À caça: punir torcedores vira questão de honra para futebol alagoano

À caça: punir torcedores vira questão de honra para futebol alagoano

Por | Edição do dia 9 de maio de 2016
Categoria: Alagoas, Artigos, Notícias


Identificar e punir os culpados pelos atos de violência praticados por integrantes do CRB e CSA, após a segunda partida da final do Campeonato Alagoano disputada no domingo, dia 8, são as ações que estão em jogo. Para esta mobilização de caça aos vândalos já se mobilizaram o governador do Estado, Renan Filho, o Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), a Polícia Civil e a Federação Alagoana de Futebol. Assim como os clubes do Azulão e do Galo, estes órgãos divulgaram notas repudiando e anunciando punições.

REPRODUÇÃO

Na nota publicada pelo TJ/AL, o juiz Celyrio Adamastor Accioly, titular do Juizado do Torcedor, denunciou que não havia delegado da Polícia Civil de plantão no Clássico das Multidões, do domingo, dia 8, e por isso nenhum Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) foi confeccionado. “Não havia delegado da Polícia Civil ontem (domingo), como de costume, no Estádio Rei Pelé. Por conta disso, não foram encaminhados Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCO) ao juiz plantonista que atuava no Juizado, John Silas da Silva”, disse Celyrio Adamastor.

Ainda de acordo com o titular do Juizado do Torcedor, devido a mais uma ausência de um delegado plantonista no Rei Pelé, o juiz John Silas ficou impossibilitado de julgar e sentenciar ainda no domingo os culpados pelos atos de violência. “Os presos no local foram levados pela Polícia Militar para a Central de Flagrantes e não retornaram”, disse Celyrio Adamastor, no texto.

Já nesta segunda-feira, 9, a Polícia Civil divulgou nota anunciando a criação de comissão especial para apurar os casos de violência Essa comissão será presidida pelo  diretor da Deic (Divisão Especial de Investigações e Capturas), Ronilsson Medeiros,  e contará com os delegados Fabrício Lima e Manoel Acácio, como integrantes. A portaria oficializando a comissão será publicada na edição do Diário Oficial desta terça-feira (10).

Seguindo as notas sobre a violência no Rei Pelé, Renan Filho usou as suas redes sociais para condenar os atos violentos. Ele classificou os vândalos de “bandidos travestidos de torcedores”. “As cenas de selvageria de inaceitáveis e envergonham as famílias de Alagoas”, disse Rena Filho, em nota postada ainda no domingo, após o clássico.

O governador determinou ao Sistema de Segurança Pública uma ação imediata e integrada de todas as forças policiais para a identificação, localização e captura dos envolvidos nos atos de violência. Além disso, pediu presteza no socorro às vítimas.

A FAF também repudiou os atos e pede o apoio dos alagoanos para identificar os culpados pelos atos de violência para que sejam punidos e banidos do futebol. “Esta Federação conclama a sociedade, as autoridades, enfim, as pessoas de bem que amam o futebol para que, em parceria, ajudem a identificar aqueles que fizeram parte da lamentável selvageria no estádio Rei Pelé no intuito de que possam responder na justiça por seus atos e, também, serem banidos dos estádios”, disse Felipe Feijó, presidente da FAF.

RESULTADO DA GUERRA – Um torcedor de 17 anos, que até o boletim divulgado pelo HGE, não havia sido identificado, segue internado com sérias lesões na região do rosto. Ainda de acordo com o hospital, a vítima está consciente, com quadro estável e não precisa de auxílio para respirar. Esse jovem está sendo assistido por um médico e um neurologista.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados