Atos em Recife, Rio, São Paulo e Brasília reúnem manifestantes contra Bolsonaro

Outras capitais, como Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, também registraram movimentações semelhantes

Atos em Recife, Rio, São Paulo e Brasília reúnem manifestantes contra Bolsonaro

Outras capitais, como Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, também registraram movimentações semelhantes

Por | Edição do dia 20 de outubro de 2018
Categoria: Brasil, Notícias | Tags: ,,,,,,,,


Ato em Brasília (Foto: Reprodução/Twitter)

Ato em Brasília (Foto: Reprodução/Twitter)

Manifestantes participaram, na tarde desde sábado (20), de ato em prol da candidatura de Fernando Haddad (PT) à Presidência da República, no Centro do Recife. A concentração começou por volta das 14h na Praça do Derby. Na sequência, o ato seguiu pela Avenida Conde da Boa Vista com dispersão na Praça da Independência. Os presentes usaram camisas e levaram faixas e cartazes contra o candidato Jair Bolsonaro (PSL), classificando-o como “fascista”.

Estiveram presentes, entre outras lideranças, a vereadora do Recife Marília Arraes (PT), deputada federal eleita, o senador reeleito Humberto Costa, também petista, e o vice-prefeito da capital, Luciano Siqueira (PCdoB). Um grupo de mulheres também levou tambores e ecoou o movimento contra o candidato Bolsonaro, denominado “Ele Não”.

São Paulo

Em São Paulo, a manifestação lotou o vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp). A multidão chegou a extrapolar a área da praça e ocupou totalmente os dois sentidos da Avenida Paulista, na região central da capital. Ao som de tambores, centenas de pessoas gritavam “Ele não!”, “Ele Nunca!” e “Ele Jamais”, em referência ao candidato à presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro.

Para Fábia Carmen, uma das participantes da organização, que reúne cerca de 30 coletivos de mulheres, a mobilização foi fundamental para evitar que Bolsonaro obtivesse uma vitória já no primeiro turno da eleição: “Se a gente não tivesse lutado como a gente lutou, talvez não tivesse nem segundo turno”, enfatizou.
Rio de Janeiro
Para Fábia Carmen, uma das participantes da organização, que reúne cerca de 30 coletivos de mulheres, a mobilização foi fundamental para evitar que Bolsonaro obtivesse uma vitória já no primeiro turno da eleição: “Se a gente não tivesse lutado como a gente lutou, talvez não tivesse nem segundo turno”, enfatizou.

Na Candelária, os manifestantes homenagearam com uma dança o mestre Moa do Katendê, assassinado a facadas na noite do primeiro turno da eleição após declarar voto ao PT, em Salvador (BA).

Brasília

Na capital federal, os manifestantes começaram a se agrupar na Rodoviária e às 16h ocupavam três faixas do eixo monumental. Eles seguiram em direção à Funarte, na região central da cidade. De acordo com a organização, 10 mil pessoas participaram do protesto. A Polícia Militar não estimou o número de participantes.

Críticas às declarações do presidenciável consideradas ofensivas às mulheres, aos homossexuais e negros estavam presentes em faixas de diversas cores e tamanhos: “A gente quer um país para todas e todos”, “Mais amor e menos ódio”, “Mulheres contra o machismo, o racismo e a homnofobia” e “Marielle, presente”, uma referência à vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco assassinada em 14 de março, podiam ser vistas na manifestação.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados