Anitta, Juliette, Ivete e Gil se revoltam com Bolsonaro

A revolta dos artistas reflete as pesquisas de opinião pública que mostram uma redução considerável do apoio ao presidente

Anitta, Juliette, Ivete e Gil se revoltam com Bolsonaro

A revolta dos artistas reflete as pesquisas de opinião pública que mostram uma redução considerável do apoio ao presidente

Por Antonio Pereira | Edição do dia 23 de junho de 2021
Categoria: Opiniões | Tags: ,,,,,,,,,,,


Visite minhas redes sociais:

Facebook – https://www.facebook.com/toinhopereira 

Instagram – https://www.instagram.com/toinho_pereira0748/

Twitter – https://twitter.com/antoniotoinho07

Anitta, Paola Oliveira, Juliette Freire, Gil do Vigor, Ivete Sangallo, Chico Buarque de Holanda, Bruno Gagliasso, Felipe Neto, Winderson Nunes, Daniela Mercury, Duda Beat, Leandra Leal, Sophia Abrão, Alice Braga e muitos outros artistas e celebridades brasileiras se revoltaram desde o anúncio do número de 500 mil pessoas mortas pela Covid no país. Todos eles postaram comentários em redes sociais associando as milhares de mortes à condução da pandemia adotada pelo governo do presidente Bolsonaro, apontado por muitos como responsável direto pela catástrofe por não ter providenciado a tempo a compra de vacinas e defender tratamentos comprovadamente ineficazes contra a doença.

Bolsonaro também é apontado como responsável pelo aumento do número de casos devido a sua conduta negacionistas, com aparições públicas sem máscaras e promovendo aglomerações praticamente todas as semanas.

A revolta dos artistas reflete as pesquisas de opinião pública que mostram uma redução considerável do apoio ao presidente. Apenas alguns grupos radicais de extrema direita continuam a defender Bolsonaro, enquanto que mais de 70% do povo brasileiro o rejeita completamente, acusando-o de ser o maior responsável pelas mortes e pela atual crise econômica instalada no país depois da pandemia.

Bolsonaro desde de o começo da crise tem praticado uma política beligerante contra governadores e prefeitos que defendem isolamento social e medidas de contenção do avanço da Covid-19. Até mesmo as vacinas foram motivos de briga política, onde Bolsonaro fez o que pode para impedir a implantação da vacinação no país através do Instituto Butantan e sua Coronavac.

Agora, surgem denúncias de que Bolsonaro e seus auxiliares podem ter se aproveitado da crise e necessidade de compra de vacinas para lucrar em uma negociata com laboratório indiano. Documentos do Itamaraty, atestam a operação com amplo prejuízo ao país. Papeis do Ministério das Relações Exteriores mostram que o governo comprou a vacina indiana Covaxin por um preço 1.000% maior do que, seis meses antes, era anunciado pela própria fabricante.

Caso fique comprovado, esse será o maior escândalo de corrupção do período da pandemia. Lembrando que Bolsonaro também é apontado como pivô da não aceitação por parte do governo da vacina da Pfizer. O Ministério Público de Contas (MPC) afirmou ao Tribunal de Contas da União (TCU) que o governo federal incorreu em grave omissão ao deixar de comprar vacinas da Pfizer contra o novo coronavírus em 2020. O MP pediu para o TCU investigar o caso e apontar responsabilidades, o que lança suspeitas sobre o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), e os gestores no Ministério da Saúde.

Todos os caminhos levam a responsabilização de Bolsonaro e seus ministros na condução desastrosa da pandemia no país. O Brasil já ultrapassou os Estados Unidos na proporção de mortos pela Covid-19. No país a pandemia está longe de ser debelada, causando enormes prejuízos à nação.

O Brasil tem hoje 23% das mortes diárias por Covid no mundo. Especialistas dizem que os números da vacinação estão longe de oferecer uma proteção coletiva para a população e alertam para o risco de agravamento da doença no país. O Brasil chegou à marca de 500 mil óbitos por Covid-19 no último sábado.

Para o neurocientista Miguel Nicolelis, professor da Universidade Duke (EUA), a elevada taxa de óbitos no Brasil é resultado dos erros cometidos na condução da pandemia pelo governo do presidente Bolsonaro. Outros especialistas dizem o mesmo. Caso fique comprovado que Bolsonaro trabalhou contra a vacinação e a contenção da doença no país, ele pode ser denunciado no Tribunal Internacional por crimes contra a humanidade. O termo genocida está cada vez mais associado ao presidente brasileiro. Por isso tantos artistas e tantos grupos políticos acusam Bolsonaro pelas mortes que poderiam ter sido evitadas.

Como resultado de toda essa ojeriza antibolsonarista, o presidente recorre a insultos, gritos e palavrões. Recentemente ele atacou uma jornalista apenas por ela ter perguntado porque ele chegou a um evento sem máscara, já que o item é obrigatório. Totalmente fora de si, Bolsonaro mandou a jornalista calar a boca e proferiu inúmeros xingamentos a empresa que ela representava, a TV Vanguarda, afiliada à Rede Globo de Televisão. O presidente também criticou a CNN, aliada do governo, mas que deu espaço em sua programação no último sábado para as manifestações contra o governo promovidas por movimentos sociais e partidos de oposição.

Bolsonaro cada vez mais isolado tende a dar rompantes de autoritarismo. Resta saber se seus apoiadores, notadamente os que fazem parte das Forças Armadas e Polícias Militares vão segui-lo numa provável aventura golpista.

Quem viver verá.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados