276 reeducandos participam do Enem no sistema prisional neste domingo

Aplicação acontecerá em dois dias, conforme calendário do INPE

276 reeducandos participam do Enem no sistema prisional neste domingo

Aplicação acontecerá em dois dias, conforme calendário do INPE

Por Assessoria | Edição do dia 9 de janeiro de 2022
Categoria: Concurso | Tags: ,,


Foto: Reprodução

Neste domingo (9) acontece o primeiro dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio para pessoas privadas de liberdade (Enem/PPL). No sistema prisional de Alagoas, 276 reeducandos participarão do certame. Para isso, as inscrições dos alunos foram feitas pela equipe da Supervisão de Educação da SERIS (Secretaria da Ressocialização e Inclusão Social), que busca ofertar acesso educacional aos apenados.

Além do sistema prisional, as provas serão aplicadas simultaneamente em todo país, para os alunos que não realizaram o exame por apresentar doenças infectocontagiosas, como a Covid-19, comprovada por laudo médico.

“O Exame possui o mesmo nível de dificuldade do Enem regular, sendo a única diferença na aplicação, que ocorre dentro da unidade prisional e socioeducativa”, explicou a gerente de Educação, Produção e Laborterapia, policial penal Cinthya Moreno.

Sobre os efeitos da oferta de educação no sistema prisional,a gestora destaca. “A educação é o pilar para o desenvolvimento do reeducando, além de proporcionar o aprendizado, tem a remição de pena. O reflexo é a possibilidade de dignidade por meio de uma profissão e do conhecimento adquirido”, completou.

Sobre o exame

O Exame Nacional do Ensino Médio avalia o desempenho dos estudantes ao término da educação básica e hoje é a principal forma de acesso ao ensino superior no Brasil, por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e do Programa Universidade para Todos (ProUni). No sistema prisional de Alagoas, o Exame é ofertado desde 2011, sendo garantida a 100% da população carcerária.

Por meio do Exame, reeducandos já conquistaram a oportunidade de cursar o ensino superior. Ao todo, 28 custodiados estão matriculados em Instituições de Ensino Superior no Estado, enquanto outros seis já estão na pós-graduação, tudo por meio do ensino à distância (EAD).

Educação profissionalizante

Além do Enem, os reeducandos têm acesso a diferentes formas de educação, como os mais de mil cursos profissionalizantes ofertados pelo Instituto Mundo Melhor. Neste sentido, 106 reeducandos do Núcleo Ressocializador da Capital (NRC) iniciaram, nesta quinta-feira (05), diferentes capacitações.

Entre as ofertas acadêmicas estão cursos nas áreas de saúde em bem estar, administração e empreendedorismo, governança doméstica, informática e línguas estrangeiras.

Deixe uma resposta

Publicidade
 
 
Publicidade

2019 O dia mais - Todos os direitos reservados