Boa Noite!, Quinta-Feira - 20 de Setembro de 2018

 

Trump anuncia nesta terça-feira decisão sobre acordo nuclear com Irã

Agência France-Presse / 2:51 - 08/05/2018

Diplomatas e analistas estão convencidos de que o presidente restabelecerá as sanções suspensas contra Teerã


Durante sua campanha, Trump condenou "o plano de ação" acordado (Foto: Yuri Gripas/AFP)

Durante sua campanha, Trump condenou “o plano de ação” acordado
(Foto: Yuri Gripas/AFP)

O presidente Donald Trump define nesta terça-feira (8/5) o destino do histórico acordo nuclear com o Irã, ao anunciar seu veredicto sobre se mantém ou não, a suspensão das sanções americanas que apoiam o pacto internacional. Trump vem sendo um duro crítico do acordo.

Salvo uma mudança de último minuto, diplomatas e analistas estão convencidos de que o presidente dos Estados Unidos anunciará às 14h locais (15h em Brasília), na Casa Branca, que restabelecerá – ao menos parcialmente – as sanções suspensas contra Teerã como parte do acordo firmado em 2015 para evitar que esse país desenvolvesse armas nucleares.

“É bastante óbvio para mim” que o presidente voltará a impor sanções, disse um diplomata europeu na segunda-feira à noite em Washington.

Trump tem até 12 de maio para certificar que o Irã cumpriu o acordo, ou deixará o caminho livre para a retomada das sanções econômicas, se considerar insuficientes as soluções negociadas com os europeus para “endurecer” o acordo.

Isso implicaria, alegam os especialistas, a “morte” do acordo assinado em Viena entre Teerã e Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha, após seis anos de tensões pelo programa nuclear iraniano e de maratônicas negociações diplomáticas.

Os demais países signatários defenderam o pacto que consideram “histórico”, ressaltando que o Organismo Internacional de Energia Atômica (OIEA), que realiza inspeções muito minuciosas, regularmente certificou que Teerã respeita os termos do acordo, projetado para garantir o caráter não militar de seu programa nuclear.

“Estamos determinados a salvar este acordo, porque nos resguarda da proliferação nuclear”, afirmou na segunda-feira o chanceler da França, Jean-Yves Le Drian, em Berlim. Já seu colega alemão, Heiko Maas, expressou temores de que um “fracasso conduza a uma escalada” de violência no Oriente Médio.

‘Desastrosas deficiências’

Durante sua campanha, Trump condenou “o plano de ação” acordado durante o governo democrata de Barack Obama, a quem condena por “desastrosas deficiências” no acordo com Teerã.

Em janeiro, lançou um ultimato aos europeus, dando-lhes até 12 de maio para “endurecer” o acordo em vários pontos: as inspeções do OIEA, e a suspensão progressiva – a partir de 2025 – de certas restrições às atividades nucleares iranianas.

O presidente alega ainda que o acordo não ataca diretamente o programa de mísseis balísticos de Teerã, nem seu papel “desestabilizador” em vários países do Oriente Médio, como Síria, Iêmen, ou Líbia.

França, Reino Unido e Alemanha assumiram as negociações com os diplomatas americanos para buscar possíveis soluções para suas preocupações.

Na segunda-feira, em Washington, o chefe da diplomacia britânica, Boris Johnson, reconheceu que as demandas de Trump são “legítimas”.

“Acreditamos que se pode ser mais duro com o Irã” e “abordar as preocupações do presidente” Trump sem desfazer o acordo, completou.

Durante uma visita à Casa Branca em 24 de abril, o presidente da França, Emmanuel Macron, propôs  negociar “um novo acordo” com o Irã, em torno do “pilar” do firmado em 2015 e que construa outras bases para responder às preocupações americanas.

“Este acordo não é o melhor do mundo”, mas, “sem ser perfeito, tem um certo número de virtudes”, e os iranianos “o respeitam”, declarou nesta terça-feira (8/5) a ministra francesa das Forças Armadas, Florence Parly, à rádio RTL.

“Será necessário continuar defendendo melhorar esse acordo. Estejam os Estados Unidos presentes, ou não”, acrescentou.

Para Robert Malley, ex-negociador com o Irã na Presidência de Barack Obama e presidente do International Crisis Group, o destino do acordo está agora nas mãos dos europeus.

Próximos passos do Irã

Resta saber o que o Irã fará diante da possibilidade de os Estados Unidos restabelecerem as sanções.

Os ultraconservadores do país mantêm uma linha muito dura. Na quinta-feira, um conselheiro do aiatolá Ali Khamenei, o guia supremo iraniano, afirmou que Teerã deixará o acordo, se Washington cumprir sua ameaça.

Já o presidente Hassan Rohani disse, na segunda-feira, que o Irã poderia continuar aplicando as prerrogativas do acordo, mesmo após a saída dos EUA.

Rohani condicionou o respeito ao acordo a garantias “da parte não americana”. Caso contrário, “seguiremos nosso próprio caminho”, advertiu.

No domingo, Rohani havia declarado: “Seja qual for a decisão de Trump, resistiremos”.

“Se os Estados Unidos abandonarem o acordo nuclear, verão em breve que vão lamentar como nunca antes na história”, declarou.

 


Comentar usando