4ª Expedição Científica do São Francisco chega ao final, com muitas expectativas para a próxima edição

O teatro municipal Sete de Setembro em Penedo (AL) recebeu na manhã da última quarta-feira (10) os pesquisadores e expedicionários da 4ª Expedição Científica do São Francisco para a solenidade de encerramento da maior expedição voltada aos estudos científicos do rio São Francisco.

4ª Expedição Científica do São Francisco chega ao final, com muitas expectativas para a próxima edição

O teatro municipal Sete de Setembro em Penedo (AL) recebeu na manhã da última quarta-feira (10) os pesquisadores e expedicionários da 4ª Expedição Científica do São Francisco para a solenidade de encerramento da maior expedição voltada aos estudos científicos do rio São Francisco.

Por Assessoria | Edição do dia 11 de novembro de 2021
Categoria: Agenda Cultural, Cultura | Tags: ,,


Foram dez dias de muita dedicação, trabalhos, pesquisas, ações de educação ambiental e saúde da população ribeirinha, palestras e visitas às cidades de Piranhas (AL), Pão de Açúcar (AL), Traipu (AL), São Brás (AL), Propriá (SE), Igreja Nova (AL), Neópolis (SE), Porto Real do Colégio (AL), Penedo (AL) Brejo Grande (SE) e Piaçabuçu (AL).

Os 66 pesquisadores das 24 instituições de ensino envolvidas trabalharam em dois grandes barcos, em 35 áreas de pesquisa, como a análise da água do rio São Francisco, da fauna, da flora, bem como se dedicaram aos estudos das condições socioeconômicas das comunidades ribeirinhas de todos os municípios visitados. O resultado do trabalho será publicado em um relatório completo e detalhado que servirá como base para a cobrança, junto aos órgãos públicos, de políticas que visem a melhoria das condições hidrológicas do rio São Francisco e daqueles que diariamente estão em contato direto com ele.

Durante a solenidade de encerramento, Gustavo Alencar, secretário de Meio Ambiente de Penedo, representou o prefeito da cidade, Ronaldo Lopes, e disse que a Expedição Científica está sendo muito importante para Penedo. “Os dados coletados são de extrema importância para que possa ser avaliada a saúde do rio São Francisco e ajudará no sentido de solucionar os problemas encontrados. Em nome do prefeito eu agradeço a todos e desejo que a expedição tenha continuidade por muitos anos”.

 

Logo em seguida, a vice-reitora da Universidade Federal de Alagoas, Eliana Cavalcante, agradeceu a cada um dos parceiros que apoiou a expedição. “Vale a pena investir no rio São Francisco, conhecer as comunidades ribeirinhas e levar conhecimento à população. Foram dez dias de expedição, estudos, troca de experiência e acima de tudo companheirismo”, disse.

O presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, Maciel Oliveira, destacou o empenho de todos os participantes. “Há dez dias estávamos em Piranhas, e na ocasião o rio São Francisco encontrava-se com a vazão de 800m³/s e ficamos sem saber como seria, mas com o apoio dos órgãos como a CHESF e a ANA conseguimos solicitar o aumento da vazão para dar prosseguimento à expedição. Para fazer um evento desse porte é preciso muita responsabilidade, planejamento e dedicação. Gostaria muito de agradecer aos professores Emerson Soares e José Vieira que coordenaram a Expedição Científica. Não é fácil pensar em um projeto como esses. São muitos detalhes e é preciso ter liderança para lidar com todas as situações e adversidades e vocês fazem isso de maneira assertiva”, disse.

Oliveira aproveitou seu discurso para falar sobre o início do Comitê, sua formação para chegar ao que é atualmente. “O Comitê tem poder normativo, consultivo e deliberativo e sempre colocou em sua rubrica o apoio à pesquisa científica porque acreditamos na ciência. Os recursos foram ampliados e hoje é destinado, em sua maior parte, à recuperação hidroambiental do rio São Francisco. Já recuperamos mais de 500 nascentes dentro dos projetos do CBHSF e isso tem sido feito em toda bacia do Velho Chico. Em relação à Expedição Científica, as informações técnicas que já foram produzidas servirão para os gestores municipais, estaduais, para o Comitê, União, bem como para a iniciativa privada que precisa dar maior atenção a este grande projeto. Reforço que não estamos dando patrocínio, mas sim investindo na Bacia do São Francisco e, no ano de 2022, a 5ª Expedição Científica entrará na categoria como verba investida neste projeto. Aproveito esse momento para agradecer ao ribeirinho e mestre Antônio Jackson que é referência para levar o nome do Comitê às populações ribeirinhas. Estou com a sensação de dever cumprido juntamente com cada um dos pesquisadores, expedicionários e demais profissionais que se dedicaram a este projeto e trago aqui a garantia de que teremos a próxima edição da Expedição”.

Novidades para 2022

O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco assinará o Termo de Cooperação Técnica com a Prefeitura de Penedo, Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), para garantir os recursos da empresa que foi contratada a fim de retirar o esgoto que é lançado no rio São Francisco. “Iremos fazer a interligação do esgoto que deságua no rio com a estação de tratamento. Estamos nos desdobramentos e garantimos no plano orçamentário a execução do projeto. Outra novidade que temos é a construção do Museu do São Francisco, em Penedo. Já colocamos em prática a produção do projeto arquitetônico do museu com previsão para ficar pronto no ano de 2022. Queremos acelerar o processo em homenagem ao nosso mestre Antônio Jackson. Este sonho que é tão antigo se tornará realidade e isso me deixa muito feliz”, acrescentou Maciel.

Para o mestre ribeirinho Antônio Jackson, “a expedição tem credibilidade, é séria. O Emerson e o Vieira são grandes sonhadores que fizeram do projeto uma realidade e trouxeram este sonho de revitalização do rio São Francisco e de estudo científico. A voz do Velho Chico terá que ser a nossa e eu aqui sou uma das vozes representativas a favor da revitalização do Velho Chico”.

O professor e coordenador da Expedição Científica, Emerson Soares, iniciou seu discurso agradecendo ao professor que também coordena este projeto, José Vieira.

“A gente coordena este trabalho com muita luta e passamos praticamente um ano dedicados à expedição. Cada colega trabalha junto, sofre junto para executar o projeto dentro do que se planeja. Graças ao Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, que está nos bastidores se dedicando aos projetos em defesa do Velho Chico, a exemplo da Expedição Científica e tantos outros, é que estamos conseguindo revitalizar o rio. Agradeço ao Anivaldo Miranda, ao Maciel Oliveira, à Agência Peixe Vivo, à CODEVASF, à SEMARH, às prefeituras que nos deram total apoio durante estes dez dias, ao Ministério da Ciência e Tecnologia, a todas as instituições de ensino participantes. Fizemos um trabalho de educação ambiental e realizamos a entrega de materiais as escolas municipais como data show, notebooks, material escolar, jogos educativos e queremos fazer mais pelo Baixo São Francisco. Além disso, mais de 500 testes de RT-PCR foram realizados durante a expedição, no início e no fim para que os expedicionários permanecessem protegidos. Esse é o nosso compromisso com a saúde porque sabemos que a Covid-19 não acabou e essa foi uma das formas encontradas de preservar a saúde de todos os participantes. Meu agradecimento a cada um de vocês”.

Em breve o relatório com o resultado dos estudos da 4ª Expedição Científica será finalizado.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados