Bancário que atropelou 17 ciclistas é condenado a 12 anos de prisão

Por | Edição do dia 25 de novembro de 2016
Categoria: Notícias, Polícia | Tags: ,,,,,


O bancário Ricardo Neis, 53, foi condenado nesta quinta-feira (24), pelo tribunal do júri da 1ª Vara de Porto Alegre, pelo atropelamento de 17 ciclistas em fevereiro de 2011, durante um ato de cicloativistas. Neis foi condenado a 12 anos e nove meses de prisão, em regime fechado, por 11 tentativas de homicídio e cinco acusações por lesão corporal.

Foto: Reprodução/SBT Brasil

Foto: Reprodução/SBT Brasil

A defesa informou, logo após a sessão, que vai recorrer da sentença. Além de não perder o cargo público, Neis, que é funcionário de carreira do Banco Central, poderá recorrer em liberdade da sentença.

O julgamento durou dois dias e contou com uma mobilização intensa dos grupos de ciclismo de Porto Alegre –muitos deles assistiram ao julgamento e se manifestaram durante as mais de 20 horas de sessão.

Dez testemunhas de acusação, a maior parte vítima do atropelamento, ajudaram a recriar o episódio em que o bancário avançou sobre os ciclistas de forma descontrolada e fugiu do local sem prestar socorro. As imagens do atropelamento, na época, foram transmitidas para o mundo todo.

Coube aos promotores Eugênio Amorim e Lúcia Helena Callegari realizarem a acusação para os sete jurados. A estratégia foi mostrar o vídeo do atropelamento várias vezes, como forma de sensibilizar para a gravidade do caso. “Não se trata de um conjunto de malucos, de violentos, de um PCC. Eram pessoas de bem que estavam naquele evento e que foram colhidas de um modo muito covarde, por trás e violentamente, pelo réu”, definiu Amorim.

No dia 25 de fevereiro de 2011, Ricardo Neis avançou em direção a um grupo de ciclistas na rua José do Patrocínio, em Porto Alegre, atropelando dezenas deles. Os ciclistas bloqueavam a rua durante uma manifestação do grupo Massa Crítica. Houve uma discussão entre Neis e os organizadores do protesto.

Foto: Genaro Joner/Agência RBS - 25.fev.2012

Foto: Genaro Joner/Agência RBS – 25.fev.2012

O carro do bancário foi encontrado abandonado na madrugada seguinte. Ele se apresentou à polícia três dias depois do atropelamento e argumentou que foi cercado pelo grupo. Temendo uma agressão, abriu caminho para proteger a si e ao filho de 15 anos, que também estava no carro.

Neis alegou, na polícia, que agiu em legítima defesa. Preso provisoriamente durante três dias logo após o atropelamento coletivo, o bancário obteve na Justiça o direito de responder ao processo em liberdade.

Segundo o advogado de defesa, Manoel Silveira Castanheira, o réu enfrentou cinco anos e meio de um “constrangimento que não merecia”. Com apenas duas testemunhas a seu favor, o advogado limitou-se a ler depoimentos positivos sobre a personalidade de Neis.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados