Acidente com carro sem seguro tira a pessoa do eixo; gera transtornos e ainda causa prejuízos financeiros

“Seguro não é despesa. Seguro é investimento. É tranquilidade” explica corretor

Acidente com carro sem seguro tira a pessoa do eixo; gera transtornos e ainda causa prejuízos financeiros

“Seguro não é despesa. Seguro é investimento. É tranquilidade” explica corretor

Por | Edição do dia 21 de outubro de 2018
Categoria: Comportamento, Notícias | Tags: ,,,


A dona de casa Diana Mendes Rey e o segurança José Jailson da Rocha tinham planos diferentes para aquele dia. De férias do trabalho, ele “ajeitava” o carro para uma viagem no feriadão, iniciado no Dia das Crianças e se estendendo até o Dia do Professor. Seriam quatro dias com a família na paradisíaca Ilha do Ferro, em Pão de Açúcar.

Ela teria um feriadão de orações e ajuda ao próximo, na Igreja Batista que frequenta. Mas, na quinta-feira, dia 10 de outubro, às 13h, os planos dos dois foram interrompidos pelo mesmo motivo. Num momento de desatenção, Diana Mendes passou reto num cruzamento, no Pinheiro, onde deveria parar. Jailson Rocha seguia na preferencial e, atravessava o cruzamento com o volante na mão e as aulas de legislação na cabeça.

A colisão foi inevitável. O carro dele ficou parado, com o capô “arregaçado” e o motor jorrando água e outros fluídos. Desesperado, o homem forte desceu do carro e ficou pequeno, diante do estrago do acidente e da incerteza de como aqueles danos seriam reparados. A viagem com a família foi junto com a colisão. Sem seguro, ele confiava no seguro do carro que provocou o sinistro.

Diana Mendes parou uns dez metros depois, com a porta do passageiro destruída e pedaços de vidros no seu colo. Em estado de choque, ela apenas repetia baixinho: “Tanta coisa ruim acontecendo na minha vida e ainda mais essa”. Depois, caiu no choro e precisou ser acolhida por populares. Ninguém se feriu neste acidente, mas os estragos foram grandes nos dois veículos. Quando conseguiu falar, Diana Mendes revelou que ainda não tinha feito o seguro do carro porque estava com o bem só há três meses e não tinha conseguido recursos para contratar a apólice. “Não sei como vou fazer para pagar o conserto do carro do rapaz e recuperar o meu”, disse ela.

No Gol, Jailson só pensava em viajar com a família

carro 1Jailson Rocha estava “arrumando” o seu carro, o Gol de cor preta ( placa MUN-1347/ AL), modelo 2008, para viajar com a esposa e filhos. Queria aproveitar quatro dias de suas férias num passeio que planejava há meses. “Vim agora da oficina. Estava vendo a suspensão, mas já tinha revisado os freios, a parte elétrica e outros detalhes que são essenciais para uma viagem. Como meu carro não tem seguro, não posso ter surpresas na viagem. Terminei tudo hoje e estava voltando para casa. Minha mulher já tinha até arrumado as malas. De repente, acontece uma desgraça dessas”, disse Jailson Rocha.

“Esse carro é o meu maior patrimônio”, completou. A “desgraça “ à qual ele se refere foi a colisão em que ele se envolveu quando Diana Mendes, condutora do veículo Versa, dourado, e placa OHC-3882/AL, avançou o cruzamento entre as Ruas Pedro Oliveira Rocha e Jovino Lopes Lyra – no Pinheiro – e foi “pega” na lateral direita do carro. O Gol trafegava pela Rua Portugal, que tem a preferência no cruzamento. Diana Mendes conduzia o Versa e não observou a sinalização vertical para parar. Ela passou reto, causando o acidente.

Os danos materiais foram sérios. Bastante nervoso, o segurança desceu do carro enfurecido. Gesticulando muito e gritando, ele lamentava o fato de ter acabado de sair da oficina e o carro estar danificado novamente. “Eu não acredito nisso. Acabei de sair da oficina. Arrumei o carro para viajar com a família e acontece isso?”, questionou. Jailson Rocha contou que, logo depois do acidente – que ocorreu bem perto de sua casa – telefonou para a esposa, contou- -lhe do ocorrido. “Disse a ela que estava tudo bem comigo mas que a nossa viagem para a Ilha do Ferro não seria mais possível. Ela ficou triste mas entendeu. Quem sabe o que iria acontecer nessa viagem, não é mesmo?”, comentou.

No Versa, Diana pensava nos “seus problemas”

carro 2No outro carro, Diana Mendes estava paralisada ao volante e só olhava para frente. Nem percebeu a quantidade de estilhaços de vidros em suas pernas. Jailson Rocha foi até o carro da mulher e perguntou se ela tinha se ferido no acidente. Percebeu que estava tudo bem com ela e voltou para reavaliar os prejuízos causados ao seu carro. Minutos depois, com a ajuda de uma empresária que presenciou o acidente, Diana Mendes saiu devagar do carro. Sentou-se à beira do asfalto e tomou um copo d´água.

“Eu estava indo para casa buscar o meu telefone celular. Tinha alguns compromissos na rua e precisava do telefone”, comentou. “Estou passando por tantos problemas pessoais e agora me envolvo num acidente de carro. Era o que faltava para acabar comigo de uma vez”, lamentou a mulher. Entre os “problemas pessoais” que Diana Mendes falou no dia do acidente, constam mortes na família e separação. Esses problemas levaram a dificuldades financeiras. “Não tinha feito ainda o seguro do meu carro porque estava esperando juntar dinheiro”, revelou.

Com a voz embargada, ela contou a Jailson Rocha que seu carro também não tinha seguro veicular, mas que ela daria um jeito de reparar os danos causados a ele. “O estrago foi grande, mas eu vou pagar o conserto do seu carro, moço”, prometeu. A dona de casa contou ainda que havia comprado o Versa havia cerca de três meses e que estava juntando dinheiro para fazer o seguro dele.

 

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados