeiros Militar (CBM), as chamas atingiram parte da sala de estar da casa, como o sofá, alguns móveis e parte do teto de PVC.

Segundo o CBM, quatro viaturas e 15 militares foram empregados para o atendimento da ocorrência na Avenida General Walfrido Jerônimo da Rocha, no bairro Clima, onde a residência está localizada. Porém, ao chegarem ao destino indicado, os populares haviam debelado o princípio de incêndio.

Os militares não notificaram a presença de vítima no local.

Cuidados

Os bombeiros de Alagoas afirmam que a maioria desses acidentes acontecem ocorrem quando as pessoas utilizam os aparelhos telefônicos ao mesmo tempo em que ele está sendo carregado e que os carregadores piratas são os mais propícios a provocar choques elétricos e até incêndios, por não seguirem as orientações do fabricante e nem regras de segurança.

“É de extrema importância que os consumidores busquem utilizar esses itens de procedência original. No momento em que estiver sendo feita a recarga, o indicado é que o celular seja mantido sobre uma superfície rígida, arejada, seca, e que dificulte a propagação de incêndio, ficando assim distante de materiais de fácil combustão (plásticos, móveis de madeira, itens de espuma, tecidos)”, alerta o CBM.

Além disso, os militares orientam as pessoas a evitarem o uso de muitos aparelhos ligados ao mesmo tempo e na mesma tomada. As recargas que duram a noite inteira e deixar o celular carregando sem pessoas dentro de casa também são situações de perigo, pois “caso ocorra um curto circuito, os riscos de incêndio aumentam e as chamas se propagam mais facilmente em contato com esses materiais”, ressaltam.

Outra recomendação dos militares é que, sempre que possível, seja desligada a fonte de energia do local, em caso de acidente e que, se houver vítima, que ela não seja diretamente tocada. O correto, apontado pelos militares, é que a vítima “seja afastada da fonte elétrica com a ajuda de objetos não condutores e secos, como o plástico, madeira e borracha – para que não haja risco de a outra pessoa também ser vítima do choque”.

E, caso acidentes semelhantes sejam detectados, o pedido de socorro deve ser feito ao CBM através do 193.


Comentar usando