Audiência pública discute casos de microcefalia e combate ao Aedes aegypti

Secretária de Estado da Saúde, Rozangela Wyszomirska, apresentou o plano de trabalho para o combate ao vetor, que transmite dengue, febre chikungunya e zika vírus

Por | Edição do dia 10 de dezembro de 2015
Categoria: Blog, Notícias | Tags:


Foto: Agência Alagoas

Foto: Agência Alagoas

As ações estaduais de saúde voltadas ao combate ao mosquito Aedes aegypti foram apresentadas nesta quinta-feira (10), durante audiência pública na Assembleia Legislativa do Estado de Alagoas (ALE/AL). Diante dos casos suspeitos de microcefalia, a secretária de Estado da Saúde, Rozangela Wyszomirksa, pontuou o plano de trabalho para evitar as doenças provenientes do vetor – dengue, febre chikungunya e zika vírus.

A sessão foi presidida pelo deputado estadual Francisco Tenório, que responde pela Comissão de Saúde da Casa de Tavares Bastos. Ele alertou que a população futura pode se comprometer se não houver uma capacidade de combater o agente transmissor dessa doenças. “Temos que aproveitar esse momento difícil para se fazer uma ampla campanha esclarecedora sobre como se pode exterminar o mosquito”, frisou o deputado.

“Estamos num momento bastante crítico para a saúde no Brasil, desde o trabalho do agente até o financiamento”, pontuou a secretária Rozangela Wyszomirska. Em relação aos casos do zika vírus, unidades sentinelas estão monitorando as suspeitas e encaminhando para análise em laboratório.

De acordo com a última nota técnica sobre os casos suspeitos de microcefalia, divulgada na quarta-feira (09), em Alagoas foram registradas 94 ocorrências este ano, após a implantação da notificação imediata.

“Não é apenas o gestor que é responsável, nem os agentes, nem a população. Trata-se de um exercício da cidadania”, afirmou a secretária, acrescentando que o poder público não pode fugir da sua responsabilidade. “Por isso as ações foram intensificadas. A grande ação é o combate ao vetor”, enfatizou.

Para o secretário executivo de Estado da Defesa Civil, major Douglas Magalhães, a forma errônea de armazenar a água dos carros-pipas é favorável à proliferação do mosquito. “Vamos traçar metas de um trabalho conjunto entre a Defesa Civil e o SUS em Alagoas. Integração essa que vai ajudar no combate ao mosquito”, disse o major, que segue nesta sexta-feira (11) a Brasília para uma orientação sobre a forma esse trabalho.

Na visão do secretário municipal de Saúde de São Miguel dos Campos, Sival Clemente, a prevenção é questão de educação, hábitos e princípios. “Combater dengue é um esforço conjunto e não se faz isso sozinho. É preciso ainda que os agentes de endemias tenham condições de trabalho”, defendeu ele.

Participação – A audiência pública abriu espaço para discussões acerca da Educação e Saúde. Participaram, com contribuições para o combate ao mosquito Aedes aegypti, os deputados estaduais Francisco Tenório, Jó Pereira, Léo Loureiro e Inácio Loiola.

A audiência pública contou com a presença da secretária de Estado da Saúde, Rozangela Wyszomirkska; do secretário municipal de Saúde de São Miguel dos Campos, Sival Clemente, e de Marechal Deodoro, Maria Aparecida da Conceição; da promotora Micheline Tenório; do presidente do Sindicato de Agentes de Saúde, Maurício Sarmento; do secretário executivo de Defesa Civil, major Douglas Magalhães; além de gestores e técnicos estaduais e municipais da Saúde.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados